header_search header_signed-out header_signed-in header_cart sharefilled circlex circleexclamation iherbleaf
checkoutarrow
BR
O produto foi adicionado ao carrinho
Total:
Desconto:
Junto:
Quantidade:
Cart Total:
Finalizar
Clientes também compraram:
Ajuda 24 horas
beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements
Bem-estar

Fitosomos - Aumentam a absorção de extratos de ervas!

24 Maio 2017

Os fitosomos são formas avançadas de produtos herbáceos que são melhores absorvidos, utilizados e devido a isto produzem melhores resultados do que os extratos herbáceos convencionais. Os fitosomos são produzidos através de um processo patenteado onde os componentes individuais de uma extrato herbáceo são ligados à fosfatidilcolina - um componente emulsificante derivado da soja. A fosfatidilcolina também é um dos componentes principais das membranas em nossas células.

O processo dos fitossomos foi aplicado em muitos extratos herbáceos populares incluindo Ginkgo biloba, semente de uva, espinheiro, cardo mariano, chá verde, e ginseng. Os componentes flavonoides e terpenóides destes extratos herbáceos são bem suscetíveis a ligação direta à fosfatidilcolina. Especificamente, a ponta colina da molécula fosfatidilcolina se liga a estes componentes enquanto a porção solúvel em gordura fosfatidil que compreende o corpo e a cauda envolvem o material ligado à coliina. O resultado é a produção de uma micro esfera ou célula. O termo “fito” significa planta enquanto “somo” significa como-célula. O que o processo de Fitossomo produz é uma pequena célula na qual os componentes valorosos do extrato herbáceo são protegidos da destruição pelas secreções digestivas e bactérias do intestino.

Existem documentações científicas para embasar as alegações de superioridade dos Fitossomos?

Sim, há um corpo em crescimento de estudos científicos mostrando absorção, utilização e resultados melhorados com o processo de Fitossomo. SILIPHOST (Fitossomo de silibina) é o mais estudado. A silibina é o componente chefe da silimarina, o complexo de flavonoides do cardo mariano, valoroso por sua habilidade de proteger e restaurar o fígado. A silibina é a mais potente destas substâncias ativas. O SILIPHOST contém uma parte de silibina para uma parte de fosfatidilcolina enquando o Fitossomo do Cardo Mariano é uma versão menos potente por conter todos os três flavonoides da silimarina e a taxa de fosfatidicolina para silimarina é de 2:1. 

O que a pesquisa demonstrou nos estudos humanos e animais é que o SILIPHOST é melhor absorvido em comparação com uma quantidade igual de silibina em extratos convencionais de cardo mariano. Em um estudo humano, a excreção de silibina na bile foi avaliada em pacientes que passaram pela remoção da vesícula biliar devido a pedras. Um tubo de drenagem especial, o tubo-T, foi usado para obter as amostras de bile necessárias. Os pacientes receberam uma única dose oral de SILIPHOST ou extrato de cardo mariano (80% de silimarina) A quantidade de silibina recuperada na bile dentro de 48 horas foi de 11% para o grupo SILIPHOST e de 3% para o grupo silimarina.1

Um dos recursos significativos deste estudo é o fato de que foi demonstrado que a silibina aumenta a solubilidade da bile. Ainda mais silibina é fornecida ao fígado e à vesícula biliar quando o SILIPHOST é usado, esta forma é a forma ideal para indivíduos com pedras na vesícula ou infiltração de gordura no fígado - duas condições caracterizadas pela solubilidade reduzida da bile.

Em outro estudo humano projetado para avaliar a absorção de silibina quando diretamente ligada à fosfatidilcolina, os níveis de silibina no sangue foram determinados após a administração de doses únicas orais de SILIPHOST e uma quantidade similar de silibina de extrato de cardo mariano em voluntários saudáveis. Os resultados indicaram que a absorção de silibina com o SILIPHOST é aproximadamente 7 vezes maior comparado à absorção de silibina com o extrato de cardo mariano normal (70% a 80% de conteúdo de silimarina).2 Resultados similares foram notados em estudos comparando o Fitossomo de Chá Verde com o extrato de chá verde olhando para os níveis sanguíneos do componente chave epigalocatequina 3-O- galata.

