header_search header_signed-out header_signed-in header_cart sharefilled circlex circleexclamation iherbleaf
checkoutarrow
BR
O produto foi adicionado ao carrinho
Total:
Desconto:
Junto:
Quantidade:
Cart Total:
Finalizar
Clientes também compraram:
Ajuda 24 horas
beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements
Bem-estar

O Cohosh Preto e a Saúde da Mulher

25 Maio 2018

Por Eric Madrid MD

Neste artigo:

O cohosh preto foi descoberto e utilizado por povos nativos americanos há mais de dois séculos. Uma planta alta e com flores, que cresce em florestas ricas e sombreadas, o cohosh preto é parte da família dos ranúnculos. Historicamente, herbalistas sabiam que o ingrediente ativo do cohosh preto, glicosídeos de triterpenos, ajudavam a aliviar cãibras menstruais e sintomas da menopausa, assim como outros problemas.

Hoje, o cohosh preto é comumente utilizado pelas mesmas razões nos Estados Unidos, além de ser amplamente usado na Europa por pessoas que querem uma abordagem mais natural às preocupações comuns das mulheres. A raiz do cohosh preto pode influenciar positivamente diferentes partes do corpo – ela pode ajudar a capacidade do sistema imunológico de combater infecções, reduzir inflamações e até otimizar a saúde do sistema nervoso. Alguns estudos demonstraram benefícios para outros problemas crônicos, que serão analisados de forma mais profunda no decorrer deste artigo.

Menopausa

A menopausa é uma ocorrência natural para mulheres, que normalmente ocorre entre as idades de 45 e 55 anos, com uma idade média de 50 anos. Os médicos costumam declarar a menopausa depois que a mulher passa pelo menos 12 meses sem ter um ciclo menstrual. Ao contrário da crença popular, a maioria das mulheres não sente os calores da menopausa (chamados de fogacho), mas muitas sentem pelo menos três dos sintomas listados abaixo. Essa transição normal durante a vida pode ser muito inconfortável e desencorajante para muitas pessoas, mas podem existir maneiras de suavizar seu impacto.

Sintomas comuns da menopausa incluem:

  • Secura vaginal
  • Fogachos
  • Calafrios
  • Suor noturno
  • Distúrbios de sono
  • Mudanças de humor
  • Ganho de peso
  • Afinamento dos cabelos
  • Infecções urinárias frequentes

A menopausa ocorre quando os ovários criam níveis mais baixos de estrogênio e progesterona, os principais hormônios reprodutivos do corpo feminino. Isso costuma ocorrer por volta dos 50 anos de idade. Porém, isso também pode ocorrer mais cedo se a pessoa passa por uma histerectomia completa, ou se sofrer de um problema raro chamado de insuficiência ovariana primária.

Tradicionalmente, mulheres que estão passando pela menopausa eram tratadas com terapia de reposição hormonal, que era fortemente recomendada por médicos como uma forma de prevenir a osteoporose enquanto "mantinha a jovialidade". Isso começou a mudar em 2005, quando um estudo da Women's Health Initiative foi publicado com notícias alarmantes, que desafiaram a sabedoria comum naquele dia.

Apesar de a terapia de reposição hormonal com estrógenos conjugados (Premarin®) ter ajudado a fortalecer ossos, reduzir o fogacho e reduzir fraturas, ela também parece ter aumentado o risco de câncer de mama, câncer de ovário e ataques cardíacos. Os resultados do estudo foram alarmantes tanto para médicos quanto para pacientes. As vendas farmacêuticas desses remédios despencaram, e alternativas mais seguras começaram a ser buscadas. Como resultado, médicos também começaram a prescrever medicamentos antidepressivos como fluoxetina (Prozac) para ajudar pacientes a reduzir os sintomas da menopausa.

Reduzir o calor

Em um relatório do Centro Médico da University of Maryland, foi notado que múltiplos estudos confirmaram a efetividade do cohosh preto no alívio dos sintomas da menopausa. Esse relatório também mencionou um estudo de 120 mulheres, em que o cohosh preto melhorou as situações de fogacho e de suor noturno de forma mais eficiente que a famosa droga fluoxetina. Com base em um estudo de 2010, pesquisadores também descobriram que mulheres que consumiam cohosh preto apresentavam uma redução de 26 por cento nas ocorrências de fogacho e de suor noturno.

