As suas preferências desta sessão foram atualizadas. Para alterar permanentemente as configurações da sua conta, acesse
Lembre-se de que é possível atualizar o país ou o idioma de sua preferência a qualquer momento em
checkoutarrow
BR
beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements

O Que é o Selênio e Como Ele Ajuda o Corpo?

Por Dr. Eric Madrid

Neste artigo:


Descoberto por um químico sueco em 1817, o selênio se tornou uma área de interesse científico durante a década de 1950 e hoje é reconhecido como um oligoelemento essencial para o corpo humano. Oligoelementos são minerais presentes em pequenas quantidades em tecidos vivos, com diversas funções importantes. Existem no total 14 oligoelementos conhecidos, incluindo ferrozincoiodocobremanganês, alumínio, chumbo e flúor. 

O selênio pode ser obtido a partir da dieta ou através do consumo de suplementos. Funcionando como um poderoso antioxidante, ele beneficia o corpo humano ao proteger contra radicais livres nocivos, desempenhando funções imunes protetoras. 

‌‌‌‌Tipos de Selênio

O selênio existe em duas formas: inorgânica e orgânica. Os compostos inorgânicos são conhecidos como "selenato" e "selenito" enquanto os compostos orgânicos são conhecidos como "selenometionina" e "selenocisteína". Tipicamente, as plantas contêm a forma inorgânica, que é convertida na selenocisteína que pode ser utilizada pelo corpo humano. 

O corpo humano absorve o mineral de maneira mais fácil quando na presença de vitaminas lipossolúveis como a vitamina AD, e E

‌‌‌‌Fontes Alimentares Ricas em Selênio

Outros alimentos como cereais, laticínios, grãos e ovos também contêm quantidades adequadas de selênio. 

A melhor maneira de consumir selênio é através de uma dieta equilibrada. Porém, pode ser apropriado tomar um suplemento vitamínico com selênio quando os níveis necessários não puderem ser alcançados através de uma dieta adequada. Embora os suplementos de selênio existam na forma orgânica e não-orgânica, pesquisas já demonstraram que a forma orgânica pode ser absorvida de maneira mais fácil. 

‌‌‌‌Sinais da Deficiência de Selênio

Quando alguém não consome quantidades adequadas de selênio, os seguintes sinais e sintomas podem estar presentes.

  • Fraqueza muscular
  • Fadiga crônica
  • Perda de cabelo
  • Infertilidade
  • Problemas de imunidade

Pessoas com problemas digestivos apresentam risco de má absorção e aumento do risco de deficiência. 

A dose recomendada depende da idade e do sexo da pessoa, mas de maneira geral a quantidade diária para adultos é de 55 mcg por dia e para crianças é de 20 mcg por dia.  Embora muitos especialistas achem esse valor muito baixo, e que seria a quantidade mínima (não a ideal), podem ocorrer efeitos colaterais quando o selênio é tomado em excesso. 

Quando o selênio é tomado na forma de multivitamínicos ou na forma de suplemento conforme recomendado, ele é seguro. Porém, tomar mais do que o recomendado no rótulo do suplemento pode causar efeitos colaterais, incluindo anemia, perda de cabelo e rigidez óssea. Outros sintomas comuns de toxicidade incluem sabor metálico na boca, diarreia, náuseas, mudanças no estado mental e neuropatia periférica.   

‌‌‌‌O Selênio e a Imunidade 

Um sistema imune forte e saudável é essencial para combater qualquer tipo de infecção causada por bactérias ou vírus. Mais de 20 selenoproteínas estão ligadas ao selênio , sendo responsáveis por seu poderoso mecanismo antioxidante de defesa, uma importante característica da resposta imune que protege o nosso corpo. 

Antioxidantes ajudam a prevenir danos celulares causados pelo excesso de radicais livres e outros tipos de estresse oxidativo. Quando o estresse oxidativo se mantém mínimo, menos células saudáveis são danificadas, reduzindo o risco de doenças e infecções. 

Além disso, já foi demonstrado que o selênio apresenta atividades anti inflamatórias, antivirais e bacterianas que influenciam fortemente a inflamação e resposta imune. Diversos estudos demonstraram a associação entre o selênio e infecções virais e a tireoide e serão discutidos abaixo. 