Ilustração - Alterações nos níveis sanguíneos de silibina em voluntários normais quando dadas quantidades equivalentes de silibina no SILIPHOST, Silimarina e Silibina pura.

Como uma melhor absorção se relaciona com melhores resultados?

A efetividade de qualquer produto herbáceo (ou medicação) é dependente do fornecimento de um nível eficiente de componentes ativos. Para cardo mariano, isto significa fornecer um nível efetivo de silibina, para o Ginseng panax são os componentes conhecidos como ginsenósidos, para Extrato de ginkgo biloba são os flavonoides e os terpenos e para o chá verde é a epigalocatequina 3-O- galata. O sentido é que se você puder aumentar a absorção e utilização  destes componentes, verá melhores resultados. E, isto é exatamente o que tem sido mostrado em diversos estudos com vários Fitossomos.

Por exemplo, diversos estudos clínicos também demonstraram que o SILIPHOST é mais eficiente e produz melhores resultados comparado a extratos normais de cardo mariano. 3-5 Em um estudo de 232 pacientes com hepatite crônica (viral, álcool ou induzida por drogas) o tratamento com SILIPHOST em uma dosagem de 120 mg duas ou três vezes ao dia por até 120 dias, a função do fígado retornou ao normal mais rápido em pacientes que tomavam SILIPHOST em comparação com um grupo de controles (49 tratados com uma silimarina comercialmente disponível; 117 não tratados ou dados placebo).3

Estudos preliminares também demonstraram que o Fitossomo Ginkgo e o Fitossomo Semente de uva produzem melhores resultados em comparação às formas de extratos convencionais destas plantas. Por exemplo, em estudos com o Fitossomo de Ginkgo em doenças vasculares periféricas (ex.: doença de Reinaud e claudicação intermitente) foi demonstrado que o Fitossomo de Ginkgo produz uma melhora 30 a 60% maior do que o extrato convencional de Ginkgo biloba (24% de glicosídeo flavona de ginkgo e 6% de lactonas de terpeno).

Como a dosagem de Fitossomos se compara a extratos padronizados comuns?

Com base na absorção apenas, o nível de dosagem de um Fitossomo é bem próximo às recomendações de dosagem tipicamente dadas para os extratos herbáceos padronizados correspondentes. Por exemplo, vamos dar uma olhada no extrato de semente de uva e no Fitossomo de Semente de Uva. Uma cápsula de 50 mg de Fitossomo de Semente de Uva, em termos de absorção somente, é equivalente a cerca de 50 mg de extrato de semente de uva convencional. No entanto, em termos de atividade biológica, com base em estudos preliminares é estimado que uma cápsula de 50 mg de Fitossomo de Semente de Uva pode ser tão eficiente quando 150 mg de extrato de semente de uva não vinculado. Estudos com SILIPHOST e Fitossomo de Ginkgo também sustentam que o processo de Fitossomo melhora a utilização dos componentes chave dos extratos de plantas.

 Qual Fitossomo eu devo tomar?

Um dos mais importantes grupos de “fitoquímicos” são os flavonoides. Como uma classe de componentes, os flavonoides são chamados as vezes de “modificadores de resposta biológica da natureza” por causa das suas propriedades anti-inflamatórias, antialérgicas, antivirais e anticancerígenas. Além disto, os flavonoides agem como poderosos antioxidantes, fornecendo uma proteção notável contra danos oxidantes e de radicais livres. De fato, diversos flavonoides demonstraram atividade antioxidante 50 a 200 vezes mais potentes que a vitamina C ou a vitamina E. Além disso, podemos usar certos extratos ricos em flavonoides como “antioxidantes específicos do tecido” por causa da sua habilidade de se concentrar em tecidos corporais específicos. Por exemplo, eu recomendo extrato de Ginkgo biloba como o extrato rico em flavonoides para a maioria das pessoas acima dos 50 anos por causa de sua habilidade de agir como um antioxidante no cérebro e no revestimento vascular pelo corpo. A minha recomendação é para você identificar qual extrato rico em flavonoides é mais apropriado para você e tomá-lo de acordo com a dosagem recomendada

para a forma de Fitossomo. Quando um apoio adicional for necessário, a dosagem pode ser dobrada ou até triplicada para o máximo benefício.

