header_search header_signed-out header_signed-in header_cart sharefilled circlex circleexclamation iherbleaf
checkoutarrow
BR
O produto foi adicionado ao carrinho
Total:
Desconto:
Junto:
Quantidade:
Cart Total:
Finalizar
Clientes também compraram:
Ajuda 24 horas
beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements
Bem-estar

L-Carnosina: Um Suplemento Alimentar Subutilizado

13 Outubro 2017

Carnosina é uma molécula de ocorrência natural composta por dois aminoácidos, histidina e alanina. Como suplemento nutricional, está disponível há anos. Porém, não é nem de perto tão popular quanto deveria, baseado na ciência existente. A carnosina funciona em tecidos "excitáveis", como músculos e tecido nervoso, e atinge altas concentrações no músculo esquelético. Nestes tecidos é criticamente importante para manter o pH e a carga elétrica adequados.

A carnosina é frequentemente confundida com a carnitina. Ambas contêm a palavra-raiz carn, que significa "carne", por ambas serem encontradas em altas concentrações na carne (e peixe). Como fontes vegetarianas de proteína não contêm carnosina, uma dieta vegetariana (especialmente vegana) pode não fornecer a carnosina pré-formada adequada, mas assim como a carnitina, o corpo humano parece ser capaz de fabricar quantidades suficientes. Não obstante, assim como a carnitina, a suplementação com carnitina encontrou seu lugar na medicina nutricional. Neste momento, estudos clínicos em humanos mostraram suplementação de carnosina para:

  • Melhorar a função muscular e recuperação da fadiga muscular.
  • Proteger contra degeneração do cérebro, assim como perda da função cognitiva e memória associada ao envelhecimento.
  • Melhorar a função mental e comportamento em crianças com distúrbio de déficit de atenção e autismo.
  • Curar úlceras pépticas quando combinado a zinco.

Um Olhar Mais de Perto nas Funções da Carnosina

Além de ser importante para regular a carga elétrica em tecidos excitáveis, pesquisas mostraram que a carnosina é importante para a saúde celular por outros motivos. Nos músculos, a carnosina neutraliza a formação extensa de ácido láctico durante exercícios de alta intensidade, e promove recuperação dos exercícios. Estes efeitos aceleram a capacidade de trabalho do músculo exaurido pelos exercícios precedentes, e explica a popularidade da carnosina entre fisicultores e atletas para melhorar a função muscular e recuperação da fadiga muscular.

A carnosina também é um importante antioxidante intracelular. A carnosina mostrou remover espécies de oxigênio reativo (ROS), assim como proteger contra a peroxidação dos ácidos graxos da membrana celular durante o estresse oxidativo. Também demonstrou significativos efeitos antienvelhecimento relacionados, em parte, a seus efeitos antioxidantes, mas também previne a glicação (a fixação de moléculas de açúcar a proteínas) associada ao envelhecimento precoce.

A carnosina é especialmente crítica para proteger o cérebro contra neurodegeneração, assim como perda da função cognitiva e memória. A carnosina também mostrou rejuvenescer células do tecido conjuntivo, o que pode explicar seus efeitos benéficos sobre cicatrização de feridas, assim como seu uso para tentar combater os efeitos do envelhecimento na pele, causando rugas e perda de elasticidade. Os níveis de carnosina no corpo diminuem com a idade. Quando a pessoa atinge 70 anos de idade, os níveis de carnosina diminuem em seu corpo em 63%. Devido a todos estes efeitos e alguns outros, a carnosina está se tornando bem conhecida como nutriente de longevidade e antienvelhecimento.

Pesquisas Clínicas com Carnosina

O foco principal da pesquisa clínica sobre carnosina está focado em seus efeitos antienvelhecimento, assim como seus efeitos sobre a função cerebral.

Em relação a efeitos antienvelhecimento em geral, vários estudos clínicos destacaram o potencial da carnosina de desacelerar o processo de envelhecimento prevenindo o dano oxidativo, assim como a glicação. Além disso, a carnosina também mostrou inibir diretamente e indiretamente a liberação de mediadores inflamatórios, como citoquinas. Reduzir a inflamação silenciosa está se tornando outra meta principal, não só para uma estratégia antienvelhecimento, mas também para ajudar a prevenir o desenvolvimento de doenças degenerativas crônicas como doença cardíaca, diabetes, e distúrbios neurodegenerativos, como Parkinson e doença de Alzheimer. Devido às funções únicas da carnitina dentro do cérebro, pode ser um agente ideal para prevenir declínios relacionados à idade na função cognitiva e também na memória.

Em relação a potencializar a energia do cérebro, vários estudos duplo-cegos e controlados por placebo observaram o uso de carnosina em pacientes com condições neurodegenerativas. Um estudo comparou uma dose diária de 0,75 g ou 2 g de carnosina a um placebo, por 21 dias, em 42 pacientes com encefalopatia crônica, um distúrbio do cérebro que é uma doença degenerativa progressiva mais frequentemente vista em pessoas com histórico de múltiplas concussões e outras formas de ferimentos na cabeça. Melhoras significativas na função cognitiva e reduções no estresse oxidativo foram encontradas no grupo da carnosina.