‌‌‌‌Selênio e Infecções Virais 

A deficiência de selênio tem sido diretamente relacionada a um risco aumentado para infecções virais. A diminuição dos níveis de selênio no corpo pode resultar no aumento do estresse oxidativo, levando ao aumento da inflamação. Os dados mais convincentes a respeito dos efeitos nocivos da deficiência de selênio vem de uma área da china onde o solo contém níveis baixos de selênio. Muitas mulheres e crianças apresentavam a doença de Keshan, um tipo de cardiomiopatia causada por um vírus que pode ser prevenido quando os indivíduos fazem suplementação com cápsulas de selênio. Isso é preocupante em grupos malnutridos, como crianças e idosos, já que podem ser deficientes em selênio e possivelmente mais suscetíveis a infecções. 

Um estudo de 2013 no Journal of Nutrition analisou de perto a correlação ente o selênio e dois vírus, o coxsackievirus e o influenza. No laboratório, camundongos receberam uma dieta com quantidades adequadas de selênio ou deficiente por quatro semanas e então foram inoculados com o coxsackievirus B3 ou uma linhagem de influenza. Observou-se que o grupo com a dieta deficiente em selênio apresentava um aumento de cinco vezes no desenvolvimento de miocardite, uma infeção perigosa do coração. Eles observaram que os camundongos com deficiência de selênio infectados com o vírus influenza apresentaram inflamação pulmonar severa. 

Um estudo adicional analisou os efeitos protetores da suplementação com selênio contra o influenza em camundongos e demonstrou que camundongos que receberam suplementação apresentaram taxa de sobrevivência mais altas do que aqueles que eram deficientes. Isso pode ser novamente atribuído à habilidade benéfica do selênio em eliminar os vírus. Eu não encontrei estudos em humanos. 

Um estudo de 2004 no American Journal of Clinical Nutrition avaliou o selênio e o poliovírus. No estudo, um grupo de adultos com dosagens baixas de selênio no sangue recebeu suplementação com um placebo, 50 mcg ou 100 mcg de selênio por dia, durante 15 semanas. 

Depois de 6 semanas, todos os grupos receberam vacinas orais para pólio. Então, o sangue delas foi analisado. Os grupos de suplementação com 50 mcg e 100 mcg apresentaram aumento nos níveis sanguíneos de selênio conforme esperado e também demonstraram melhor resposta imune, o que leva a uma rápida eliminação do poliovírus. 

O HIV é outra infecção por vírus de RNA que tem sido relacionada a mudanças nos níveis de selênio. Entre indivíduos infectados com HIV, níveis baixos de selênio tem sido diretamente relacionados a contagens baixas de células T CD4+, piorando a progressão da doença e com mortalidade mais alta. Um teste clínico duplo-cego, randomizado e placebo-controlado de 2007 selecionou grupos de participantes que receberam uma suplementação com alta dose de selênio (200mcg/d) ou uma cápsula de placebo e foram avaliados no intervalo de 9 meses e 18 meses. O estudo concluiu que no intervalo de nove meses, descobriu-se que pessoas tomando a suplementação de selênio apresentavam altos níveis séricos de selênio, e a progressão do HIV e contagem de células CD4+ foram suprimidas. Além disso, pessoas recebendo a suplementação também apresentaram diminuição na internação em hospitais, o que é uma evidência de que a suplementação pode ser um incremento benéfico para pessoas lidando com HIV. 

‌‌‌‌O Selênio e a Tireoide 

Devido às propriedades antioxidantes do selênio, pesquisas demonstraram que ele tem um papel essencial no funcionamento da glândula tireoide e na produção de seus hormônios. Na verdade, nos adultos a tireoide é o órgão com a maior quantidade de selênio por grama de tecido. Já foi demonstrado que níveis baixos de selênio contribuem para doenças autoimunes da tireoide, incluindo a tireoidite de Hashimoto, hipotireoidismo, câncer de tireoide e também tireoide aumentada. 

Um estudo popular de 2002 analisou um grupo de pacientes com doenças autoimunes da tireoide. Alguns receberam placebo, enquanto outros receberam suplementação com 200 mcg de selênio por três meses. O grupo do selênio apresentou redução nos anticorpos para a peroxidase da tireoide de 100 por cento para 63,6 por cento, e o ultrassom mostrou menos inflamação da glândula tireoide. Este estudo fornece evidências fortes de que o selênio apresenta impacto significativo sobre a saúde da glândula tireoide. 

