header_search header_signed-out header_signed-in header_cart sharefilled circlex circleexclamation iherbleaf
checkoutarrow
BR
O produto foi adicionado ao carrinho
Total:
Desconto:
Junto:
Quantidade:
Cart Total:
Finalizar
Clientes também compraram:
Ajuda 24 horas
beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements
Bem-estar

Um guia rápido sobre ferro

29 Agosto 2018

Ferro é crítico à vida humana. Ele desempenha um papel central da molécula de hemoglobina das hemácias (RBC), onde funciona como transportador de oxigênio dos pulmões aos tecidos do corpo e transporte de dióxido de carbono dos tecidos para os pulmões. O ferro também funciona em várias enzimas fundamentais na produção de energia e metabolismo, incluindo síntese de DNA.

Deficiência de ferro

A deficiência de ferro é uma das deficiências nutricionais mais comuns nos Estados Unidos. Os grupos em maior risco para deficiência de ferro são crianças menores de dois anos de idade, meninas adolescentes, mulheres grávidas e idosos. Estudos encontraram evidências de deficiência de ferro de até 30-50% em pessoas nestes grupos.

A deficiência de ferro pode ocorrer devido a um requisito aumentado de ferro, diminuição do consumo na dieta, diminuição da absorção de ferro ou utilização, ou uma combinação de fatores. Os maiores requisitos de ferro ocorrem durante as fases de crescimento das crianças e adolescentes, e durante a gravidez e lactação. Atualmente, a ampla maioria de mulheres grávidas recebe rotineiramente suplementos de ferro durante a gravidez, pois a necessidade de ferro dramaticamente aumenta durante a gravidez e não pode ser suprida apenas pela dieta.

A deficiência de ferro é a causa mais comum de anemia (deficiência de glóbulos vermelhos), porém, deve-se apontar que anemia é o último estágio da deficiência de ferro. Enzimas dependentes de ferro envolvidas na produção de energia e metabolismo são as primeiras a serem afetadas por baixos níveis de ferro. A ferritina plasmática é o melhor exame laboratorial para determinar os depósitos de ferro do corpo.

Mesmo a deficiência mínima de ferro pode significativamente afetar a função imunológica. A deficiência de ferro reduz enormemente a habilidade do sistema imunológico de combater infecções. Achados comuns em pessoas com deficiência de ferro são maiores taxas de infecções, encolhimento do tecido linfático, concentrações alteradas de leucócitos, e função celular dos leucócitos defeituosa. A deficiência de ferro pode ser o fator responsável em muitas pessoas que sofrem de função imunológica alterada, infecções crônicas, e resfriados frequentes.

A deficiência de ferro também está associada à falta de atenção marcadamente diminuta; variação de atenção menos complexa ou com propósito, menos amplificada; persistência diminuída; e diminuição da atividade voluntária. Felizmente, com a suplementação de ferro, existe um retorno à função mental normal.

Com relação a níveis de energia, vários pesquisadores claramente demonstraram que mesmo uma deficiência leve de ferro pode levar a redução na capacidade de trabalho físico e produtividade.

Pesquisas nutricionais realizadas nos EUA indicaram que a deficiência de ferro é um grande obstáculo à capacidade de saúde e do trabalho, e uma consequência disso é perda econômica para a pessoa e o país. A suplementação com ferro mostrou melhorias rápidas na capacidade de trabalho em pessoas com deficiência de ferro. O desempenho físico afetado pela deficiência de ferro não é dependente da anemia. Novamente, as enzimas dependentes de ferro envolvidas na produção de energia e no metabolismo serão afetadas bem depois que a anemia ocorrer.

O ferro é importante para mulheres que menstruam

Mulheres normalmente perdem 40 a 80 ml de sangue por período menstrual. Períodos mais intensos estão definitivamente associados ao equilíbrio negativo de ferro, na maioria dos casos. O equilíbrio negativo de ferro significa que mais sangue é perdido do que absorvido pela dieta.

A perda de sangue menstrual é muito reconhecida como grande causa de anemia por deficiência de ferro em mulheres férteis. Porém, o que ainda não é muito conhecido, é se a deficiência de ferro pode ser causa de perda de sangue menstrual excessivo, uma condição conhecida como menorragia. Sugere-se que a deficiência de ferro leve à menorragia com base em várias observações, a mais importante sendo que a suplementação de ferro normalmente produz uma diminuição dramática na perda de sangue menstrual. Em um estudo duplo-cego controlado por placebo, 75% das mulheres em suplementação de ferro tiveram redução significativa da menorragia comparadas a apenas 32,5% no grupo placebo.

Suplementação de ferro, a uma dose diária de 100 mg de ferro elemental, tem sido recomendada como terapia preventiva por vários pesquisadores, uma vez que parece que a deficiência crônica de ferro pode promover menorragia, e enzimas contendo ferro no útero têm seu teor de ferro reduzido antes mesmo que os números nas hemácias ou hemoglobina sejam observados.

