A primeira menção ao mel data de milhares de anos atrás nos escritos ancestrais dos Babilônios e Sumérios. Hoje em dia, é o adoçante natural mais consumido no mundo. Ele também é usado por algumas pessoas como tratamento.

O mel é produzido pelas abelhas após consumirem o néctar das flores, que reage com as enzimas no seu estômago. Quando as abelhas retornam para a colmeia, elas regurgitam uma substância recém formada - que reconhecemos como mel - e armazena em um favo de mel. O objetivo principal do mel é fornecer alimento para as abelhas bebês. Em empresas que cuidam de abelhas, eles se certificam de que as abelhas bebês tenham uma quantidade adequada de mel para crescerem, enquanto removem o excesso para uso humano. 

O uso de mel em terapias médicas está começando a migrar da medicina alternativa para a convencional. Em minha prática médica no sul da Califórnia, tenho recomendado o uso de mel de qualidade médica para meus pacientes com ferimentos crônicos nas pernas devido a veias varicosas e pessoas com úlceras nos pés causadas por diabetes. Além disso, já vi especialistas em cicatrização na nossa comunidade recomendarem terapias como essa como parte de uma abordagem abrangente para cuidados com cicatrização.

‌‌‌‌De Onde Vem o Mel de Manuka?

Otimizar o seu sistema imune é crucial para ajudar a melhorar a saúde, felicidade e longevidade.   O mel tem sido usado por pessoas em todo o mundo por milhares de anos, sendo apreciado por seus poderes terapêuticos. Porém, nem todo mel é igual. Alguns cientistas acreditam que o mel de manuka pode ser especialmente benéfico para a saúde.  

O mel de manuka começou a ganhar credibilidade científica na década de 1980, graças às pesquisas em microbiologia conduzidas pelo professor Peter Molan da Universidade de Waikato, na Nova Zelândia. Produzido por abelhas melíferas europeias, o mel de manuka vem do néctar da flor manuka (Leptospermum scoparium), que se originou na Austrália e Nova Zelândia. 

Esse mel especial é considerado monofloral, já que ele vem somente do néctar de uma flor.  Porém, alguns tipos de mel de manuka são considerados multi-florais, pois as abelhas dependem de muitos tipos de flores para fornecer o néctar. Aqueles que levam o nome manuka precisam ser independentemente testados para confirmar esta reivindicação antes de serem rotulados desta maneira.

‌‌O Que é o Mel de Manuka?

Em geral, o mel é composto de frutose, glicose, aminoácidos, enzimas, vitaminas e minerais. Ele também contém o metilglioxal, que é considerado seu ingrediente ativo e não é encontrado em outros tipos de mel. A maioria dos tipos de mel, incluindo o  manuka, contêm compostos polifenólicos e a defensina-1 das abelhas, o que confere suas habilidades de combater microrganismos

A ciência recentemente ajudou a identificar porque esta variedade tem sido tão útil na medicina tradicional. Suas propriedades antioxidantes em particular, podem ser eficientes para a cicatrização de feridas, regeneração celular e possivelmente até o tratamento de úlceras estomacais. 

‌‌‌‌7 Benefícios do Mel de Manuka Para a Saúde 

1. Saúde Bucal

Muitas pessoas ao redor do mundo têm uma saúde bucal ruim. Estudos mostraram que pessoas com dentição ruim e dentes faltando apresentam risco aumentado para ataques cardíacos e doença cardíaca congestiva. Eu frequentemente digo aos meus pacientes para conferirem se estão em dia com seus exames dentais, principalmente para ajudar a manter a saúde do coração. Muitas pessoas se preocupem com a possibilidade de o consumo de doces e outros açúcares refinados aumentar o risco de cáries nos dentes. Porém o  mel de manuka, apesar de doce, parece ser protetor devido aos seus benefícios antibacterianos.

Especificamente, um estudo de 2011 mostrou que o mel de manuka poderia ajudar a reduzir bactérias bucais nocivas. Além disso, um estudo de 2014 no Swiss Dental Journal mostrou que o mel de manuka também pode ajudar a reduzir bactérias danosas na boca.

Como resultado destes estudos, entre outros, existe hoje a disponibilidade de cremes dentais naturais contendo o mel de manuka como ingrediente. 

