header_search header_signed-out header_signed-in header_cart sharefilled circlex circleexclamation iherbleaf
checkoutarrow
BR
O produto foi adicionado ao carrinho
Total:
Desconto:
Junto:
Quantidade:
Cart Total:
Finalizar
Clientes também compraram:
Ajuda 24 horas
beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements
Bem-estar

Adaptógenos para a saúde da mulher

30 Julho 2018

Por Eric Madrid, MD

Neste artigo:

Um adaptógeno é uma substância à base de plantas que ajuda a proteger as células de danos causados por estressores ambientais e químicos. Sua potência e habilidade de proteger contra estes estressores se deve ao fato de serem cultivadas em condições climáticas agressivas. Por exemplo, Rhodiola e ginseng, dois adaptógenos bem conhecidos, crescem a 10.000 pés (3 km) acima do nível do mar, uma altitude onde o oxigênio é baixo e o clima é frio. De acordo com Life Extension’s Book on Disease Prevention, para uma planta ser classificada como adaptógeno, deve satisfazer três critérios: não deve ser tóxica, ter uma habilidade fisiológica de normalização, e ter mais de um mecanismo de ação.  

Adaptógenos podem ser um grande impulso à saúde da mulher, devido à sua habilidade de melhorar o sistema imune, combater a fadiga, reduzir os sintomas da menopausa, e muito mais.

Panax ginseng

Panax ginseng é tomado para várias condições médicas. As origens desta planta vêm da Coreia, onde tem sido usada há mais de 2.000 anos. Também cultivado em áreas na China e Sibéria, o panax ginseng é único - e não deve ser comparado a outros ginsengs, como o Americano ou Siberiano. Panax ginseng também é referido como ginseng coreano, ginseng chinês ou ginseng asiático.

Disponível em comprimidos, forma líquida ou em pó, a dosagem do panax ginseng varia, dependendo do motivo pelo qual está sendo usado. A duração do tempo em que se deve tomá-lo também depende de certos fatores. Ainda que existam muitos benefícios ao tomar o panax ginseng, alguns mais populares são suportados por muitas pesquisas, e incluem os seguintes:  

  • Suporte ao sistema imune
  • Propriedades de combate ao câncer
  • Saúde cardiovascular
  • Saúde neurológica
  • Gerenciamento do peso
  • Controle da glicemia
  • Ansiedade e depressão
  • Fadiga

Dose sugerida: Como indicado no rótulo. Também pode ser consumido como chá quente.

Ashwagandha (Withania somnifera)

Ashwagandha pode ser útil para gerenciamento de energia baixa crônica.  Nativa da Ásia, especificamente da Índia e regiões da China, esta erva é comumente utilizada na medicina Ayurvédica como terapia da fadiga por dois motivos:

Melhora a energia

Um estudo em 2013 na revista Integrative Cancer Therapies mostrou que a ahswagandha pode ajudar a melhorar a energia e qualidade de vida em pessoas passando por tratamento de câncer.   

Melhora a resistência

Estudos em animais mostraram que a ashwagandha pode ajudar a melhorar os níveis de energia e resistência. Um estudo em 2015 com atletas na revista Ayu mostrou que a ashwagandha pode ajudar a melhorar sua resistência e melhorar sua qualidade de vida.

Dose sugerida: Ashwagandha - 500 mg uma ou duas vezes por dia

Anis (DGL ou anis deglicirrizinatado)

Quando se pensa em anis, o doce (e não a planta) é o que vem à cabeça. Porém, anis é uma planta que desempenha há muito tempo um papel importante na Medicina Tradicional Chinesa. É frequentemente usado para ajudar pessoas com fadiga adrenal, uma condição comum em mulheres. O ingrediente ativo no anis é a glicirrizina e a genisteína, entre outros.

Estudos mostraram os benefícios do anis DGL por décadas.  Um estudo em 1968 mostrou a habilidade deste remédio natural de ajudar a cicatrizar úlceras estomacais e intestinais enquanto um estudo em 1978 no British Medical Journal mostrou que ele também pode beneficiar a prevenção de úlceras estomacais.  Porém, também é benéfico para pessoas com desconforto estomacal, de acordo com um estudo em 2012.

Dosagem sugerida: Raiz de anis 450-900 mg por dia.

