header_search header_signed-out header_signed-in header_cart sharefilled circlex circleexclamation iherbleaf
checkoutarrow
BR
O produto foi adicionado ao carrinho
Total:
Desconto:
Junto:
Quantidade:
Cart Total:
Finalizar
Clientes também compraram:
Ajuda 24 horas
beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements
Condições

Como Cuidar da Temida Gastroenterite em Crianças

15 Fevereiro 2018

Por Kristen Bruno, MD

A Gastroenterite Aguda (GEA) em crianças, comumente chamada de intoxicação alimentar, é causada principalmente por uma pequena lista de vírus. Os suspeitos mais comuns dessa doença possuem o seu próprio pico de incidência ao longo do ano, mas também podem estar presentes em surtos aleatórios.

Norovírus

Esse vírus aparece ao longo de todo o ano, mas também é conhecido por causar casos esporádicos, geralmente em crianças mais novas. É caracterizado por vômito persistente.

Rotavírus

Foi a causa mais comum de GEA em crianças pequenas até a introdução da vacina contra rotavírus em 2006. Desde o início da vacinação, a presença de doenças causadas por rotavírus diminuiu em até 90% por ano, fazendo com que o norovírus seja o principal causador da GEA. Seu pico é no outono/inverno em climas temperados e é observado com mais frequência em crianças pequenas. O rotavírus causa diarreia severa, principalmente em pessoas muito novas.

Adenovírus

Afetando principalmente crianças com menos de 4 anos, tem seu pico no verão, mas pode ocorrer ao longo do ano.

Sapovírus e astrovírus

Ambos afetam crianças pequenas e bebês. Ocorrem ao longo do ano e são mais brandos que o rotavírus ou norovírus.

Sintomas de Gastroenterite Aguda em Crianças

Os sintomas da GEA variam com a idade, de pessoa para pessoa e de um dia para o outro, mas os dois mais comuns são:

  • Diarreia: Fezes frequentes, líquidas ou soltas são causadas pelo intestino agredido pela GEA. As fezes podem conter muco ou sangue, mas isso normalmente não acontece. A diarreia pode durar uma semana ou mais, causando perda de líquidos e eletrólitos.
  • Vômitos: Mais da metade das crianças com GEA costuma apresentar vômitos, o que também pode causar perda de líquidos e eletrólitos. O vômito costuma durar por 1-2 dias.

Outros sintomas podem incluir febre, dor abdominal, dor muscular, fadiga, perda de apetite e corrimento nasal ou garganta inflamada. A primeira infecção com um dos suspeitos mais comuns geralmente resulta em um caso mais severo ou prolongado da doença, e é por isso que crianças pequenas tendem a apresentar os piores casos.

Desidratação causada pela gastroenterite

A gravidade da gastroenterite aguda é refletida pelo grau de desidratação na criança ou bebê.

Desidratação leve: É caracterizada por um leve caso de boca seca ou pegajosa, tontura leve e diminuição na quantidade de urina produzida. A maior parte da desidratação nos portadores de GEA é leve e pode ser tratada consumindo líquidos em casa.

Desidratação mais grave: É caracterizada por boca seca, redução na produção de urina, aumento da frequência cardíaca, respiração mais rápida e profunda, uma área amolecida e afundada na cabeça do bebê, olhos fundos, choro sem lágrimas e falta de atenção ou irritabilidade. Bebês e crianças pequenas são mais suscetíveis e podem precisar de soro intravenoso.

A reposição de água e eletrólitos perdidos é a prioridade número 1 nos casos de GEA. Os líquidos da terapia de Reidratação Oral (TRO) possuem equilíbrio de sal e açúcar. Para os mais novos, o Pedialyte é o mais recomendado. Crianças mais velhas podem consumir água ou bebidas com eletrólitos. A amamentação e a alimentação com fórmula não devem ser interrompidas, a não ser que o bebê não consiga se alimentar.

Vá devagar com a administração de líquidos em casos de vômito. Picolés são ótimos para esse caso. Retome a dieta normal da criança assim que ela estiver reidratada e sem vomitar, mas evite alimentos com alta concentração de gordura e açúcar. Não dê pizza assim que seu filho ou filha estiver com fome novamente!

Tratamento para Gastroenterite Aguda

Casos graves de GEA podem necessitar de medicamentos prescritos como Zofran (ondansetrona), mas a maioria dos casos pode ser controlado com líquidos e outros remédios naturais. Probióticos podem ajudar a reduzir tanto a frequência quanto a duração da diarreia na GEA viral, sem efeitos colaterais significativos. Eles são seguros para bebês e crianças. Inicie a administração de probióticos nos primeiros sinais da gastroenterite e continue diariamente por 5-7 dias.

A diarreia pode ser bastante prejudicial à pele da área da fralda de bebês e crianças. A dermatite irritativa, causada pelo contato frequente com fezes, é muito comum na GEA e pode ser difícil de cuidar. Aqui está o passo a passo para cuidar da pele:

  1. Tempo ao ar livre: Deixe a criança sem fralda para que a pele entre em contato com o ar.
  2. Barreira: Use uma pomada à base de óxido de zinco a cada troca de fralda. Não tente remover toda a pomada ao trocar a fralda, apenas retire o que estiver sujo e possa ser removido com facilidade, e acrescente mais.
  3. Limpeza: Mantenha a pele limpa e seca. Você pode usar lenços umedecidos para bebês ou um pano macio com água quente para remover quaisquer fezes e urina. Bebês maiores podem ficar 10 minutos em um banho de bicarbonato de sódio uma vez ao dia para ajudar no tratamento da pele.
  4. Troca de fraldas: Troque as fraldas com frequência.

Prevenção da Gastroenterite Aguda

A vacina contra o rotavírus é recomendada para todas as crianças com 2, 4 e 6 meses de idade. Ela oferece proteção nos primeiros 1-2 anos de vida.

Lavar as mãos pode ajudar a prevenir contra a GEA para aqueles que estejam cuidando de crianças portadoras da doença. Lave suas mãos com sabonete e água após a troca de fraldas ou qualquer contato com fezes ou vômito. Desinfetantes para as mãos comuns à base de álcool não são recomendados, é mais indicado lavar com água e sabão.

Também é importante evitar que o seu filho passe GEA para os outros. O vírus pode ser transmitido pelas fezes por vários dias após o desaparecimento dos sintomas e também antes dos mesmos aparecerem. As recomendações no retorno para a creche ou para a escola variam, com as orientações mais restritivas sendo mais eficientes na redução da disseminação da infecção para outras crianças.

As crianças devem ficar em casa se apresentarem ao menos os seguintes sintomas:

  • 2 ou mais fezes com diarreia em um dia ou qualquer quantidade de fezes não contidas pela fralda
  • Qualquer acidente com fezes em crianças que já usam o banheiro sozinhas
  • Vômito nas últimas 24 horas

Lidar com a gastroenterite não é fácil, mas a doença pode ser controlada com a prevenção e o tratamento corretos.

Artigos Relacionados

Ver tudo

Condições

Essas ervas, temperos e nozes podem ajudar a controlar a diabetes

Condições

15 formas de se manter saudável ao viajar com diabetes

Condições

Como viajar com hipertensão