Extrato rico em flavonoides

Dose diária para suporte antioxidante

Indicação

Fitossomo de Semente de Uva

50 a 100 mg

Antioxidante sistêmico, específico. Melhor escolha para as pessoas abaixo dos 50 anos de idade. Também específico para os olhos,

 pulmões, diabetes, varizes e proteção contra doenças do coração.

Fitossomo de Chá Verde

50 a 100 mg

Antioxidante sistêmico. Melhor escolha para proteção contra o câncer. Também protege contra danos ao colesterol.

Fitossomo de Ginkgo Biloba

120 mg

Melhor escolha para a maioria das pessoas acima de 50 anos de idade. Protege o cérebro e o revestimento vascular;

SILIPHOST

120 mg

Melhor escolha se o fígado ou a pele precisarem de proteção antioxidante adicional.

Fitossomo de Cardo Mariano

150 mg

Ótima escolha quando o fígado ou a pele necessitarem de um menor apoio.

Fitossomo de Espinheiro

100 mg

Melhor escolha para doenças cardíacas ou pressão arterial alta

Por que você considera o Fitossomo de Semente de Uva a melhor escolha para a maioria das pessoas abaixo dos 50 anos de idade?

O Extrato de semente de uva é uma rica fonte de um dos mais benéficos grupo de flavonoides de plantas - as proantocianidinas (também chamadas procianidinas, oligômeros procianidólicos ou PCO, resumindo). O extrato de semente de uva demonstrou uma vasta gama de efeitos benéficos incluindo uma habilidade de aumentar os níveis intracelulares de vitamina C e aumentar a destruição de colágeno - a principal proteína do corpo. Porém, os efeitos mais célebres de PCO nos Estados Unidos são seus potentes efeitos antioxidantes e de busca de radicais livres.

Os usos primários dos extratos de PCO estão no tratamento de desordens venosas e capilares incluindo insuficiência venosa, veias varicosas, fragilidade dos capilares e desordens da retina incluindo retinopatia diabética e degeneração macular. Bons estudos clínicos mostraram resultados positivos no tratamento destas condições.

 Parece que a maioria dos indivíduos podem se beneficiar de uma maior ingestão de PCO. Esta sugestão talvez seja melhor ilustrada por estudos direcionados à habilidade do extrato PCO de semente de uva em melhorar a função visual em assuntos de saúde.8,9 Nestes estudos, 100 voluntários normais sem problemas de retina receberam 200 mg/dia de PCO ou placebo por cinco ou seis semanas e um grupo controle não recebeu tratamento. O grupo que recebeu PCOs demonstrou uma melhora significativa no desempenho visual em testes no escuro e após luminosidade comparados ao grupo placebo. A melhoria é relacionada à função da retina melhorada.

Com base na demonstração relativamente recente da potente atividade antioxidante e efeitos protetivos nos vasos sanguíneos a lista de usos clínicos de extratos de PCO com certeza irá aumentar. Talvez o uso mais significativo estará eventualmente na prevenção de aterosclerose (endurecimento das artérias) e suas complicações (ataques cardíacos e derrames).

 O Fitossomo de Semente de Uva oferece a fonte mais benéfica de PCOs. Como uma medida preventiva e como um apoio antioxidante, uma dose diária de 50 mg a 100 mg de Fitossomo de Semente de Uva é recomendada. Quando um auxílio adicional é necessário a dose recomendada é de 150 a 300 mg ao dia.

Por que você recomenda o Fitossomo de Espinheiro para doenças cardíacas e pressão arterial alta?

Extratos de espinheiro de alta qualidade feitos dos topos florescentes da planta logo antes da formação do espinheiro são amplamente utilizados por médicos na Europa para suas atividades cardiovasculares. Os estudos demonstraram que os extratos de espinheiro são efetivos para reduzir os ataques de angina bem como reduzir a pressão arterial e os níveis de colesterol no sangue e melhorar a função cardíaca em falha cardíaca congestiva. 

Como outros extratos ricos em flavonoides, os extratos de espinheiro demonstraram atividades antioxidantes excepcionais. Além disso, os efeitos benéficos dos extratos de espinheiro em doenças cardíacas são um resultado dos flavonoides melhorando o fornecimento de sangue e oxigênio para o coração e dilatando os vasos coronários, bem como melhorando os processos metabólicos no coração.