O National Institute of Health relatou um estudo sobre o cohosh preto publicado em 2006. Para o estudo, pesquisadores separaram 351 mulheres entre as idades de 45-55 anos em cinco grupos, que recebiam diferentes suplementos ou um placebo. Depois de 12 meses tomando seus suplementos designados ou o placebo, não houve muita diferença entre os grupos que tomaram o placebo e grupos de ervas. Porém, um grupo que consumiu uma preparação botânica, que incluía cohosh preto e alimentos com soja, notou benefício.  

Um estudo de 2013 concluiu que "o cohosh preto pode ser usado como uma medicina alternativa efetiva no alívio dos sintomas vasomotores da menopausa". Em outras palavras, mulheres que sentem fogachos poderiam ser atendidas pelo suplemento. De forma similar, um estudo de 2011, com mulheres com histórico de câncer de mama e que estavam sendo tratadas com o medicamento prescrito tamoxifeno (Soltamox), demonstrou que o cohosh preto pode ajudar a reduzir os sintomas de fogachos e suor, problemas de sono e ansiedade.

Em minha experiência, cerca de metade das mulheres que tomam o cohosh preto se beneficiam, enquanto a outra metade não apresenta mudanças. Como o cohosh preto possui um bom registro de segurança, muitas pessoas consideram tomá-lo por pelo menos dois a três meses, para determinar se existe um benefício. Se nenhum benefício for notado, o consumo é interrompido. Apesar do cohosh preto ser conhecido principalmente para tratar sintomas da menopausa, também existem outros benefícios que podem vir da adição dele ao seu regime de suplementos.

Melhora o sono

Insônia e má qualidade de sono são um problema comum em nossa sociedade moderna. Milhões de pessoas têm problemas para "desligar o cérebro" no final de um longo dia. Existem algumas histórias de sucesso em que o cohosh preto age como um auxiliador do sono, e também pode ajudar em sintomas de estresse e ansiedade. Em um estudo de 2015, dois grupos de mulheres foram separados, com um grupo tomando o cohosh preto e o outro tomando um placebo. Na conclusão do estudo, foi determinado que as mulheres que tomavam o cohosh preto por um período de seis meses apresentavam uma grande melhora em seu sono.  

Um estudo de 2011, com mulheres com histórico de câncer de mama que foram tratadas com a droga tamoxifeno, demonstrou que o cohosh preto pode reduzir problemas relacionados ao sono. Ele pode ser tomado de forma segura com a melatonina, um suplemento do sono, caso necessário.

Síndrome do ovário policístico (SOP)

A síndrome do ovário policístico (SOP) é um distúrbio complexo do sistema endócrino, que pode fazer com que mulheres tenham ciclos menstruais irregulares, surtos de acne e até mesmo ficarem inférteis. Ela também pode ser muito dolorosa, com algumas mulheres que sofrem de SOP relatando uma dor estomacal debilitante, inchaços, dores de cabeça e fadiga. Um estudo de 2014 colocou mulheres que sofriam de SOP em um programa de medicina herbácea. O estudo demonstrou que a medicina herbácea que incluía o cohosh preto pode melhorar os sintomas da SOP. Mulheres que sofrem de SOP devem consultar seus médicos antes de começar a tomar o cohosh preto.

Reduz a perda óssea causada pela osteoporose

A osteoporose afeta mais de 75 milhões de pessoas no Japão, na Europa e nos Estados Unidos, e estima-se que afeta mais de 200 milhões de pessoas no mundo todo. Antes de uma pessoa desenvolver osteoporose, ela tem um problema chamado osteopenia, uma condição em que os ossos ficam mais finos que o normal, mas não tão finos quanto os das pessoas que têm osteoporose.

Quando os ossos se tornam frágeis e moles, isso pode levar a muitas lesões e quebras. A osteoporose é um problema comum relacionado à idade, ocorrendo tanto em mulheres quanto em homens, e que pode enfraquecer os ossos. É importante tratar a osteopenia e a osteoporose assim que forem reconhecidas – apesar de ser difícil reverter a osteoporose, pode-se evitar que os ossos afinem ainda mais. A vitamina D, o cálcio e o magnésio têm um papel importante. O cohosh preto também pode ser benéfico.