Um artigo de 2016 analisou a literatura de 16 diferentes estudos clínicos que mediram os anticorpos sanguíneos contra a peroxidase da tireoide e anticorpos contra tireoglobulina nos intervalos de três, seis e doze meses, em pacientes com tireoidite de Hashimoto. Dos dois grupos no estudo, um foi tratado com um medicamento para a tireoide chamado levotiroxina e selênio. O segundo grupo somente recebeu selênio. Os resultados sugeriram que o grupo tratado tanto com remédios quanto com o selênio demonstrou uma diminuição dos anticorpos aos três meses, até os 12 meses. O grupo que recebeu a suplementação somente com selênio observou uma redução nos anticorpos por somente três meses. Esta é a evidência de que a suplementação com selênio ajuda a otimizar a saúde geral da tireoide.

Mulheres grávidas positivas para anticorpos contra a peroxidase da tireoide apresentam alto risco de desenvolverem disfunções na tireoide ou hipotireoidismo após o parto. O Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism reporta um estudo de 2007 que demonstrou que a suplementação de selênio reduz o risco de problemas na tireoide no pós-parto. No estudo, 151 mulheres receberam 200 mcg de selênio ou placebo por volta do terceiro mês de gravidez. Aquelas que tomaram o selênio tiveram 20 por cento a menos de chances de desenvolver anormalidades na tireoide. 

Felizmente, a maioria das vitaminas pré-natais contêm selênio. 

‌‌‌‌Selênio e Doenças Cadiovasculares 

Doenças cardiovasculares são uma das maiores causas de morte de pessoas no mundo todo. Qualquer coisa que possa ser feita para ajudar a reduzir os danos, mesmo que seja pouco, pode acabar tendo um grande efeito. Por exemplo, como mencionado previamente, a deficiência de selênio tem um papel importante na progressão da doença de Keshan, um tipo raro de cardiomiopatia. Porém, o que interessa os pesquisadores agora são os outros papeis do selênio em outros tipos de doenças cardiovasculares, caso existam. 

Uma metanálise de 2006 analisou dados de 25 estudos diferentes, avaliando a suplementação de selênio e sua associação a doenças cardíacas. Os resultados demonstraram que um aumento de 50 por cento no selênio sanguíneo estava diretamente relacionado a uma redução de 24 por cento no risco de eventos coronarianos, como ataques cardíacos. Porém, o estudo também apontou que a validade era incerta, pois os estudos foram observacionais. Além disso, em alguns casos a suplementação com selênio não foi medida independentemente, mas fornecida junto com outros minerais.  

Um estudo de 2006 no American Journal of Epidemiology analisou 1004 participantes ao longo de um período de oito anos. Metade deles recebeu suplementação com 200 mcg de selênio e a outra metade um placebo. Os cientistas concluíram que não haviam achados significativos sugerindo benefícios preventivos para a suplementação. Mais tardem, um estudo de 2009 concluiu que pessoas com níveis mais baixos de selênio tinham menor probabilidade de morrer de doenças cardíacas.

‌‌‌‌Mensagem Principal

O selênio é um mineral essencial com propriedades antioxidantes potentes e benefícios imunoprotetores contra infecções virais. Pesquisas também apoiam os benefícios do selênio na redução dos níveis de hormônios da tireoide em doenças autoimunes da tireoide, bem como na prevenção da tireoidite pós-parto. Mais pesquisas precisam ser conduzidas para que possamos dizer com confiança se o selênio é útil contra o câncer ou doenças cardiovasculares. 

