As suas preferências desta sessão foram atualizadas. Para alterar permanentemente as configurações da sua conta, acesse
Lembre-se de que é possível atualizar o país ou o idioma de sua preferência a qualquer momento em
checkoutarrow
BR
beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements

6 Maneiras Naturais de Manter o Seu Cólon Saudável

Por Dra. Kate Henry, ND

Neste artigo:


O cólon é um órgão incrível que compoe 1/5 do nosso trato digestivo. Ele ajuda a absorver vitaminas como a B12; criar nutrientes como a vitamina Kbiotina, e ácidos graxos de cadeia curta; regular água e eletrólitos na nossa corrente sanguínea e eliminar os subprodutos do metabolismo celular e da produção de hormônios. 

Porém, se você tem dúvidas sobre o cólon, não está sozinho(a). A maioria das pessoas nunca pensou sobre as diversas funções que o cólon executa para a nossa saúde todos os dias. Você sabia, por exemplo, que o cólon e suas funções ajudam a regular a saúde dos ossos, imunidade, coagulação sanguínea e muito mais?

Neste artigo, abordaremos o que é o cólon, como ele impacta a saúde e como você pode mantê-lo saudável com a nutrição, mudanças de estilo de vida e exames regulares. 

‌‌‌‌Anatomia e Função do Cólon

O cólon é um tubo oco de tecido muscular que tem aproximadamente 150 centímetros de comprimento em um adulto médio. Este tubo é dividido em diversas regiões: o ceco e a válvula ileocecal, o cólon ascendente, cólon transverso, cólon descendente e cólon sigmoide, que termina no reto. 

Cada parte do cólon tem um papel diferente na saúde humana. A anatomia de cada parte do cólon dá a ele habilidades especiais. Por exemplo, o cólon ascendente, transverso e descendente contêm câmaras chamadas de haustra, que parecem pequenos bolsos. A palavra haustra vem da palavra do latim "recipiente" ou "balde" - é isso que elas parecem! A haustra armazena a mistura de água e alimentos digeridos que vem do intestino delgado por periodos longos o suficiente para que a membrana do cólon extraia os nutrientes que precisa, antes de permitir que o alimento se mova através do resto do colon e para fora do corpo em forma de fezes. 

A haustra também abriga bactérias e outros microrganismos que ajudam a extrair nutrientes dos alimentos. Certas bactérias, por exemplo, produzem biotina e vitamina K a partir dos alimentos que consumimos. Outras bactérias fermentam fibras para produzir ácidos graxos de cadeia curta como o butirato, que por sua vez abastecem o metabolismo celular na membrana do cólon. 

Cada haustro é recoberto com uma mucosa absortiva composta de células chamadas colonócitos. Os colonócitos ajudam a regular o potássio, sódio, água, cloro, bicarbonato e outras concentrações de eletrólitos tanto dentro quanto fora do cólon. Isso, por sua vez, ajuda a regular o equilíbrio de eletrólitos na nossa corrente sanguínea. 

Se formos seguindo o cólon ascendente, transverso e descendente, poderemos ver a primeira parte do cólon, chamada de ceco. Ele é localizado logo acima do osso direito do quadril, e você pode até ser capaz de sentí-lo e movê-lo quando estiver cheio de alimentos digeridos. A sensação é de que seria um pequeno balão de água quando está muito cheio. 

O ceco é ligado ao apêndice e contém uma valvula que permite que os alimentos digeridos passem do intestino delgado para a corrente sanguinea. Ela é chamada de válvula ileocecal e é uma região de dois importantes processos no corpo. Primeiro, é onde a nossa vitamina B12 é absorvida se tivermos um intestino saudável. Segundo, é uma importante parada que previne o fluxo contrário de itens do intestino grosso para o intestino delgado. Abordaremos mais na seção de distúrbios do cólon, mas saiba que quando essa válvula não funciona adequadamente, você não se sentirá bem e terá mais possibilidade de apresentar algo chamado supercescimento bacteriano do intestino delgado (SIBO), entre outros problemas.

Como você pode ver, o cólon tem muitas partes, camadas e estruturas anatômicas que ajudam a executar cada uma de suas importantes funções.

‌‌‌Como o Cólon Tem Impacto Sobre a Saúde Humana da Modo Geral

O cólon é responsável pela absorção e produção de nutrientes, bem como pela eliminação de dejetos do corpo. Dizer que esses processos são cruciais para a saúde humana é subestimá-los completamente! 