A razão do Fitossomo de Espinheiro ser recomendado em doenças cardiovasculares ou para pessoas com um histórico familiar de doença cardíaca parece que estes flavonoides têm uma afinidade com o coração e os vasos sanguíneos grandes. Uma vez incorporado nestes tecidos, os efeitos antioxidantes são especialmente úteis em bloquear o progresso de aterosclerose e pode realmente revertê-la.

Como um “Fitossomo” se difere de um “Lipossomo”?

Lipossomos são usados primariamente em cosméticos para fornecer substâncias solúveis em água para a pele. Um lipossomo é formado misturando uma substância solúvel em água com fosfatidilcolina. Nenhuma ligação química é formada, as moléculas de fosfatidilcolina cercam a substância solúvel em água. Podem haver centenas ou até milhares de moléculas de fosfatidilcolina cercando o componente solúvel em água. Em contraste, com o processo de Fitossomo a fosfatidilcolina e os componentes individuais da planta na verdade em um complexo 1:1 ou 2:1 dependendo da substância. Esta diferença resulta em Fitossomos sendo muito melhores absorvidos do que os lipossomos. Naturalmente, os Fitossomos também são superiores aos lipossomos nos produtos de cuidado com a pele.

Referências:

  1. Schandalik R, Gatti G, e Perucca E: Farmacocinéticos de silibina na bile seguindo a administração de silipídio e silimarina em pacientes de colecistectomia. Arzneim Forsch 1992;42(7):964-8.
  2. Barzaghi N, et al.: Estudos farmacocinéticos em IdB 1016, um complexo de silibina-fosfatifilcolina, em sujeitos humanos saudáveis. Eur J Drug Metab Pharmacokinet 1990;15(4):333-8.
  3. Mascarella S, et al.: Efeitos terapêuticos e antilipoperoxidantes do complexo silibina-fosfatidilcolina em doença de fígado crônica: Resultados preliminares. Curr Ther Res 1993;53(1):98-102.
  4. Vailati A, et al.: Estudo aberto aleatório do relacionamento dose-efeito de um curso curto de IdB 1016 em pacientes com hepatite viral ou alcoólica. Fitoterapia 1993;44(3):219-28.
  5. Marena C e Lampertico P: Desenvolvimento clínico preliminar de Silipídio: Um novo complexo de silibina em doenças de fígado tóxicas. Planta Medical 1991;57(S2):A124-5.
  6. Facino RM, et al.: Ação de busca por radicais livres e atividades anti-enzimas de procianidinas de Vitis vinifera. Um mecanismo para sua ação protetiva dos capilares. Arzneim Forsch 1994;44:592-601.
  7. Schwitters B e Masquelier J: OPC na prática: Biflavonois e suas aplicações. Alfa Omega, Rome, Italy, 1993.
  8. Corbe C, Boisin JP e Siou A: Visão na luz e circulação corioretinal. Estudo do efeito de oligômeros procianidólicos (Endotelon). J Fr Ophtalmol 1988;11:453-60.
  9. Boissin JP, Corbe C e Siou A: Circulação corioretinal e tontura: uso de oligômeros de procianidol. Bull Soc Ophtalmol Fr 1988;88:173-4,177-9.
  10. Weihmayr T e Ernst E. Eficiência terapêutica de Crataegus. Fortschr Med 1996;114:27-9.
  11. Schmidt U, et al.: Eficácia do preparo de Espinheiro (Crataegus) LI 132 em 78 pacientes com falha cardíaca congestiva crônica definida como NYHA funcional classe II. Phytomed 1994;1(1):17-24.
  12. Schussler M, Holzl J, Fricke U: Efeitos do miocárdio de flavonoides da espécie Crataegus. Arzneim Forsch 1995;45:842-5.
  13. Hertog MG, et al: Flavonoides antioxidantes dietéticos e risco de doenção cardíaca coronária: o estudo do antigo Zutphen. Lancet 1993;342:1007-11.
  14. Wegrowski J, Robert Am e Moczar M: O efeito de oligômeros procianidólicos na composição de aortas de coelhos normais e hipercolesterolêmicos. Biochem Pharmacol 1984;33:3491-7.

Artigos Relacionados

Ver tudo

Bem-estar

Um guia rápido sobre a luteína e zeaxantina

Bem-estar

Dicas para se manter saudável durante o jet lag

Bem-estar

Mix de óleos essenciais inspirados pelo amor