Outro estudo examinou o efeito de 1,5 g de carnosina por dia durante 30 dias, em pacientes com Parkinson tratados com L-Dopa. A adição de carnosina ao regime de tratamento melhorou significativamente os sintomas neurológicos, com melhora de 36% nos sintomas comparado a uma melhora de 16% no grupo controle. Os sinais clínicos de doença de Parkinson, incluindo redução dos movimentos do corpo, e rigidez das extremidades, também melhoraram significativamente. Esta melhora nas "atividades diárias" dos pacientes com Parkinson permite a eles mais independência e melhor qualidade de vida, levando os autores do estudo a concluir que a carnosina é uma maneira razoável de melhorar o tratamento da doença de Parkinson e diminuir os possíveis efeitos tóxicos da terapia padrão com drogas.

Devido aos efeitos benéficos da carnosina para melhorar a função muscular e cerebral, pesquisadores da Universidade de Georgetown avaliaram recentemente seus efeitos na doença da Guerra do Golfo (GWI) ou Doença Crônica de Multissintomas (CMI); termos usados para descrever a fadiga debilitante, dor espalhada, e disfunção cognitiva sentidas por cerca de 25% de veteranos da Guerra do Golfo de 1990-1991.

Uma teoria líder propõe que GWI/CMI é o resultado de exposição em tempos de guerra a vários fatores, incluindo vacinações, vários produtos químicos, e estresse. Esses fatores iniciam produção prolongada de inflamação, radicais livres, e o ferimento resultante no cérebro, sistema nervoso, e tecido muscular. Uma vez que a carnosina mostrou proteger o cérebro e células musculares do tipo de dano subjacente a GWI/CMI, um estudo duplo-cego, controlado por placebo foi criado para determinar se a suplementação nutricional com L-carnosina melhoraria significativamente a dor, cognição e fadiga em GWI. O estudo de 12 semanas envolveu 25 pacientes com GWI que receberam L-carnosina a 500, 1000 e 1500 mg, aumentando em intervalos de 4 semanas, ou um placebo. Os resultados primários incluíram medidas que avaliaram a função cognitiva; sensações de fadiga e dor; e níveis de atividade. A única medida que mostrou benefício consistente foi a influência de suplementação de carnosina sobre a função mental aprimorada.

Enquanto os pesquisadores esperavam ver uma melhora em todas as áreas de GWI/CMI, a habilidade da suplementação de carnosina para melhorar a função mental nestes pacientes foi significativa, e adiciona suporte clínico adicional para a carnosina nesta aplicação.

A carnosina também pode ser útil para melhorar a função cerebral em autismo. Em um estudo duplo-cego, controlado por placebo em 31 crianças com autismo, a carnosina mostrou melhorar o vocabulário expressivo e receptivo e melhora subjetiva em uma escala de classificação de autismo por um período de estudo de 8 semanas a uma dosagem de 800 mg/dia.

Zinco e Carnosina para Aliviar Úlceras Pépticas

Zinco aumenta a produção de mucina em estudos com culturas celulares, e mostrou ter um efeito protetor sobre úlceras pépticas em estudos com animais. Em estudos em humanos, a suplementação com zinco parece ser útil para cicatrização de úlceras pépticas com zinco ligado a carnosina sendo o mais benéfico. Estudos clínicos em humanos usando zinco carnosina demonstram não só a capacidade de cicatrizar úlceras pépticas, mas também antagonizar as bactérias (Helicobacter pylori ou H. pylori) ligadas à indigestão (dispepsia), doença de úlcera péptica, e câncer de estômago. Quando 60 pacientes que sofrem de dispepsia por infecção de H. pylori receberam antibióticos apenas (lansoprazol, amoxicilina, e claritromicina), ou antibióticos mais zinco carnosina por sete dias, melhores resultados foram observados no grupo que recebeu zinco carnosina (94% taxa de sucesso vs. 77%).

Em um estudo duplo-cego, 248 pacientes com úlceras gástricas confirmadas foram aleatoriamente designados a 1 de 4 grupos recebendo 150 mg de extrato de zinco carnosina ou seu placebo respectivo, ou 800 mg de hidrocloreto de cetraxato (um agente protetor da mucosa) ou seu respectivo placebo. Os medicamentos do estudo iniciaram dentro de 1 semana da úlcera gástrica diagnosticada por endoscopia e continuaram por 8 semanas. Em 8 semanas, 75% do grupo zinco carnosina mostrou sintomas marcadamente melhores comparados a 72% para o grupo do cetraxato. A taxa de cura endoscópica foi 60,4% no grupo zinco carnosina e 46,2% no grupo cetraxato em 8 semanas.

Recomendações de Dosagem

A recomendação típica de dosagem para obter os efeitos antienvelhecimento da carnosina é 1500 a 2000 mg por dia. Para crianças com autismo, a dosagem é de 800 a 1000 mg por dia. Para úlceras pépticas e indigestão, a dosagem para zinco carnosina normalmente é 75 mg duas vezes ao dia.

Não há efeitos adversos ou interações com drogas nos níveis de dosagem recomendados.

Artigos Relacionados

Ver tudo

Bem-estar

Um guia rápido sobre a luteína e zeaxantina

Bem-estar

Dicas para se manter saudável durante o jet lag

Bem-estar

Mix de óleos essenciais inspirados pelo amor