Raiz de maca

Raiz de maca (Lepidium meyenii) é uma erva adaptógena cultivada nas Montanhas dos Andes na América do Sul. Ela cresce em altitudes de 13.000 a 16.000 pés (4000-5000 m) acima do nível do mar. Tradicionalmente usada pelos Incas, a maca tem vários benefícios medicinais e foi usada principalmente para melhorar a libido e fertilidade. Era considerada um afrodisíaco por muitos. Com o tempo, outros benefícios foram observados:

Melhora os sintomas relacionados à ansiedade

Um estudo em 2008 na revista Menopause mostrou que mulheres que tomam 3,5 gramas por dia de maca tiveram redução na ansiedade - e sintomas relacionados à depressão e níveis menores de disfunção sexual quando comparadas a mulheres que tomaram um placebo.

Melhora os sintomas relacionados à menopausa

Por volta dos 50 anos, as mulheres começam a ter mudanças hormonais comumente conhecidas por menopausa. Ainda que a maioria das mulheres passe por estas mudanças sem complicações, algumas experimentam sintomas relacionados à menopausa, que podem ser difíceis. Um estudo em 2005 mostrou que a maca pode melhorar sintomas sentidos pelas mulheres no início da menopausa.

Melhora a libido

Milhões de mulheres no mundo todo tomam medicamentos antidepressivos e ansiolíticos.  Um efeito colateral comum destes medicamentos, conhecidos como SSRI (Inibidores Seletivos de Recaptação de Serotonina) é uma redução na libido, ou vigor sexual.  Um estudo em 2015 concluiu que a raiz de maca pode ajudar a aliviar este efeito colateral comum.

Dose sugerida: Como indicado no rótulo.

Rhodiola

Também conhecida como "raiz dourada", rhodiola cresce nas regiões árticas da Ásia e Leste da Europa - também chamada de "raiz ártica" por este motivo. É uma base da Medicina Tradicional Chinesa e também era usada pelos Vikings por sua habilidade de aumentar a resistência e ajudar o corpo a lidar com os efeitos de estressores ambientais e psicológicos. Ela tem muitos benefícios para as mulheres atualmente.

Efeito antifadiga

A Rhodiola pode ser uma opção para pessoas com fadiga inexplicável. Um estudo em 2009 na revista Planta Medica concluiu que o uso de Rhodiola tem um efeito antifadiga.

Melhora a resistência física

Atletas de todos os níveis de competições buscam frequentemente maneiras de melhorar sua resistência. A Rhodiola pode ser benéfica. Um estudo em 2009 no Chinese Journal of Integrative Medicine concluiu, "O suplemento herbal combinado de Rhodiola e Gingko pode melhorar o desempenho em resistência aumentando o consumo de oxigênio e protegendo contra a fadiga". Um estudo em 2013 no Journal of Strength and Conditioning Research também promoveu a habilidade da Rhodiola de melhorar a resistência em exercícios.

Ansiedade e depressão

Milhões de pessoas no mundo todo são afetadas pelos sintomas de ansiedade e depressão. Para muitos, também pode alterar a vida e ter repercussões físicas. Consultar um orientador ou psicólogo pode ser benéfico, mas às vezes não é suficiente. Os medicamentos são prescritos frequentemente, mas muitos se preocupam com os efeitos colaterais e desejam uma abordagem mais natural.

Um estudo em 2016 na revista Phytomedicine mostrou que a Rhodiola pode ser um tratamento eficiente para pessoas que sofrem de depressão. Um estudo em 2015 pelo Dr. Cropley concluiu que usuários de Rhodiola

"... demonstraram uma redução significativa na ansiedade autorrelatada, estresse, raiva, confusão e depressão em 14 dias, e uma melhora significativa no humor em geral."

Protege contra demência e Alzheimer

Rhodiola pode ajudar a proteger o cérebro contra danos oxidativos e desempenhar um papel importante na prevenção e tratamento de demência. Este adaptógeno vital desempenha um papel na abordagem natural da doença de Alzheimer pelo neurologista da UCLA, Dr. Dale Bredesen. Saiba mais.  

Vários estudos mostraram os benefícios da rhodiola, incluindo um estudo em 2016 pelo Dr. Bei Zhang. Um estudo em 2015 incluiu a rhodiola como tratamento promissor na Medicina Tradicional Chinesa.