2. Efeito Antimicrobiano

A habilidade de encontrar maneiras naturais de ajudar o corpo a prevenir e combater infecções é importante. Com as preocupações sobre o uso excessivo de antibióticos, pesquisadores estão procurando alternativas mais seguras. Um dos motivos pelos quais acredita-se que o mel tenha propriedades antimicrobianas é ele conter uma pequena quantidade de peróxido de hidrogênio, o que destrói bactérias e vírus nocivos. Acredita-se que o mel de manuka seja eficiente contra uma ampla gama de patógenos perigosos.

Um estudo de 2014 avaliou a habilidade do manuka em inibir o vírus Influenza. Os pesquisadores concluíram que "o mel de manuka apresenta uma potente atividade inibitória contra o vírus Influenza, demonstrando um potencial valor medicinal.” Porém, este estudo foi feito usando culturas de células, então não se sabe se consumir o mel de forma oral apresentará efeitos similares.

O mel de manuka foi comparado a outro tipo popular de mel comercial em um estudo de 2018. Pesquisadores mostraram que o manuka apresentou propriedades antibacterianas mais potentes contra duas bactérias comuns, Streptococcus mutans, e Lactobacillus. Outros estudos também mostraram que o mel de manuka pode ajudar a combater as bactérias Pseudomonas e E.coli. Estas bactérias são causas comuns de infecções na pele, sangue e urina.

3. Cicatrização de Feridas

O mel é conhecido por apresentar propriedades de cicatrização de feridas quando aplicado sobre a pele. Acredita-se que isso seja por causa de suas propriedades antimicrobianas e sua habilidade de manter um ambiente úmido. Uma camada de mel forma uma barreira protetora quando colocada na pele. Além disso, o mel manuka ajuda a melhorar tanto a cicatrização de feridas quanto a regeneração de tecidos, de acordo com pesquisas. Isso é benéfico para pessoas com feridas crônicas na pele.

Sabe-se que pessoas com diabetes apresentam risco aumentado para infecções, às vezes levando à amputação de dedos, pés ou pernas. Um estudo de 2014 sobre os efeitos do manuka em úlceras nos pés de diabéticos mostrou benefícios. Pessoas que aplicaram mel de manuka em seus curativos viram suas feridas cicatrizarem 25 por cento mais rápido do que pessoas que não fizeram a terapia com o mel. Outro estudo de 2014 da Arábia Saudita mostrou benefícios similares do mel de manuka ao ajudar a curar úlceras em diabéticos nas extremidades inferiores. 

Por último, um estudo de 2008 mostrou que o mel de manuka pode ajudar a matar as bactérias Pseudomonas, um tipo de bactéria comum em infecções e úlceras graves em pés de diabéticos. 

4. Alívio de Dores de Garganta e Tosse

Não sei a sua avó, mas eu lembro da minha recomendando mel para tosse durante momentos de doenças. Embora não fosse cientista, ela definitivamente sabia das coisas.

Um estudo de 2010 que comparou o mel a xaropes medicamentosos para tosse mostrou que crianças com infecções do trato respiratório superior e tosse apresentaram redução na tosse quando receberam 2,5 ml de mel. Mais tarde, um estudo de 2018 também concluiu que o mel foi mais eficiente em combater sintomas de tosse do que um placebo. O mel também tem um efeito de alívio em dores de garganta, quando uma colher de chá é consumida. 

5. Alívio de Problemas Digestivos

Um desconforto estomacal pode ter muitas causas, desde tomar antibióticos até o consumo dos alimentos errados.  Infecções virais e bacterianas também podem causar um desequilíbrio no trato gastrointestinal, levando a ronco no estômago, gases, inchaço e até diarreia. O desequilíbrio intestinal é o principal motivo para os probióticos terem ganho popularidade na última década. Porém, o mel de manuka também pode ser uma ferramenta útil para ajudar a otimizar a saúde gastrointestinal. 

Vamos considerar a bactéria Salmonella. No mundo todo, 100 milhões de infecções intestinais ocorrem todo ano, resultando em 150.000 a 200.000 mortes. Oitenta por cento destas infecções são causadas por alimentos - garantir o acesso a água e alimentos limpos é essencial para reduzir a exposição, bem como evitar o contato com animais doentes. Sintomas podem incluir diarreia, cólicas abdominais e febre. Se a bactéria entrar no sangue, a pessoa também pode apresentar dores nas articulações e nos músculos. Os sintomas podem persistir por uma semana ou até mais em alguns casos. 

