header_search header_signed-out header_signed-in header_cart sharefilled circlex circleexclamation iherbleaf
checkoutarrow
BR
O produto foi adicionado ao carrinho
Total:
Desconto:
Junto:
Quantidade:
Cart Total:
Finalizar
Clientes também compraram:
Ajuda 24 horas
beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements
Bem-estar

Respostas para as principais dúvidas sobre recém-nascidos

29 Janeiro 2018

Por Kristen Bruno, MD

Se você tem um recém-nascido, você provavelmente tem dúvidas. Aqui, eu respondo as perguntas que recebo com maior frequência como pediatra.

O que eu posso fazer com um bebê com gases?

Todos os bebês produzem gases e a maioria os elimina com facilidade. Os gases em bebês geralmente ocorrem devido ao ar engolido, o que acontece muito com tanto choro. Muitas crianças sentem desconforto com a dor dos gases. Você pode notar o bebê se contorcendo, contraindo as pernas e chorando. Os pais se preocupam com a melhor forma de fazer seus filhos aliviarem esses gases. Aqui estão algumas coisas que podem ajudar o seu bebê a ter um pouco de alívio.

  • Pedalar com as pernas: deite o bebê sobre as costas e mova suas pernas como se estivesse pedalando uma bicicleta.
  • Massagem na barriga: deixe o bebê sobre a barriga em uma superfície plana e massageie suavemente sua barriga com as mãos.
  • Calor: coloque uma toalha ou lenço morno sobre a barriga do bebê (em cima das roupas) e depois o enrole.
  • Posição de alimentação: mantenha a cabeça e o pescoço do bebê mais altas que o estômago durante a alimentação. Se estiver alimentando com mamadeira, eleve a base da mamadeira levemente para impedir que o ar se acumule ao redor da ponta.
  • Arrotar: faça o bebê arrotar frequentemente durante e depois da alimentação.
  • Medicamentos para alívio de gases: muitos pais de bebês com gases utilizam probióticos, gotas de Mylicon e gripe waters para dar ao bebê um alívio às dores dos gases.

Se o seu bebê sofre de dores excessivas causadas por gases e não foi possível resolver o problema com algum dos remédios acima, converse com um médico sobre a sua dieta se estiver amamentando, ou sobre a dieta do bebê se estiver usando fórmula.

Como eu faço meu bebê dormir à noite?

Bebês recém-nascidos não costumam distinguir entre o dia e a noite quando se trata de dormir. O relógio deles funciona 24 horas por dia e precisa aprender cedo que a noite serve para dormir e comer. Novos pais também precisam de descanso, por isso é importante mostrar ao bebê uma rotina diferente à noite para que ele durma entre as amamentações noturnas. Aprenda como:

  • Dia: Abra as cortinas para deixar a luz do sol entrar, ligue as luzes, saia para caminhar e converse com o bebê. Bebês costumam dormir por até 2 horas por vez durante o dia.
  • Noite: Mantenha o quarto escuro. Use uma luz baixa – como uma luz noturna para bebês – para fornecer o mínimo de luz para a troca de fraldas e a alimentação. Quando o bebê acordar para mamar, primeiro troque a fralda, depois enrole bem e só depois alimente, colocando-o imediatamente de volta no local de dormir quando ele terminar de se alimentar.

Os bebês dormem até 16 horas por dia em curtos períodos de 2-3 horas. Alguns dormem a noite toda entre 2 e 4 meses de idade. É importante lembrar que todo bebê é diferente. Alterar a dieta do bebê – como passar da amamentação para a fórmula – não o ajudará a dormir a noite toda.

A melhor forma de fazer o seu filho dormir por períodos mais longos é estabelecer uma rotina desde cedo e continuar colocando-a em prática. Bebês aprendem a relaxar por conta própria quando são deitados sonolentos, mas não dormindo. Enrolar o bebê, tocar uma música relaxante ou usar brinquedos sonoros também pode ajudar nas rotinas de sono.

Como tratar a crosta láctea?

A crosta láctea (chamada de caspa em crianças mais velhas e adultos) é uma grossa camada amarela ou branca que aparece em partes do couro cabeludo, por trás das orelhas e nas sobrancelhas. Pesquisadores acreditam que ela é causada pela superprodução de óleo nas glândulas da pele. A crosta láctea é muito comum em bebês depois dos dois meses de idade. Ela é inofensiva para o bebê, mas costuma levar os pais à loucura. Para muitos, é difícil lutar contra a vontade de arrancar essas coisas do couro cabeludo do bebê. A crosta láctea pode ser administrada e reduzida com alguns remédios caseiros fáceis de usar, mas não pode ser curada. Ela geralmente desaparece com um ano de idade, mas pode reaparecer quando criança.

Para um alívio temporário da crosta láctea você pode:

  • Esfregar óleo mineral, óleo de coco ou óleo de bebê no couro cabeludo dele, deixar agir por 10 minutos e depois passar shampoo, massageando suavemente com uma escova macia ou um pano.
  • Utilizar um dos vários shampoos para a crosta láctea, aplicando e deixando agir por alguns minutos antes de enxaguar
  • Conversar com seu médico em casos extremos de crosta láctea, ou em casos de crosta láctea em crianças mais velhas, quando shampoos e cremes medicados podem ser considerados.

Por que meu bebê está chorando?

O choro é a forma do bebê se comunicar. Os bebês choram por muitas razões, e a maioria o fará por várias horas por dia. O choro pode ser perturbador para os pais, que só querem ver seu bebê feliz e relaxado. Quando o bebê chorar, verifique as razões mais comuns e tente resolver o problema.