Hipertensão

A hipertensão arterial afeta milhões de mulheres no mundo todo. Um estudo em 2017 mostrou que a Rhodiola tem benefícios de diminuição da pressão arterial. Um estudo em 2012 na revista Phytotherapy Research também demonstrou as propriedades de diminuição da pressão arterial pela rhodiola quando consumida regularmente. Um estudo em 2006 usando coelhos mostrou que a Rhodiola pode diminuir uma enzima chamada ECA (enzima conversora de angiotensina).  Isso é semelhante a uma classe de drogas que os médicos chamam de inibidores da ECA.  Observação: nunca pare de tomar os medicamentos para pressão arterial a não ser quando aconselhado por seu médico.

Dosagem sugerida: Cápsula de rhodiola - 200-500 mg uma ou duas vezes ao dia ou como indicado no rótulo. Extrato líquido de rhodiola - como indicado no rótulo

Referências:

  1. Integrative Cancer Therapies. 2013 Jul;12(4):312-22. doi: 10.1177/1534735412464551.  2012 Nov 9.
  2. J Med Food. 2002 Winter;5(4):211-20.  Ashwagandha improves endurance in animal studies.
  3. Choudhary B, Shetty A, Langade DG. Efficacy of Ashwagandha (Withania somnifera [L.] Dunal) in improving cardiorespiratory endurance in healthy athletic adults. Ayu. 2015;36(1):63-68. doi:10.4103/0974-8520.169002.
  4. Tewari SN, Trembalowicz FC. Some experience with deglycyrrhizinated liquorice in the treatment of gastric and duodenal ulcers with special reference to its spasmolytic effect. Gut. 1968;9(1):48-51.
  5. Hollanders D, Green G, Woolf IL, et al. Prophylaxis with deglycyrrhizinised liquorice in patients with healed gastric ulcer. British Medical Journal. 1978;1(6106):148.
  6. Raveendra KR, Jayachandra, Srinivasa V, et al. An Extract of Glycyrrhiza glabra (GutGard) Alleviates Symptoms of Functional Dyspepsia: A Randomized, Double-Blind, Placebo-Controlled Study. Evidence-based Complementary and Alternative Medicine : eCAM. 2012;2012:216970. doi:10.1155/2012/216970.
  7. Brooks N. A., Wilcox G., Walker K. Z., Ashton J. F., Cox M. B., Stojanovska L. Beneficial effects of Lepidium meyenii (Maca) on psychological symptoms and measures of sexual dysfunction in postmenopausal women are not related to estrogen or androgen content. Menopause. 2008;15(6):1157-1162.
  8. Meissner HO, Kapczynski W, Mscisz A, Lutomski J. Use of Gelatinized Maca (Lepidium Peruvianum) in Early Postmenopausal Women. International Journal of Biomedical Science : IJBS. 2005;1(1):33-45.
  9. Chinese Journal of Integrative Medicine. 2009 Jun;15(3):177-83. doi: 10.1007/s11655-009-0177-x. Epub 2009 Jul 2.
  10. Journal of Strength Conditioning Research. 2013 Mar;27(3):839-47. doi: 10.1519/JSC.0b013e31825d9799.
  11. Phytomedicine. 2016 Jun 15;23(7):770-83. doi: 10.1016/j.phymed.2016.02.009. Epub 2016 Feb 24.
  12. Phytother Res. 2015 Dec;29(12):1934-9. doi: 10.1002/ptr.5486. Epub 2015 Oct 27.
  13. Zhang B, Wang Y, Li H, et al. Neuroprotective effects of salidroside through PI3K/Akt pathway activation in Alzheimer’s disease models. Drug Design, Development and Therapy. 2016;10:1335-1343. doi:10.2147/DDDT.S99958.
  14. Sun Z-K, Yang H-Q, Chen S-D. Traditional Chinese medicine: a promising candidate for the treatment of Alzheimer’s disease. Translational Neurodegeneration. 2013;2:6. doi:10.1186/2047-9158-2-6.
  15. Ma Y-G, Wang J-W, Bai Y-G, Liu M, Xie M-J, Dai Z-J. Salidroside contributes to reducing blood pressure and alleviating cerebrovascular contractile activity in diabetic Goto-Kakizaki Rats by inhibition of L-type calcium channel in smooth muscle cells. BMC Pharmacology & Toxicology. 2017;18:30. doi:10.1186/s40360-017-0135-8.

Artigos Relacionados

Ver tudo

Bem-estar

Os benefícios do sabugueiro

Bem-estar

Os benefícios do mexilhão da Nova Zelândia

Bem-estar

Vitamina C tamponada vs não tamponada: quais são os benefícios?