Obviamente na atualidade há um foco considerável sobre o funcionamento do sistema imune no combate a doenças virais. Não somente em nossas vidas pessoais, mas também nas pesquisas médicas. Existem diversas pesquisas animadoras saindo, especialmente a respeito da vitamina D3 e sua importância sobre a habilidade do sistema imune em combater os vírus, especialmente na dose correta.

‌‌‌O Que é a Vitamina D3?

A Vitamina D3 é chamada de "vitamina da luz solar", pois quando a luz do sol atinge nossa pele ela transforma um composto presente na área exposta da pele (7-dehidrocolesterol) em vitamina D3. Esta forma de vitamina D também está disponível como suplemento alimentar. Se expor à luz solar na metade do dia com uma grande porção da pele exposta por vinte a trinta minutos pode produzir de 10000 a 20000 UI de vitamina D3.

Quando a pele forma a D3 (ou quando é ingerida na forma de suplemento), ela é transportada para o fígado e convertida por uma enzima em 25-hidroxivitamina D3 ou 25-OH-D3. Quando você faz um teste de vitamina D3 no sangue é esta forma que está sendo medida. A 25-OH-D3 é então convertida em 1,25-OH2-D3 nos rins. Esta é a forma mais potente, cerca de dez vezes mais potente do que a vitamina D3.  

Problemas no fígado, incluindo um problema comum que ocorre em pessoas com diabetes do tipo 2 e/ou obesidade (fígado gorduroso não-alcoólico), pode levar a níveis sanguíneos mais baixos de 25-OH-D3 mesmo se o consumo de D3 for suficiente, por causa da conversão prejudicada de D3 pelo fígado. Problemas nos rins levam a baixos níveis de 1,25-OH2-D3 e isso pode ter um efeito negativo sobre o metabolismo de cálcio e saúde dos ossos.

‌‌‌‌Quais São os Benefícios Gerais da Vitamina D3 Para a Saúde?

A vitamina D3 apresenta diversas funções importantes no corpo. A maioria das pessoas sabe que ela é importante para o crescimento e desenvolvimento normal dos ossos e dentes, assim como para o sistema imune. Mas os benefícios da vitamina D3 vão muito além destes básicos. Cientistas identificaram cerca de 2700 genes aos quais os metabólitos da vitamina D3 se ligam e regulam de maneira crítica, incluindo diversos genes que influenciam o funcionamento dos glóbulos brancos do sangue. 

Níveis baixos de vitamina D3 estão ligados não somente ao risco de desenvolver anormalidades ósseas e funcionamento imune ruim, mas também a muitos outros problemas incluindo doenças cardíacas, transtornos autoimunes, desânimo e sensação de estresse, controle ruim da glicose no sangue e envelhecimento acelerado.

‌‌‌A Deficiência de Vitamina D3 é Comum?

Muitas pesquisas mostraram que a deficiência de vitamina D ocorre em todo o mundo. Muitos especialistas em saúde acreditam que a suplementação ampla de vitamina D pode ser a estratégia de saúde pública mais importante e de melhor custo-benefício para melhorar a saúde, reduzindo doenças e ajudando as pessoas a viverem mais tempo. Pessoas com deficiência severa de vitamina D têm vidas significativamente mais curtas (em pelo menos 7 anos) e apresentam o dobro do risco para a maioria das doenças crônicas. O genoma humano contém mais de 2700 sítios de ligação para a vitamina D3 ativa; estes sítios de ligação ficam próximos a genes envolvidos em quase todas as principais doenças humanas conhecidas.

A deficiência de vitamina D3 é definida por um nível sanguíneo de 25-OH-D3 menor que 25 ng/ml. A faixa de 30 a 50 ng/ml é considerada normal, mas a maioria dos especialistas em saúde considera um nível de 50 a 80 ng/ml como faixa alvo para uma saúde ideal.

A Deficiência de Vitamina D3 nos Estados Unidos

  • 70% da população apresenta níveis insuficientes de vitamina D (níveis sanguíneos abaixo de 30 ng/ml)  
  • 50% da população é deficiente em vitamina D (níveis sanguíneos abaixo de 25 ng/ml) 
  • 60% de todos os pacientes de hospitais apresentam deficiência de vitamina D
  • 76% das mulheres grávidas apresentam deficiência severa de vitamina D
  • 80% dos pacientes de casas de repouso apresentam deficiência de vitamina D

‌‌‌Quais São os Fatores de Risco Para Deficiência de Vitamina D3?

  • Exposição insuficiente à luz solar - nossos corpos foram programados para serem expostos ao sol. Muitas pessoas hoje em dia passam a maior parte do tempo em ambientes fechados ou cobertas com roupas e protetor solar quando saem.
  • Morar em uma latitude alta - reduz a exposição ao sol.
  • Envelhecimento – à medida que envelhecemos a pele fica menos responsiva à luz ultravioleta.
  • Peles mais escuras - a melanina (pigmento da pele) reduz os efeitos dos raios ultravioleta sobre a pele, reduzindo a formação de vitamina D. Quanto mais escura a pele, maior o risco de deficiência de vitamina D.
  • Obesidade, problemas no fígado e diabetes do tipo 2  são condições que reduzem a conversão de D3 em 25-OH-D3 pelo fígado. 

Fontes alimentares de vitamina D3 são insuficientes para alcançar os requerimentos de D3 na maioria das circunstâncias. A exposição ao sol é altamente variável na manutenção de níveis sanguíneos adequados de D3. A suplementação é necessária na maioria dos casos. Enquanto algumas pessoas podem atingir níveis ideais com somente 600 UI por dia (ou 20 minutos de exposição diária ao sol), outras podem precisar de até 10000 UI por dia. A maioria dos especialistas em saúde recomenda a suplementação com uma dose de vitamina D3 na faixa de 2000 a 5000 UI por dia. A única maneira de determinar a faixa de uma determinada pessoa é testando. Muitos médicos estão conferindo rotineiramente os níveis de vitamina D dos seus pacientes.