Referências:

  1. Sunde RA. Selenium. In: Bowman B, Russell R, eds. Present Knowledge in Nutrition. 9th ed. Washington, DC: International Life Sciences Institute; 2006:480-97
  2. Food and Nutrition Board of the Institute of Medicine. Dietary Reference Intakes for Vitamin A, Vitamin K, Arsenic, Boron, Chromium, Copper, Iodine, Iron, Manganese, Molybdenum, Nickel, Silicon, Vanadium, and Zinc. National Academies Press, Washington DC, 2000. https://www.nap.edu/catalog/10026/dietary-reference-intakes-for-vitamin-a-vitamin-k-arsenic-boron-chromium-copper-iodine-iron-manganese-molybdenum-nickel-silicon-vanadium-and-zinc (Acessado em 09 de janeiro 2018). 
  3. Chen J. An original discovery: selenium deficiency and Keshan disease (an endemic heart disease). Asia Pac J Clin Nutr. 2012;21(3):320-6. PMID: 22705420. 
  4. Beck MA, Levander OA, Handy J. Selenium deficiency and viral infection. J Nutr. 2003;133:1463S–1467S. 
  5. Yu L. Sun L. Nan Y. Zhu LY. Protection from H1N1 Influenza virus infections in mice by supplementation with selenium: a comparison with selenium-deficient mice. Biol Trace Elem Res. 2011;141:254–261. 
  6. Broome CS, McArdle F, Kyle JA, Andrews F, et al. An increase in selenium intake improves immune function and poliovirus handling in adults with marginal selenium status. Am J Clin Nutr. 2004;80:154–162
  7. Hurwitz BE, Klaus JR, Llabre MM, Gonzalez A, Lawrence PJ, Maher KJ, Greeson JM, Baum MK, Shor-Posner G, Skyler JS, Schneiderman N. Suppression of human immunodeficiency virus type 1 viral load with selenium supplementation: a randomized controlled trial. Arch Intern Med. 2007 Jan 22;167(2):148-54. doi: 10.1001/archinte.167.2.148. PMID: 17242315. 
  8. Gärtner R, Gasnier BC, Dietrich JW, et al. Selenium supplementation in patients with autoimmune thyroiditis decreases thyroid peroxidase antibodies concentrations. J Clin Endocrinol Metab. 2002;87:1687–91. 
  9. Wichman J, Winther KH, Bonnema SJ, Hegedus L. Selenium supplementation significantly reduces thyroid autoantibody levels in patients with chronic autoimmune thyroiditis: A systematic review and meta-analysis. Thyroid. 2016 Dec;26(12):1681–1692. doi:10.1089/thy.2016.0256
  10. Negro R, Greco G, Mangieri T, Pezzarossa A, Dazzi D, Hassan H. The influence of selenium supplementation on postpartum thyroid status in pregnant women with thyroid peroxidase autoantibodies. J Clin Endocrinol Metab. 2007 Apr;92(4):1263-8. doi: 10.1210/jc.2006-1821. Epub 2007 Feb 6. PMID: 17284630. 
  11. Puspitasari, Irma M et al. “Updates on clinical studies of selenium supplementation in radiotherapy.” Radiation oncology (London, England) vol. 9 125. 29 May. 2014, doi:10.1186/1748-717X-9-125
  12. U.S. Food and Drug Administration. Qualified Health Claims: Letters of Enforcement Discretion. 
  13. Flores-Mateo, Gemma et al. “Selenium and coronary heart disease: a meta-analysis.” The American journal of clinical nutrition vol. 84,4 (2006): 762-73. doi:10.1093/ajcn/84.4.762
  14. Saverio Stranges, James R. Marshall, Maurizio Trevisan, Raj Natarajan, Richard P. Donahue, Gerald F. Combs, Eduardo Farinaro, Larry C. Clark, Mary E. Reid, Effects of Selenium Supplementation on Cardiovascular Disease Incidence and Mortality: Secondary Analyses in a Randomized Clinical Trial, American Journal of Epidemiology, Volume 163, Issue 8, 15 April 2006, Pages 694–699, https://doi.org/10.1093/aje/kwj097
  15. Lubos E, Sinning CR, Schnabel RB, et al. Serum selenium and prognosis in cardiovascular disease: results from the AtheroGene study. Atherosclerosis. 2010;209(1):271-277. doi:10.1016/j.atherosclerosis.2009.09.008

Artigos Relacionados

Ver tudo

Bem-estar

5 Maneiras Naturais de Melhorar o Seu Humor

Bem-estar

7 ideias de presentes naturais e caseiros de Dia das Mães

Bem-estar

Será Que as Vitaminas Lipossomais Oferecem Mais Benefícios Para a Saúde?