O Cólon Ajuda a Produzir Vitamina K e Biotina

O cólon é o lar de muitas bacterias que produzem vitamina K e biotina a partir dos alimentos que consumimos.A Vitamina K é necessária para a síntese de diversos fatores de coagulação, que ajudam nosso sangue a formar casquinhas e parar o sangramento quando ocorre uma lesão. Certas formas de vitamina K (como a K2) também estão envolvidas na renovação dos ossos e metabolismo de cálcio. Quando fontes alimentares de vitamina K (como o  natto e vegetais verdes folhosos) são consumidos de forma inadequada na dieta, a produção de vitamina K por bactérias se torna importante para prevenir sintomas de deficiências nutricionais. 

Abiotina é necessária para o controle da glicose sanguinea e saúde dos cabelos, pele, unhas e para a manutenção adequada do zinco. Similar à vitamina K, ela é produzida por bactérias no cólon e pode ajudar a cobrir as lacunas quando o consumo nutricional de biotina é insuficiente. A deficiência de biotina pode levar a erupções de pele, depressão, convulsões, perda de cabelo, problemas nas unhas e muito mais.

Por todos estes motivos, queremos um cólon que contenha bactérias saudáveis em quantidade suficiente.

Absorção de Minerais e Fluidos

O cólon ajuda a regular a hidratação ao absorver água dos alimentos que consumimos. Além disso, a membrana do cólon puxa eletrólitos como o potássio, calcio, sódio, cloro e outros dos alimentos para a nossa corrente sanguínea. Estes minerais são usados para criar eletricidade no nosso sistema nervoso, catalisar reações enzimáticas que geram energia celular e manter o equilibrio de fluidos e da pressao arterial no nosso sistema cardiovascular. Você pode imaginar que a deficiência de um dos minerais - seja devido a má nutrição ou a uma saúde ruim do cólon - pode ter um impacto poderoso, profundo e de amplo impacto no bem-estar geral, mas em particular para a saúde do coração e dos nervos.

Eliminação de Toxinas

Às vezes o que eu gostaria que mais pessoas soubessem sobre o corpo humano é que, embora o fígado filtre toxinas da corrente sanguínea, é na verdade o cólon que elimina estas toxinas do corpo. Nosso fígado processa os dejetos das reações enzimáticas no nosso corpo, coloca-o na digestão de fase 1 e fase 2 dos hepatócitos e então excreta os dejetos na bile, que é então excretada no trato digestivo. Estando no sistema digestivo, estas toxinas ligadas à bile se ligam às fibras. A combinação de fibras e bile deve então ser empacotada nas fezes quando atinge o cólon, e então excretada rotineiramente (pelo menos uma vez ao dia) para manter a carga tóxica do fígado baixa. Quando seu cólon está saudável e você consome os alimentos certos, isso acontece naturalmente.

‌‌‌‌O Que Pode Dar Errado na Saúde do Cólon

Doenças Inflamatórias Intestinais (IBD)

A doença de Crohn e a colite ulcerativa são condições inflamatórias que afetam as membranas do cólon. Isso pode levar a úlceras, sangramento, má absorção de nutrientes, dores e mais. Quando as membranas do cólon ficam cronicamente inflamadas e danificadas, isso pode levar a deficiências nutricionais ao longo do tempo. Estas condições também aumentam o risco de câncer de cólon se não tratadas. 

Câncer de Cólon

O câncer colorretal é o terceiro tipo de câncer mais comum no mundo. Estima-se que dois milhões de pessoas ao redor do mundo tiveram câncer de cólon em 2020. Fatores de risco para o câncer de cólon incluem dietas pobres em fibras, inatividade, consumo de álcool, estar acima do peso, e baixos níveis de vitamina D . Todos estes fatores de risco podem impactar a síntese de DNA no cólon e outros tecidos. Como a produção e regulação anormal de DNA são a causa principal do início e crescimento de tumores, manter a produção de DNA saudável no cólon é importante.

Desmobilidade

Os músculos movem os alimentos através do cólon se contraindo em movimentos regulares e trocando água e eletrólitos com os tecidos vasculares ao redor. Este processo de mover alimentos através do intestino é chamado de "motilidade". Quando a motilidade é anormal, alimentos se movem através do cólon muito rápido (o que resulta em diarreia), ou muito devagar (o que resulta em constipação). Podemos classificar o tempo anormal de trânsito intestinal como "desmobilidade", o que significa movimentos anormais. Quando a desmobilidade se torna crônica, ela impacta a habilidade do cólon de desempenhar suas funções básicas de produção e absorção de nutrientes e desintoxicação.