Um estudo reportado na Chemistry and Biology em 2007 demonstrou que o cohosh preto possui alguns benefícios na prevenção da perda óssea. Para as pessoas com inclinação científica, foi demonstrado que o composto ACCX (25-acetilcimigenol xilopiranosídeo), que é isolado do cohosh preto, pode bloquear a osteogênese induzida pelo RANKL ou o TNF alfa. A conclusão desse estudo foi de que o cohosh preto ajudava a evitar a progressão da perda óssea. De maneira similar, um estudo com animais em 2010, publicado na Planta Medica, também demonstrou que o cohosh preto poderia ajudar a melhorar a força óssea.

A ansiedade pode ser reduzida

A ansiedade afeta milhões de americanos e muito mais pessoas no mundo todo. Ela pode vir de diferentes formas e com diferentes sintomas, e alguns casos de ansiedade podem ser mais severos do que outros. Muitas pessoas procuram medicamentos prescritos para ajudá-las durante os ataques de ansiedade, mas esse tipo de medicamento nem sempre é a resposta, e deve ser usado com extrema cautela.  

Medicamentos para ansiedade utilizados comumente, como alprazolam (Xanax), lorazepam (Ativan) e diazepam (Valium), têm sido associados com um maior risco de desenvolvimento de demência, de acordo com um estudo de 2014 publicado no British Medical Journal. Muitas pessoas que sofrem de ansiedade escolhem evitar esses medicamentos e encontrar uma alternativa mais natural.

Foi demonstrado que o cohosh preto pode reduzir a ansiedade. Um estudo de 2007 concluiu que o cohosh preto ajudou significativamente as pessoas com ansiedade e depressão. (Também existem outros suplementos que ajudam a fornecer alívio para pessoas com sintomas de depressão e ansiedade, como a erva-de-São-João). Um estudo de 2011, com mulheres com um histórico de câncer de mama que estavam sendo tratadas com a droga tamoxifeno, demonstrou que o cohosh preto pode ajudar a reduzir sintomas de ansiedade. Um estudo de 2018 também suportou essa aplicação.

O cohosh preto é seguro para pessoas com um histórico de câncer de mama?

Mulheres que estão na menopausa e possuem câncer de mama normalmente precisam evitar a reposição de estrogênio, devido ao seu tipo específico de câncer. Surgiu então a questão se uma mulher que possui câncer de mama pode consumir o cohosh preto de forma segura. De acordo com um estudo de 2014, o cohosh preto é seguro para o consumo por mulheres que têm ou que já tiveram câncer de mama. Porém, eu recomendo discutir isso com o seu médico antes de iniciar a suplementação.

Efeitos colaterais

Possíveis efeitos colaterais podem incluir dores de cabeça e irritação no estômago, mesmo em doses pequenas. No geral, isso é raro. Tomar doses maiores pode causar problemas no fígado, de acordo com algumas pessoas. Entretanto, um estudo de 2011, publicado na revista acadêmica Menopause, com mais de 1.100 mulheres que tomaram o cohosh preto, não demonstrou nenhuma evidência de danos ao fígado. Um estudo de 2018 publicado na Climacteric também concluiu que o cohosh preto é seguro para os usuários. Aconselha-se que mulheres que estão tomando pílulas anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal ou medicamentos para a pressão arterial consultem seus médicos antes de começar a consumir o cohosh preto.

Pergunte ao seu médico se o cohosh preto é a escolha certa para você

O cohosh preto ainda está sendo estudado. Acredita-se que o cohosh preto possui outros benefícios além dos que estão sendo discutidos aqui, mas as pesquisas ainda estão sendo conduzidas. Apesar de já existirem estudos com sucesso mostrando os benefícios que o cohosh preto pode oferecer às pessoas com menopausa, SOP, ansiedade e problemas do sono, ele ainda deve ser tomado com cuidado, e você sempre deve consultar seu médico antes de começar a usar esse suplemento.

