As suas preferências desta sessão foram atualizadas. Para alterar permanentemente as configurações da sua conta, acesse
Lembre-se de que é possível atualizar o país ou o idioma de sua preferência a qualquer momento em
beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements

5 formas de saber se você tem deficiência de ferro

Por Melissa Anzelone, ND

Neste artigo:


‌‌‌‌O que é o ferro? 

ferro é um elemento químico cujo valor já se conhece há séculos. Ele é o elemento mais abundante no planeta, constituindo grande parte da crosta e do núcleo terrestres. No início do século XX, cientistas descobriram a função do ferro na hemoglobina, que está presente nos glóbulos vermelhos do nosso sangue.

Na verdade, o corpo humano tem dificuldade para absorver o ferro, pois ele se oxida ou perde energia quando entra em contato com o oxigênio. Porém, o corpo é esperto e desenvolveu formas de contornar esse problema, incluindo adaptações no intestino para favorecer certos micróbios que são melhores que outros ao absorver o ferro.

‌‌O que o ferro faz no corpo?

O ferro é um componente essencial da hemoglobina, proteína presente em cada glóbulo vermelho do sangue, que transporta o oxigênio a todas as partes do corpo. Essa forma ativa corresponde a cerca de 25% de todo o ferro no corpo. Uma parte do elemento é armazenada na mioglobina ou em um complexo ferro-proteína encontrado nos músculos. Quando você malha ou se movimenta ou faz qualquer atividade, seus músculos precisam de bastante oxigênio. Também há várias enzimas dependentes de ferro no corpo. Enzimas são moléculas de proteína ativas e essenciais para produzir ou decompor certos compostos no corpo.

O ferro também é armazenado no corpo na forma de ferritina. A ferritina funciona como nossa "reserva de ferro", pronta para ser liberada na corrente sanguínea, se necessário. A ferritina, nosso ferro armazenado, é mantida em dois órgãos: fígado e coração. Há um "ciclo do ferro" no corpo, no qual o ferro é armazenado, liberado e reciclado, dependendo das necessidades do organismo.

O ferro pode ser dividido em duas categorias: heme e não heme. O ferro heme é absorvido mais prontamente e costuma ser encontrado em fontes animais. O ferro não heme, por outro lado, é mais difícil de ser absorvido pelo corpo e costuma ser encontrado em fontes vegetais.

‌‌‌‌Quais boas fontes de ferro existem? 

Há diversas fontes alimentares de ferro, como feijões, espinafre, carnes vermelhas, lentilhas e sementes de abóboraSementes ricas em ferro podem conter ácido fítico, um composto que pode reduzir ainda mais a absorção desse elemento.

Vários alimentos são fortificados com ferro, incluindo bebidas, leite, cereais e condimentos. Frequentemente, adiciona-se ferro a esses alimentos para aumentar o teor dessa substância, a fim de melhorar a absorção.

Outra técnica empregada na agricultura é a biofortificação, técnica de cultivo que aumenta o teor de ferro em alimentos como trigo e feijões.

‌‌‌‌5 sinais da deficiência de ferro

As deficiências de ferro podem ocorrer quando o corpo usa mais ferro do que se consome ou absorve. Muitas vezes, as deficiências de ferro são vistas através de exames de sangue que contam as quantidades de hemoglobina, ferritina ou moléculas transportadoras responsáveis por locomover o ferro pelo corpo.

Um dos principais problemas ligados à deficiência de ferro é o surgimento de anemia, que afeta cerca de 30% da população mundial. Mulheres, sobretudo gestantes, e crianças com menos de 5 anos correm um risco maior de desenvolver anemia por deficiência de ferro. As deficiências de ferro podem ocorrer por diversos motivos, mas a alimentação e o uso de suplementos podem contribuir para a manutenção de um status de ferro saudável.

1. Fadiga

Como uma das principais tarefas do ferro é levar oxigênio a tecidos por todo o corpo através da hemoglobina, faz sentido pensar que o corpo se sentirá fadigado ou fraco se houver menos ferro para realizar a função. Pense no cansaço que você sente após um treino pesado. Durante o treino, você leva seu corpo à capacidade máxima, o que exige oxigênio e acelera os batimentos. Esse tipo de fadiga é normal e, possivelmente, esgota o ferro no processo.

Quando os estoques de ferro no corpo estão baixos, não há oxigênio suficiente para fornecer aos músculos os nutrientes de que eles precisam. Muitas vezes, a fadiga ou a letargia são sintomas por meio dos quais o corpo começa a te cansar de propósito para que você não consuma o ferro restante.

2. Tontura/Vertigem

O mesmo vale para o cérebro. Para trabalhar o dia inteiro em um projeto da escola ou do trabalho, o cérebro precisa de muito oxigênio para manter o ritmo. O ferro fornece esse oxigênio ao cérebro. Assim, ele poderá te ajudar a resolver um problema matemático difícil ou passar a noite trabalhando para cumprir um prazo.