‌‌‌‌Efeitos da Vitamina D3 em Infecções Respiratórias Virais

Diversas metanálises demonstraram que indivíduos com níveis sanguíneos mais altos de vitamina D3, bem como a suplementação com vitamina D3 estão associadas a uma taxa reduzida de desenvolvimento de infecções do trato respiratório por vírus.1-3 O estudo mais respeitado entre eles é uma revisão que apareceu no British Medical Journal.2  Pesquisadores avaliaram 25 testes clínicos randomizados controlados que incluíram 11321 participantes, indo de bebês a indivíduos de 95 anos de idade. O que os pesquisadores descobriram foi que quando indivíduos com deficiência de vitamina D receberam suplementação de vitamina D diária ou semanal, apresentaram diminuição de 70% na taxa de infecção do trato respiratório. Em pessoas sem deficiência de vitamina D, uma redução de 25% em infecções respiratórias foi notada após a suplementação. Interessantemente, neste estudo doses únicas grandes (ex: doses maiores do que 60000 UI) em adultos não foram efetivas. Este achado ilustra que a suplementação diária é preferível.

Tendo dito isso, um estudo de 2017 no Journal of the American Geriatric Society comparou uma dose baixa com uma dose alta de vitamina D tomada por idosos vivendo em casas de repouso na forma de uma dosagem mensal única, em um estudo de quatro anos.3 O grupo de dosagem alta recebeu 100000 UI de D3 a cada mês (o que seria equivalente a cerca de 3300 UI por dia) enquanto o grupo de dosagem baixa tomou em média 400 a 1000 UI/dia de D3 junto com uma dose mensal de placebo. Estes resultados são significativos, mas devido ao resultado visto em outros estudos, a suplementação diária (ex: 3000 UI por dia) poderia ter produzido resultados ainda melhores do que uma dose mensal única de 100000 UI).

Existe um foco considerável no funcionamento imune para combate a infecções virais atualmente. Não somente em nossas vidas pessoais, mas também nas pesquisas médicas. Em particular, muitas pesquisas animadoras estão saindo.

‌‌‌‌Efeitos da Vitamina D3 na Redução da Mortalidade em Infecções Respiratórias Virais

Em dois estudos recentes, foi demonstrado que as taxas de mortalidade devido a infecções respiratórias virais foram claramente correlacionadas aos níveis de vitamina D3. No primeiro estudo, a taxa de mortalidade devido a infecções no trato respiratório foi próxima de 100% quando os níveis de vitamina D estavam abaixo de 19 ng/ml.4 Com 25 ng/ml a taxa de mortalidade ainda estava alta, em 85%, mas começou a diminuir rapidamente, e no nível de 34 ng/ml a taxa de mortalidade foi de 0%. Este estudo mostrou que a meta essencial para aumentar a sobrevivência ao lidar com vírus respiratórios é um nível sanguíneo de 25-OH-D3 de pelo menos 34 ng/ml. 

No segundo estudo, um nível sanguíneo de 25-OH-D3 menor do que 20 ng/ml na admissão ao hospital na Bélgica foi associada a um aumento de 3-7 vezes nas chances de morte por uma infecção respiratória viral. Cerca de 59% dos pacientes internados com infecções virais do trato respiratório superior apresentavam deficiência de vitamina D no momento da internação: 47% das mulheres e 67% dos homens. 

Uma pesquisa no ClinicalTrials.gov revelou que existem atualmente cerca de 40 estudos clínicos analisando a vitamina D3 em infecções do trato respiratório em todo o mundo.

‌‌Suplementação de Vitamina D Como uma Estratégia de Saúde Pública

Recentemente, diversos governos incluindo o do Reino Unido estão considerando distribuir suplementos de  vitamina D como uma estratégia de saúde pública para pessoas com mais risco de infecções do trato respiratório. Um relatório preliminar de um programa sendo conduzido em casas de repouso na região da Andaluzia na Espanha gerou uma redução de 82% na mortalidade por infecções do trato respiratório.

‌‌‌‌Mensagem Principal

Felizmente, pode não ser necessário esperar que os governos forneçam a vitamina D3, já que ela é bastante acessível. Resumindo, é essencial melhorar os níveis de vitamina D até a zona de segurança de pelo menos 34 ng/ml. Isso geralmente requer uma dosagem diária de 2000 a 5000 UI de vitamina D3.

Referências:

  1. Pham H, Rahman A, Majidi A, Waterhouse M, Neale RE. Acute Respiratory Tract Infection and 25-Hydroxyvitamin D Concentration: A Systematic Review and Meta-Analysis. Int J Environ Res Public Health. 2019;16(17):3020. Publicado em 21 de Ago de 2019. doi:10.3390/ijerph16173020
  2. Martineau Adrian R, Jolliffe David A, Hooper Richard L, Greenberg Lauren, Aloia John F, Bergman Peter et al. Vitamin D supplementation to prevent acute respiratory tract infections: systematic review and meta-analysis of individual participant data BMJ 2017; 356 :i6583
  3. Ginde AA, Blatchford P, Breese K, et al. High-Dose Monthly Vitamin D for Prevention of Acute Respiratory Infection in Older Long-Term Care Residents: A Randomized Clinical Trial. J Am Geriatr Soc. 2017;65(3):496–503. doi:10.1111/jgs.14679
  4. https://emerginnova.com/patterns-of-covid19-mortality-and-vitamin-d-an-indonesian-study/
  5. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/33236114/  
  6. https://doctormurray.com/how-90-of-covid-deaths-could-have-been-prevented/