Referências:

Um agradecimento especial para Shelby Campbell, BS, que me ajudou com a pesquisa de informações para este artigo

  1. Accessed December 20, 2017  https://www.webmd.com/vitamins-supplements/ingredientmono-857-BLACK+COHOSH.aspx
  2. Accessed December 20, 2017 http://www.umm.edu/health/medical/altmed/herb/black-cohosh
  3. https://ods.od.nih.gov/factsheets/Blackcohosh-HealthProfessional/
  4. Shahnazi M, Nahaee J, Mohammad-Alizadeh-Charandabi S, Bayatipayan S. Effect of Black cohosh (Cimicifuga Racemosa) on Vasomotor Symptoms in Postmenopausal Women: A Randomized Clinical Trial. Journal of Caring Sciences. 2013;2(2):105-113. doi:10.5681/jcs.2013.013.
  5. Catherine Ulbricht, Regina C. Windsor. (2015) An Evidence-Based Systematic Review of Black cohosh (Cimicifuga racemosa, Actaea racemosa) by the Natural Standard Research Collaboration. Journal of Dietary Supplements 12:3, pages 265-358.  
  6. K. Jiang, Y. Jin, L. Huang, S. Feng, X. Hou, B. Du, J. Zheng & L. Li   Climacteric Vol. 18 , Iss. 4,2015 Black cohosh improves objective sleep in postmenopausal women with sleep disturbance
  7. Catherine Ulbricht, Regina C. Windsor. (2015) An Evidence-Based Systematic Review of Black cohosh (Cimicifuga racemosa, Actaea racemosa) by the Natural Standard Research Collaboration. Journal of Dietary Supplements 12:3, pages 265-358.
  8. Arentz S, Abbott JA, Smith CA, Bensoussan A. Herbal medicine for the management of polycystic ovary syndrome (PCOS) and associated oligo/amenorrhoea and hyperandrogenism; a review of the laboratory evidence for effects with corroborative clinical findings. BMC Complementary and Alternative Medicine. 2014;14:511. doi:10.1186/1472-6882-14-511.
  9. Osteoporosis Int. 2006 Dec;17(12):1726-33. Epub 2006 Sep 16.
  10. Samuel X. Qiu, Chun Dan, et.al.  A Triterpene Glycoside from Black cohosh that Inhibits Osteoclastogenesis by Modulating RANKL and TNFα Signaling Pathways, In Chemistry & Biology, Volume 14, Issue 7, 2007, Pages 860-869, ISSN 1074-5521, (http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1074552107002177)
  11. Planta Med. 2010 Jun;76(9):850-7. doi: 10.1055/s-0029-1240798. Epub 2010 Jan 26.
  12. Billioti de Gate Sophie Moride Yola, Ducruet Thierry,  et al. Benzodiazepine use and risk of Alzheimer’s disease: case-control study BMJ 2014;349 :g5205
  13. Menopause. 2007 May-Jun;14(3 Pt 1):541-9.
  14. Catherine Ulbricht, Regina C. Windsor. (2015) An Evidence-Based Systematic Review of Black cohosh (Cimicifuga racemosa, Actaea racemosa) by the Natural Standard Research Collaboration. Journal of Dietary Supplements 12:3, pages 265-358.
  15. Phytotherapy Research. 2018 Feb 21. doi: 10.1002/ptr.6033. [
  16. Integr Cancer Ther. 2014 Jan;13(1):12-29. doi: 10.1177/1534735413477191. Epub 2013 Feb 25.
  17. Menopause. 2011 Apr;18(4):366-75. doi: 10.1097/gme.0b013e3181fcb2a6.
  18. Climacteric. 2018 Feb;21(1):69-74. doi: 10.1080/13697137.2017.1406913. Epub 2017 Dec 4.
  19. Accessed December 20, 2017 https://www.webmd.com/a-to-z-guides/supplement-guide-black-cohosh

Artigos Relacionados

Ver tudo

Bem-estar

Mix de óleos essenciais inspirados pelo amor

Bem-estar

Raiz de ouro – Adaptógeno anti-idade para energia, função cerebral e mais

Bem-estar

Os benefícios de produtos e alimentos naturais para animais de estimação