Quando o cérebro não recebe oxigênio suficiente, ele emite sinais instantaneamente. Seu cérebro poderá ficar fadigado ou, mais frequentemente, você poderá sentir tontura ou vertigem. Isso é o seu cérebro dando um sinal de "reinicialização" ao corpo. Quando seu teor de nutrientes, especialmente oxigênio, está muito baixo, a solução do cérebro é te fazer desmaiar. Ele acredita que essa seja a solução para reinicializar o corpo e é, de fato, mas não a melhor opção se você não estiver em um local seguro para reinicializar.

3. Unhas frágeis

Unhas finas e frágeis podem ser consequência de uma deficiência de ferro. Devido à redução do oxigênio no sangue que circula até as unhas, elas começam a se curvar para dentro. Essa deformidade costuma ser chamada de unha em colher. Um nível baixo de oxigênio no sangue leva ao enfraquecimento do tecido conjuntivo sob o leito ungueal. Além disso, as extremidades das unhas poderão ficar serrilhadas devido às quebras.

4. Palidez

A palidez pode ser um sinal da deficiência de ferro. Ao determinar se uma pessoa está com palidez, os médicos olham a parte interna das pálpebras, a língua, as palmas das mãos e o leito ungueal. Se essas áreas tiverem uma coloração mais branca que vermelha, poderá haver palidez.

Essa alteração da cor sob a pele pode ser consequência do fluxo sanguíneo mais fraco até essas regiões. Com um fluxo sanguíneo menor, essas partes do corpo podem ficar com um tom mais branco que vermelho.

5. Falta de ar

Quando o corpo está com pouco ferro, cai o nível de oxigênio levado a todos os órgãos. O mesmo se aplica aos pulmões. Pode parecer contraintuitivo ou o oposto do que você está pensando: como os pulmões podem ficar com pouco oxigênio se é isso que eles fornecem ao corpo?

Os pulmões são essenciais na troca de dióxido de carbono por oxigênio, que será utilizado por todos os órgãos do corpo. Mas, curiosamente, os pulmões também precisam de seu próprio suprimento de oxigênio - por meio do ferro e da hemoglobina. Quando os pulmões não recebem oxigênio suficiente, você pode ter falta de ar.

‌‌Suplementos de ferro: possíveis soluções para a deficiência de ferro

Estudos apontam a redução dos sintomas com a suplementação de ferro. Há muitas formas de ferro disponíveis, incluindo líquido, comprimido, cápsula e sublingual. Além dessas várias vias de administração, também há diferentes formas químicas de ferro.

Muitas vezes, devido à dificuldade na absorção, o ferro é quelatado ou ligado a outra substância para aumentar sua biodisponibilidade ou absorção. Além disso, o ferro costuma ser tamponado em uma cápsula com revestimento entérico para minimizar seu contato com as paredes estomacais, o que pode causar irritação às vezes. Muitas vezes, ferro e vitamina C são utilizados em conjunto, pois a vitamina C pode aumentar a absorção de ferro.

Independentemente dos sintomas, ainda bem que há soluções para tratar a deficiência de ferro.

Referências:

  1. Abbaspour N, Hurrell R, Kelishadi R. Review on iron and its importance for human health. J Res Med Sci. 2014;19(2):164-174.
  2. Prentice AM, Mendoza YA, Pereira D, et al. Dietary strategies for improving iron status: balancing safety and efficacy. Nutr Rev. 2017;75(1):49-60. doi:10.1093/nutrit/nuw055
  3. Miller JL. Iron deficiency anemia: a common and curable disease. Cold Spring Harb Perspect Med. 2013;3(7):a011866. Published 2013 Jul 1. doi:10.1101/cshperspect.a011866
  4. Soppi ET. Iron deficiency without anemia - a clinical challenge. Clin Case Rep. 2018;6(6):1082-1086. Published 2018 Apr 17. doi:10.1002/ccr3.1529
  5. Moiz B. Spoon nails: still seen in today's world. Clin Case Rep. 2018;6(3):547-548. Published 2018 Jan 31. doi:10.1002/ccr3.1404
  6. Kalantri A, Karambelkar M, Joshi R, Kalantri S, Jajoo U. Accuracy and reliability of pallor for detecting anaemia: a hospital-based diagnostic accuracy study. PLoS One. 2010;5(1):e8545. Published 2010 Jan 1. doi:10.1371/journal.pone.0008545
  7. Hegde N, Rich MW, Gayomali C. The cardiomyopathy of iron deficiency. Tex Heart Inst J. 2006;33(3):340-344.
  8. Houston BL, Hurrie D, Graham J, et al. Efficacy of iron supplementation on fatigue and physical capacity in non-anaemic iron-deficient adults: a systematic review of randomised controlled trials. BMJ Open. 2018;8(4):e019240. Published 2018 Apr 5. doi:10.1136/bmjopen-2017-019240

Artigos Relacionados

Ver tudo

Condições

3 Suplementos para Reforçar a Saúde dos Pulmões

Condições

10 abordagens naturais para prevenir a catarata

Condições

10 causas subjacentes das doenças da tireoide