Disbiose e SIBO

O microbioma no intestino é cuidadosamente equilibrado entre muitos tipos importantes de microrganismos, incluindo bactérias e leveduras. No geral, ter uma abundância de bactérias "boas" (também conhecidas como probióticos) ajuda a prevenir o supercrescimento de bactérias e leveduras patogênicas ou oportunistas que causam problemas no intestino. 

Existem diversos campos de estudo que focam no microbioma, e são muitos estudos para ler e analisar! Eu simplifico isso para meus clientes ao explicar desta maneira: todas as bactérias sobrevivem usando combustíveis. Elas produzem dejetos como parte do metabolismo celular. Alguns dos dejetos são na verdade benéficos para a saúde humana. Outros dejetos, como metano e hidrogênio, podem causar problemas se forem produzidos em quantidades muito grandes para o nosso corpo lidar, ou se forem produzidos no lugar errado do corpo. 

Em geral, queremos uma abundância de bactérias boas no intestino grosso, e queremos que estas bactérias fiquem lá e não migrem para outros lugares. Ter um cólon saudável com uma valvula ileocecal saudável é essencial para prevenir a migração das bactérias do cólon para lugares onde não deveriam ir- como o intestino delgado. Quando as bactérias do cólon migram para o intestino delgado, podemos ter sintomas como gases, inchaço, cólicas, má absorção de nutrientes, diarreia, constipação e muito mais. Coletivamente, este transtorno da microbiota e os sintomas que ele causa são chamados de super crescimento bacteriano no intestino delgado ou SIBO. Se você nunca ouviu falar disso, considere-se com sorte! E agradeça ao seu cólon por trabalhar para manter suas bactérias no lugar certo.

Infecções

Às vezes um patógeno passa a morar no cólon e transforma um órgão que era saudável em um foco de infecção. Muitas pessoas conhecem o C. diff,uma infecção perigosa que pode ser fatal se não tratada. A melhor defesa contra infecções no cólon é uma boa higiene da água e alimentos e um microbioma saudável que possa combater microrganismos patogênicos quando encontrá-los. Explicarei abaixo como alcançar isso.

‌‌‌‌6 Métodos Baseados em Evidências Para Prevenir Problemas no Seu Cólon e Cuidar Dele a Longo Prazo

Cuidar do seu cólon é como cuidar de qualquer outra parte do seu corpo. Ele requer uma manutenção de rotina e uma abordagem baseada em evidências. Embora você não seja necessariamente capaz de "ver" os efeitos de cuidar do seu cólon (já que ele é localizado internamente), será capaz de "sentir" os efeitos na forma de uma digestão mais saudável, movementos intestinais mais regulares e idas ao banheiro livres de sintomas. 

Além disso, cuidar do seu cólon melhora a saúde de todos os outros sistemas do seu corpo, então você pode esperar apreciar uma melhor saúde geral, pele mais uniforme, funcionamento saudável do sistema nervoso e muito mais, por conta dos seus esforços. Veja algumas maneiras de cuidar do seu cólon todos os dias.

1. Consuma Fibras Suficientes

Todas as publicações sobre a prevenção do câncer de cólon estabelecem que aumentar o consumo de fibras é diretamente relacionado à amplificação da saúde do cólon e diminuição do risco de câncer colorretal. Isso porque as fibras ajudam a equilibrar o microbioma, aumentam a motilidade e fornecem a massa necessária para mover toxinas através do nosso cólon e para fora do corpo. Você deve ter como objetivo consumir pelo menos 25 gramas de fibras por dia para manter a boa saúde do cólon. Populações que consomem perto de 50 gramas por dia apresentam o risco mais baixo de câncer de cólon de qualquer grupo de pessoas no planeta. 

2. Beba Água

O intestino grosso está constantemente combinando água, alimentos digeridos, fibras e eletrólitos para formar as fezes. Sem água suficiente, as fezes não conseguem se mover efetivamente através do cólon e ficam presas. Isso é conhecido por constipação. A constipação é definida como menos de uma evacuação por dia, o que surpreende a maioria das pessoas! Tomar água suficiente todos os dias é essencial para formar as fezes na consistência certa, para que se movam facilmente através do seu cólon de maneira regular. Se você é como muitos dos meus clientes, poderá precisar de ajuda para lembrar de tomar bastante água. Não tenha medo de colocar alarmes no seu telefone, use garrafas de água que acendem - o que for preciso! Você também pode consumir água através de bebidas saborosas como chás. Se você tem problemas nos rins ou outros problemas crônicos de saúde, pergunte ao seu médico a quantidade de água certa para você.