Razões comuns para o choro são:  fralda molhada ou suja, gases, fome, cansaço, frio ou calor. Essas razões geralmente são fáceis de se resolver, porém os bebês também podem chorar por razões que não são tão fáceis de se identificar. Eles são muito sensíveis ao ambiente e, geralmente entre os 6 e 8 meses de idade, choram sem razão aparente. Talvez a luz esteja forte demais, o cachorro latindo muito alto, sua voz muito aguda, o purificador de ar esteja com muito cheiro de baunilha. Quando você já atendeu a todas as necessidades e o bebê ainda está chorando, é hora de acalmá-lo. A técnica desenvolvida pelo Dr. Harvey Karp é o meu método favorito e certeiro para acalmar um bebê agitado. Os princípios básicos são dar a chupeta, enrolar, fazer chiados, deitar de lado e balançar para os lados.

Que quantidade de comida devo dar ao meu bebê?

Todo bebê é único quando se trata da quantidade e da frequência de alimentação. Bebês amamentados comem a cada 1,5-4 horas e geralmente agrupam os horários, principalmente à noite. É recomendado dar leite a recém-nascidos amamentados na frequência e na quantidade que eles quiserem nas primeiras semanas de vida, enquanto o estoque de leite está sendo estabelecido e a mãe e o bebê estão aprendendo juntos. Bebês alimentados com Fórmula geralmente usam pelo menos 28 g de fórmula a cada 2-4 horas quando saem do hospital. Depois dos primeiros dias, é normal que tomem 55-85 g a cada 2-4 horas. Tanto os bebês amamentados quanto os que recebem fórmula precisam de um suplemento de vitamina D diariamente. Seu pediatra lhe informará quando você puder parar de dar a vitamina D, mas planeje dar por pelo menos 4-6 meses.

Algumas dicas adicionais de amamentação incluem:

  • Comece a amamentar ANTES do bebê começar a chorar. É muito mais fácil alimentar um bebê se ele estiver calmo. Sinais precoces de fome são reflexos de busca e sucção, colocar a mão ou o punho na boca, abrir a boca ou colocar a língua para fora e mover a cabeça para os lados. Bebês famintos e frenéticos são difíceis de se alimentar.
  • Os períodos de crescimento ocorrem por volta dos 10 dias e novamente entre 3 e 4 semanas. Os bebês costumam comer mais nesses períodos.
  • Bebês mais novos e que dormem por períodos mais longos à noite costumam se alimentar mais durante o dia para compensar. Seu pediatra lhe dirá quando não há problemas em deixar o bebê dormir por mais de quatro horas entre as amamentações da noite.
  • Considere aumentar a quantidade de fórmula por mamadeira quando o bebê não estiver satisfeito, ou quando já estiver com fome e querendo se alimentar de novo em 1-2 horas.

Como posso reduzir o risco de SMSI?

SMSI é a sigla para Síndrome da Morte Súbita Infantil, e é algo que todos os novos pais temem. Em 2015, houve cerca de 1.600 casos de mortes de bebês devido à SMSI nos Estados Unidos, e 900 mortes devido a estrangulamentos ou sufocamento acidental na cama. A maioria das mortes por SMSI ocorre entre um e quatro meses de idade, e mais de 90% ocorre antes dos 6 meses. As mortes por SMSI diminuíram nos últimos 25 anos, com a maior queda sendo de 50% depois do lançamento da "Campanha Volte a Dormir". Pesquisas em andamento continuam a aumentar o conhecimento da SMSI e a melhorar as estratégias de prevenção. Siga esta lista até que seu bebê tenha pelo menos 12 meses de idade para reduzir o risco de SMSI:

1. SEMPRE coloque o bebê para dormir em um local seguro

  • Sempre coloque o bebê para dormir sobre as costas
  • Não permita que o bebê durma na sua cama
  • Não permita que o bebê durma com outras crianças
  • Use um berço, cercadinho ou bebê-conforto com acolchoado e lençóis firmes, sem travesseiro, sem cobertos, sem estofados de parede, sem bichinhos de animais e sem brinquedos
  • Mantenha a cama do bebê no seu quarto até que ele tenha pelo menos 6 meses de idade (a AAP recomenda 1 ano de idade)

2. Não fume

  • Não permita que alguém fume perto do bebê.
  • Não deixe seu bebê em uma sala ou carro onde pessoas estiveram fumando.

3. Ofereça uma chupeta

  • Ofereça ao seu bebê uma chupeta para dormir. Não é necessário recolocar a chupeta se ele cuspir à noite
  • Para mães que estiverem amamentando, introduza a chupeta depois que o bebê aprender a mamar.

4. Amamente seu bebê pelo máximo de tempo que conseguir

5. Não perca as visitas do cronograma do pediatra e vacine seu bebê

6. Fique de olho na temperatura

  • Não deixe seu bebê ficar muito quente
  • Mantenha o quarto onde o bebê dorme a uma temperatura agradável
  • Vista seu bebê em uma camada a mais do que você normalmente vestiria. Sacos de dormir funcionam bem.

Ser um pai pela primeira vez pode ser assustador, mas não se esqueça: seu pediatra está a apenas uma ligação telefônica.

Artigos Relacionados

Ver tudo

Bem-estar

O que é o biohacking? Como se beneficiar de escolhas mais conscientes

Bem-estar

Gengibre: a raiz poderosa

Bem-estar

Açafrão: uma abordagem natural para as doenças neuropsiquiátricas