O ferro é crítico durante a gravidez

Durante a gravidez, os requisitos de ferro aumentam dramaticamente devido à contribuições de ferro ao feto, placenta e cordão umbilical associadas a um aumento na massa de hemácias na mãe. A perda de ferro na urina, suor e fezes também aumenta. Subsequentemente, anemia devido a deficiência de ferro é extremamente comum na gravidez. Por estes motivos, recomenda-se que o consumo diário de ferro durante a gravidez seja 60 mg. Uma vez que isso normalmente não pode ser obtido por meios alimentares, a suplementação é necessária.

A necessidade de ferro adicional não termina quando o bebê nasce. Normalmente, a mãe perde aproximadamente 150 a 300 mg de ferro pela hemorragia e perda de sangue durante o parto. Além disso, a lactação causa um esgotamento adicional dos depósitos de ferro. Por estes motivos, é importante que as mulheres continuem a tomar suplementos de ferro durante os períodos de gravidez e amamentação.

O ferro é necessário para uma função imunológica adequada

Mesmo a deficiência mínima de ferro pode significativamente afetar a função imunológica. A deficiência de ferro reduz enormemente a habilidade do sistema imunológico de combater infecções. Achados comuns em pessoas com deficiência de ferro são maiores taxas de infecções, encolhimento do tecido linfático, concentrações alteradas de leucócitos, e função celular dos leucócitos defeituosa. A deficiência de ferro pode ser o fator responsável em muitas pessoas que sofrem de função imunológica alterada, infecções crônicas, e resfriados frequentes.

Baixos níveis de ferro equivalem a baixos níveis de energia

Vários pesquisadores claramente demonstraram que mesmo uma deficiência leve de ferro pode levar a redução na capacidade de trabalho físico e produtividade. Pesquisas nutricionais realizadas nos EUA indicaram que a deficiência de ferro é um grande obstáculo à capacidade de saúde e do trabalho, e uma consequência disso é perda econômica para a pessoa e o país. A suplementação com ferro mostrou melhorias rápidas na capacidade de trabalho em pessoas com deficiência de ferro. O desempenho físico afetado pela deficiência de ferro não é dependente da anemia. Novamente, as enzimas dependentes de ferro envolvidas na produção de energia e no metabolismo serão afetadas bem depois que a anemia ocorrer.

O ferro é crítico para a função cerebral

Praticamente qualquer deficiência nutricional pode resultar em alteração na função cerebral, especialmente em crianças. Uma vez que a deficiência de ferro é a deficiência nutricional mais comum em crianças americanas, é a causa nutricional mais importante de deficiências de aprendizado. A deficiência de ferro também está associada à falta de atenção marcadamente diminuta; variação de atenção menos complexa ou com propósito, menos amplificada; persistência diminuída; e diminuição da atividade voluntária. Felizmente, com a suplementação de ferro, existe um retorno à função mental normal.

A suplementação de ferro melhora a síndrome das pernas inquietas

Baixos níveis de ferro ou ferritina plasmática foram encontrados em pacientes com a chamada "síndrome das pernas inquietas" (SPI) - a síndrome caracterizada por uma vontade incontrolável de mexer as pernas. Em pessoas com SPI e baixos níveis de ferritina plasmática, a suplementação de ferro mostrou melhorar significativamente a SPI.

Dosagem comum

Os suplementos de ferro mais populares são sulfato ferroso e fumarato ferroso. Porém, as melhores formas parecem ser pirofosfato férrico e bisglicinato ferroso. Ambos são livres de efeitos colaterais gastrointestinais com biodisponibilidade relativa alta, especialmente quando tomados em jejum.

Para deficiência de ferro, a recomendação normal é 30 mg de ferro duas vezes por dia, entre as refeições. Se esta recomendação resultar em desconforto abdominal, tomar 30 mg com as refeições três vezes ao dia.

Efeitos colaterais

Os efeitos colaterais mais comuns são leve irritação gastrointestinal, constipação ou diarreia, e náuseas. Eles são mais frequentemente vistos com sulfato ferroso ou fumarato ferroso. O pirofosfato férrico e bisglicinato ferroso são melhor tolerados.

Estudos recentes sugerem o papel possível de níveis elevados de ferro e o risco de ataques cardíacos. Níveis elevados de ferro no sangue podem levar a risco aumentado de doença cardíaca pela remoção de radicais livres no sangue e danos diretos ao colesterol ou paredes arteriais. Por estes motivos, muitos especialistas acreditam que é melhor reservar a suplementação de ferro para casos de deficiência de ferro, mulheres em período menstrual, e durante a gravidez e lactação.

Interações medicamentosas

Drogas anti-inflamatórias como aspirina e ibuprofeno podem contribuir para perda de ferro por sangramento gastrointestinal.

Artigos Relacionados

Ver tudo

Bem-estar

Como melhorar a saúde do fígado naturalmente

Bem-estar

O guia fundamental sobre aminoácidos

Bem-estar

Acetil-L-carnitina – essencial para manutenção, proteção e reparo