Estudos em 2011 e 2015 sugerem que o mel de manuka pode ajudar a matar a bactéria Salmonella. Porém, mais pesquisas são necessárias antes que ele possa ser considerado parte do tratamento, já que os antibióticos são considerados a melhor solução.

Clostridium difficile é outra bactéria que pode causar infecções intestinais. Pessoas que tomam antibióticos com frequência ou ficam hospitalizadas por vários motivos são suscetíveis ao super crescimento deste microrganismo potencialmente fatal. Uma infecção intestinal por Clostridium pode resultar em diarreia, dores abodominais severas e frequentemente sangramento retal. Eu vi diversos pacientes ficarem severamente desidratados por causa deste microrganismo.    

Um estudo de 2013 concluiu que “C. difficile é consideravelmente suscetível ao mel de manuka e isso pode oferecer uma maneira eficiente de tratar infecções causadas por este organismo.” Um estudo de 2014 também mostrou que o mel de manuka é benéfico contra esta bactéria. 

Um estudo de 2008 usando ratos mostrou que o mel manuka pode ajudar a reduzir a inflamação no cólon, o que poderia ajudar pessoas com colite ulcerativa ou doença de Crohn.  

6. Úlceras Estomacais

No mundo todo, milhões de pessoas são afetadas por úlceras estomacais enquanto centenas de milhões sofrem de gastrite e/ou refluxo. Cientistas descobriram na década de 1980 que a bactéria Helicobacter pylori causava úlceras estomacais e já foi demonstrado que antibióticos podem ser benéficos no tratamento. Porém, algumas pessoas podem considerar o mel uma terapia. Por exemplo, um estudo de 1994 mostrou que o mel de manuka pode ajudar a matar a bactéria Helicobacter pylori. Além disso, um estudo de 2015 mostrou que o mel de manuka pode ajudar a prevenir úlceras gástricas induzidas pela ingestão de álcool. A pesquisa utilizou ratos como objeto de estudo e nenhum estudo comparável foi feito em humanos, de acordo com as minhas pesquisas. As pessoas sempre devem consultar um médico antes de fazer um autodiagnóstico e tratamento. 

7. Melhora da Pele

Manter a pele uniforme e com uma aparência jovem é o objetivo de muitas pessoas. Seja para danos solares, infecções bacterianas leves ou acne, encontrar o creme facial ideal pode ajudar a atingir este objetivo. O mel de manuka tem sido adicionado a formulas de limpeza facial para ajudar a otimizar a pele. 

mel de manuka está disponível na sua forma natural, bem como em pasta de dentes, pastilhas para a garganta, cremes faciais e spray bucal.

Referências:

  1. Hayes G, Wright N, Gardner SL, Telzrow CL, Wommack AJ, Vigueira PA. Manuka honey and methylglyoxal increase the sensitivity of Staphylococcus aureus to linezolid. Lett Appl Microbiol. 2018 Jun;66(6):491-495. doi: 10.1111/lam.12880. Epub 2018 Apr 19. PMID: 29575121. 
  2. Antibiotics 2019, 8(4), 251; https://doi.org/10.3390/antibiotics8040251
  3. Holmlund A, Lampa E, Lind L. Oral health and cardiovascular disease risk in a cohort of periodontitis patients. Atherosclerosis. 2017 Jul;262:101-106. doi: 10.1016/j.atherosclerosis.2017.05.009. Epub 2017 May 11. PMID: 28531825. 
  4. Badet C, Quero F. The in vitro effect of manuka honeys on growth and adherence of oral bacteria. Anaerobe. 2011 Feb;17(1):19-22. doi: 10.1016/j.anaerobe.2010.12.007. Epub 2010 Dec 31. PMID:21195787. 
  5. Schmidlin PR, English H, Duncan W, Belibasakis GN, Thurnheer T. Antibacterial potential of Manuka honey against three oral bacteria in vitro. Swiss Dent J. 2014;124(9):922-4. PMID: 25253413. 
  6. Johnston M, McBride M, Dahiya D, Owusu-Apenten R, Nigam PS. Antibacterial activity of Manuka honey and its components: An overview. AIMS Microbiol. 2018 Nov 27;4(4):655-664. doi:10.3934/microbiol.2018.4.655. PMID: 31294240; PMCID: PMC6613335. 
  7. Watanabe K, Rahmasari R, Matsunaga A, Haruyama T, Kobayashi N. Anti-influenza viral effects of honey in vitro: potent high activity of manuka honey. Arch Med Res. 2014 Jul;45(5):359-65. doi:10.1016/j.arcmed.2014.05.006. Epub 2014 May 29. Erratum in: Arch Med Res. 2014 Aug;45(6):516. PMID: 24880005. 
  8. Beena JP, Sahoo P, Konde S, Raj NS, Kumar NC, Agarwal M. Manuka Honey: A Potent Cariostatic Agent- An in vitro Study. Int J Clin Pediatr Dent. 2018 Mar-Apr;11(2):105-109. doi: 10.5005/jp-journals-10005-1494. Epub 2018 Apr 1. PMID: 29991862; PMCID: PMC6034044. 
  9. Niaz K, Maqbool F, Bahadar H, Abdollahi M. Health Benefits of Manuka Honey as an Essential Constituent for Tissue Regeneration. Curr Drug Metab. 2017;18(10):881-892. doi:10.2174/1389200218666170911152240. PMID: 28901255. 
  10. Kamaratos AV, Tzirogiannis KN, Iraklianou SA, Panoutsopoulos GI, Kanellos IE, Melidonis AI. Manuka honey-impregnated dressings in the treatment of neuropathic diabetic foot ulcers. Int Wound J. 2014 Jun;11(3):259-63. doi: 10.1111/j.1742-481X.2012.01082.x. Epub 2012 Sep 18. PMID: 22985336. 
  11. Alam F, Islam MA, Gan SH, Khalil MI. Honey: a potential therapeutic agent for managing diabetic wounds. Evid Based Complement Alternat Med. 2014;2014:169130. doi: 10.1155/2014/169130. Epub 2014 Oct 15. PMID: 25386217; PMCID: PMC4216698. 
  12. Henriques AF, Jenkins RE, Burton NF, Cooper RA. The effect of manuka honey on the structure of Pseudomonas aeruginosa. Eur J Clin Microbiol Infect Dis. 2011 Feb;30(2):167-71. doi: 10.1007/s10096-010-1065-1. Epub 2010 Oct 10. PMID: 20936493. 
  13. Shadkam MN, Mozaffari-Khosravi H, Mozayan MR. A comparison of the effect of honey, dextromethorphan, and diphenhydramine on nightly cough and sleep quality in children and their parents. J Altern Complement Med. 2010 Jul;16(7):787-93. doi:10.1089/acm.2009.0311. PMID: 20618098. 
  14. Oduwole O, Udoh EE, Oyo-Ita A, Meremikwu MM. Honey for acute cough in children. Cochrane Database Syst Rev. 2018 Apr 10;4(4):CD007094. doi:10.1002/14651858.CD007094.pub5. PMID: 29633783; PMCID: PMC6513626. 
  15. European Journal of Clinical Microbiology Infect Dis  2011 Apr;30(4):569-74.doi: 10.1007/s10096-010-1121-x.Epub 2010 Dec 17. 
  16. BMC Complementary Alternative Medicine. 2015 Feb 26;15:32.doi: 10.1186/s12906-015-0549-z. 
  17. Hammond EN, Donkor ES. Antibacterial effect of Manuka honey on Clostridium difficile. BMC Res Notes. 2013;6:188. Publicado em 7 de mai de 2013. doi:10.1186/1756-0500-6-188
  18. Hammond EN, Donkor ES, Brown CA. Biofilm formation of Clostridium difficile and susceptibility to Manuka honey. BMC Complement Altern Med. 2014;14:329. Publicado em 3 de set de 2014. doi:10.1186/1472-6882-14-329
  19. Prakash A, Medhi B, Avti PK, Saikia UN, Pandhi P, Khanduja KL. Effect of different doses of Manuka honey in experimentally induced inflammatory bowel disease in rats. Phytotherapy Research. 2008 Nov;22(11):1511-9. doi: 10.1002/ptr.2523. PMID: 18688794. 
  20. al Somal N, Coley KE, Molan PC, Hancock BM. Susceptibility of Helicobacter pylori to the antibacterial activity of manuka honey. J R Soc Med. 1994;87(1):9-12. 
  21. Almasaudi SB, El-Shitany NA, Abbas AT, et al. Antioxidant, Anti-inflammatory, and Antiulcer Potential of Manuka Honey against Gastric Ulcer in Rats. Oxid Med Cell Longev. 2016;2016:3643824. doi:10.1155/2016/3643824