3. Exercícios

Nossos corpos usam a musculatura no cólon para mover as fezer numa taxa regular. Mas mexer o seu corpo também ajuda! Movimentos como caminhar, correr, pular e girar criam vibrações no intestino que ajudam a manter uma taxa saudável de motilidade. Além disso, exercícios ajudam a aumentar os movimentos linfáticos, que ajudam na desintoxicação. Faz sentido que estes estudos mostrem que a falta de movimento é ligada a uma saúde ruim do cólon a longo prazo. Não deixe isso acontecer com você!

4. Durma o Suficiente

O sono é uma parte fundamental da saúde e já foi demonstrado que a falta de sono aumenta o risco de colite e outros problemas no cólon. Consulte seu médico que você apresenta problemas para dormir o suficiente.

5. Não Fume ou Beba Demais

Fumar cigarros e consumir álcool são atividades ligadas ao aumento do risco de câncer de cólon e doenças inflamatórias intestinais. Faça um plano com seu médico para parar de fumar e se comprometa a consumir menos de três bebidas alcóolicas por semana para melhorar a saúde do seu cólon.

6. Faça Exames com Frequência

É impossível ver seu cólon de fora, por isso é tão importante visitar seu médico regularmente e pedir para ele fazer testes simples que a tecnologia permitiu que desenvolvêssemos para conferir a saúde do cólon. Existem diversas opções pra fazer isso, desde testes caseiros até colonoscopias. Seu médico saberá o que você precisa, mas quero ter uma conversa real com você se estiver em casa lendo isso agora. 

Colonoscopias são seguras, eficientes e a única maneira de realmente enxergar dentro do cólon e detectar problemas maiores como câncer de cólon cedo - antes que se tornem um risco de vida. Se seu médico recomendou uma colonoscopia, faça. Estima-se que 53.000 irão morrer de câncer colorretal nos Estados Unidos só este ano. Muitas destas mortes poderiam ser prevenidas se fossem detectadas mais cedo com exames. Por favor, não deixe de fazer seus exames. Ouça seu médico quando ele disser que é hora de uma colonoscopia. A preparação durante um dia todo para a colonoscopia é desconfortável? Com certeza. Mas tambem é uma ótima chance de limpar seu cólon, fazer um detox natural e se certificar de que você não está com câncer. Faça a sua colonoscopia conforme as orientações e continue a fazer regularmente se tiver mais de 50 anos. Além disso, durma bem, tenha uma dieta saudável repleta de fibras, pare de fumar, obtenha vitamina D suficiente, e faça exercícios. Seu cólon e outros órgãos irão agradecer por isso.

Em relação à saúde do cólon e redução do risco de câncer colorretal e outras doenças, você está no banco do motorista! Espero que este artigo faça você se sentir empoderado(a) e motivado(a) a cuidar do seu cólon e de todo o seu corpo usando opções naturais e preventivas que sabemos que realmente funcionam.

Referências:

  1. Aune, D., et al. “Dietary Fibre, Whole Grains, and Risk of Colorectal Cancer: Systematic Review and Dose-Response Meta-Analysis of Prospective Studies.” BMJ, vol. 343, no. nov10 1, 10 Nov. 2011, pp. d6617–d6617, www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3213242/, 10.1136/bmj.d6617. Acessado em 1 de Março de 2021.
  2. Azzouz, Laura L, and Sandeep Sharma. “Physiology, Large Intestine.” Nih.gov, StatPearls Publishing, 27 July 2020, www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK507857/#article-24030.r1. Acessado em 2 de Março de 2021.
  3. Braasch-Turi, Margaret, and Debbie C. Crans. “Synthesis of Naphthoquinone Derivatives: Menaquinones, Lipoquinones and Other Vitamin K Derivatives.” Molecules, vol. 25, no. 19, 29 Sept. 2020, p. 4477, www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7582351/, 10.3390/molecules25194477. Acessado em 1 de Março de 2021.
  4. “Cancer Today.” Iarc.fr, 2020, gco.iarc.fr/today/online-analysis-multi-bars?v=2020&mode=cancer&mode_population=countries&population=900&populations=900&key=asr&sex=0&cancer=39&type=0&statistic=5&prevalence=0&population_group=0&ages_group%5B%5D=0&ages_group%5B%5D=17&nb_items=10&group_cancer=1&include_nmsc=1&include_nmsc_other=1&type_multiple=%257B%2522inc%2522%253Atrue%252C%2522mort%2522%253Afalse%252C%2522prev%2522%253Afalse%257D&orientation=horizontal&type_sort=0&type_nb_items=%257B%2522top%2522%253Atrue%252C%2522bottom%2522%253Afalse%257D. Acessado em 1 de Março de 2021.
  5. “Colon Cancer.” American Family Physician, vol. 97, no. 10, 2021, p. 658, www.aafp.org/afp/2018/0515/p658-s1.html. Acessado em 2 de Março de 2021.
  6. Dou, Ruoxu, et al. “Vitamin D and Colorectal Cancer: Molecular, Epidemiological and Clinical Evidence.” British Journal of Nutrition, vol. 115, no. 9, 9 Mar. 2016, pp. 1643–1660, www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4890569/, 10.1017/s0007114516000696. Acessado em 1 de Março de 2021.
  7. Litvak, Yael, et al. “Colonocyte Metabolism Shapes the Gut Microbiota.” Science, vol. 362, no. 6418, 29 Nov. 2018, p. eaat9076, www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6296223/, 10.1126/science.aat9076. Acessado em 1 de Março de 2021.
  8. Manson, JoAnn E., et al. “Vitamin D Supplements and Prevention of Cancer and Cardiovascular Disease.” New England Journal of Medicine, vol. 380, no. 1, 3 Jan. 2019, pp. 33–44, pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30415629/, 10.1056/nejmoa1809944. Acessado em 1 de Março de 2021.
  9. “Microbiota, Inflammation and Colorectal Cancer.” International Journal of Molecular Sciences, vol. 18, no. 6, 20 June 2017, p. 1310, www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5486131/, 10.3390/ijms18061310. Acessado em 2 de Março de 2021.
  10. Mock, Donald M. “Biotin: From Nutrition to Therapeutics.” The Journal of Nutrition, vol. 147, no. 8, 12 July 2017, pp. 1487–1492, www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5525106/, 10.3945/jn.116.238956. Acessado em 2 de Março de 2021.
  11. Mondul, Alison M, et al. “Vitamin D and Cancer Risk and Mortality: State of the Science, Gaps, and Challenges.” Epidemiologic Reviews, vol. 39, no. 1, 1 Jan. 2017, pp. 28–48, www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5858034/, 10.1093/epirev/mxx005. Acessado em 2 de Março de 2021.
  12. O’Keefe, Stephen J. D. “Diet, Microorganisms and Their Metabolites, and Colon Cancer.” Nature Reviews Gastroenterology & Hepatology, vol. 13, no. 12, 16 Nov. 2016, pp. 691–706, www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6312102/#R26, 10.1038/nrgastro.2016.165. Acessado em 1 de Março de 2021.
  13. “Office of Dietary Supplements - Vitamin K.” Nih.gov, 2017, ods.od.nih.gov/factsheets/vitaminK-HealthProfessional/. Acessado em 2 de Março de 2021.
  14. Ogawa, Youichi, et al. “Biotin Is Required for the Zinc Homeostasis in the Skin.” Nutrients, vol. 11, no. 4, 24 Apr. 2019, p. 919, www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6520690/, 10.3390/nu11040919. Acessado em 2 de Março de 2021.
  15. Song, Mingyang, et al. “Nutrients, Foods, and Colorectal Cancer Prevention.” Gastroenterology, vol. 148, no. 6, May 2015, pp. 1244-1260.e16, www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4409470/, 10.1053/j.gastro.2014.12.035. Acessado em 2 de Março de 2021.
  16. Tjalsma, Harold, et al. “A Bacterial Driver–Passenger Model for Colorectal Cancer: Beyond the Usual Suspects.” Nature Reviews Microbiology, vol. 10, no. 8, 25 June 2012, pp. 575–582, pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22728587/, 10.1038/nrmicro2819. Acessado em 2 de Março de 2021.
  17. Uronis, Joshua M., et al. “Modulation of the Intestinal Microbiota Alters Colitis-Associated Colorectal Cancer Susceptibility.” PLoS ONE, vol. 4, no. 6, 24 June 2009, p. e6026, www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2696084/, 10.1371/journal.pone.0006026. Acessado em 2 de Março de 2021.
  18. Xiao, Qian, et al. “Prediagnosis Sleep Duration, Napping, and Mortality among Colorectal Cancer Survivors in a Large US Cohort.” Sleep, vol. 40, no. 4, 9 Feb. 2017, www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5806565/, 10.1093/sleep/zsx010. Acessado em 2 de Março de 2021.

Artigos Relacionados

Ver tudo

Condições

8 Remédios Naturais Para Queimação e Refluxo

Condições

Está com o Estômago Irritado? 5 Maneiras Naturais que Podem Fornecer Alívio

Condições

5 formas de saber se você tem deficiência de ferro