checkoutarrow
BR
Ajuda 24 horas
beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements
Bem-estar

Açafrão: uma abordagem natural para as doenças neuropsiquiátricas

9 Maio 2019

Por James Lake, MD

Neste texto:

Limitações nos tratamentos comuns disponíveis abrem portas para tratamentos complementares e alternativos (CAM) baseados em evidências.

A efetividade limitada, os problemas de segurança e os altos custos de muitos medicamentos psicotrópicos resultou em uma demanda urgente por tratamentos mais seguros, efetivos e acessíveis para doenças mentais. Depois de décadas de pesquisas e bilhões de dólares de financiamento da indústria, as evidências que suportam o uso de tratamentos farmacológicos para grandes transtornos depressivos, transtorno bipolar, esquizofrenia e outros distúrbios psiquiátricos não são convincentes. Esses problemas levaram a um aumento no número de indivíduos com problemas de saúde mental que buscam tratamento por práticas complementares e alternativas (CAM), incluindo práticas medicinais chinesas, médicos naturopatas, herbalistas, quiropratas, homeopatas, dentre outros. No contexto do interesse crescente na medicina integrativa, o açafrão está emergindo como uma abordagem promissora para uma variedade de transtornos neuropsiquiátricos.

O açafrão e o tratamento de muitas doenças neuropsiquiátricas

O açafrão (Crocus sativus) tem um longo histórico de uso tradicional na medicina persa e chinesa, por ter efeito afrodisíaco, expectorante, antiespasmódico, antisséptico e de melhoramento cognitivo. Muitas descobertas de pesquisas com estudos em humanos suportam que o açafrão tem demonstrado efeitos benéficos no humor depressivo, no mal de Alzheimer e no transtorno de déficit de atenção com hiperatividade (TDAH). Descobertas de estudos com animais sugerem que o açafrão também pode ter efeitos benéficos em indivíduos diagnosticados com transtornos de ansiedade, esquizofrenia e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Os constituintes bioativos do açafrão podem aumentar a inibição de recaptura da dopamina e da norepinefrina, além de poder funcionar como antagonista do receptor de ácido n-metil-d-aspártico (NMDA) e agonista do GABA. O equilíbrio deste pequeno texto é uma revisão concisa das descobertas de pesquisas sobre o açafrão em casos de humor depressivo, mal de Alzheimer (MA) e transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH).AD

O açafrão e o humor depressivo

Os benefícios antidepressivos do açafrão podem existir devido a vários mecanismos, incluindo seus efeitos serotonérgicos, antioxidantes, anti-inflamatórios, neuroendócrinos e neuroprotetores. Uma revisão sistemática, com 6 estudos controlados por placebo sobre o açafrão no humor depressivo leve a moderado, concluiu que a raiz e os antidepressivos têm eficácia comparável. Uma meta-análise de 2019, que incluiu 11 estudos controlados por placebo (N total maior que 500) sobre os efeitos do açafrão em indivíduos com humor depressivo leve a moderado, concluiu que o açafrão é estatisticamente superior ao placebo, e teve eficácia equivalente aos antidepressivos SSRI (fluoxetina, citalopram). Não houve diferença na incidência de efeitos adversos em resposta ao açafrão em comparação com o placebo, mesmo em estudos em que altas doses de açafrão foram usadas (até 1,5 mg por dia). Todos os estudos incluídos na meta-análise foram conduzidos no Irã, onde o açafrão é tradicionalmente usado para tratar o humor depressivo e uma variedade de problemas médicos. Além disso, muitos pacientes apresentam comorbidades médicas. Esses dois fatores podem ter enviesado os resultados. Grandes estudos controlados por placebo, conduzidos por grupos de pesquisa independentes, são necessários para confirmar essas descobertas e determinar a dosagem ideal e a duração do tratamento. Descobertas emergentes sugerem que a curcumina (da cúrcuma) tem efeitos antidepressivos, tanto como uma terapia isolada quanto em conjunto com antidepressivos. Foi sugerido que combinar a curcumina e o açafrão pode resultar em benefícios antidepressivos sinérgicos. Em um estudo duplo cego de 12 semanas controlado por placebo, indivíduos diagnosticados com transtorno depressivo sério foram randomizados, para receberem uma dose baixa de extrato de curcumina (250 mg BID), alta dose de extrato de curcumina (500 mg BID) ou uma dose combinada de pouca curcumina com açafrão (15 mg BID), sentiram uma melhora comparável e significativa no humor, quando comparados ao placebo. Mais estudos são necessários para determinar se diferentes dosagens desses produtos apresentariam respostas antidepressivas diferentes.

O cultivo e a colheita do C. Sativus demanda trabalho intensivo, exigindo centenas de horas de coleta à mão dos estigmas de milhares de flores. Uma consequência disso é o algo custo e a limitada disponibilidade de um açafrão de qualidade no mercado mundial. Em esforços para se encontrar uma fonte menos cara e de maior rendimento de C. Sativus, pesquisadores extraíram vários constituintes ativos dos cormos da C. Sativus e investigaram seus efeitos em um modelo comportamental do humor depressivo em ratos. Os pesquisadores identificaram duas frações bioativas que podem ter eficácia antidepressiva equivalente ao açafrão derivado dos estigmas. Estudos clínicos controlados por placebo ainda são necessários para confirmar essa descoberta em humanos depressivos.

O açafrão e o TDAH

Estimulantes, como o metilfenidato e outros amplamente utilizados para tratar o TDAH, podem causar efeitos colaterais, como insônia, diminuição do apetite e dor abdominal. Estimulantes e outros tratamentos farmacológicos para o TDAH em adultos podem ter apenas metade do efeito que têm em crianças. Preocupações amplamente difundidas sobre esses problemas levaram a estudos de produtos naturais promissores e outras modalidades de tratamentos complementares e alternativos (CAM).

Os constituintes bioativos do açafrão podem aumentar a inibição de recaptura da dopamina e da norepinefrina, além de poder funcionar como antagonista do receptor de ácido n-metil-d-aspártico (NMDA) e agonista do GABA. Acredita-se que os dois mecanismos mediem efeitos benéficos nos sintomas de desatenção. Descobertas de um estudo duplo cego randomizado de 6 semanas, com crianças e adolescentes diagnosticados com TDAH, demonstraram eficácia equivalente para o açafrão (20 a 30 mg por dia) e para o metilfenidato (20 a 30 mg por dia), em escalas de classificação de sintomas de pais e professores. Essa descoberta deve ser reconhecida como preliminar, aguardando a confirmação de um estudo amplo, de longo prazo e controlado por placebo.

O açafrão e o mal de Alzheimer

Descobertas de pesquisas emergentes estão enaltecendo afirmações antigas da medicina tradicional, que diz que o açafrão pode melhorar o funcionamento cognitivo em indivíduos saudáveis, além de poder reduzir os sintomas de impedimento cognitivo no mal de Alzheimer (MA). Acredita-se que os efeitos cognitivos do açafrão sejam mediados por sua atividade antioxidante e anti-amiloidogênica. Descobertas de estudos controlados por placebo sobre o açafrão em pacientes com MA relatam benefícios cognitivos consistentes. Em um estudo de 22 semanas controlado por placebo, com 55 indivíduos com MA leve a moderada e com teor randomizado de açafrão (15 mg duas vezes por dia) vs donepezil (5 mg duas vezes por dia), um inibidor de colinesterase amplamente prescrito, foi demonstrada uma melhora equivalente nas medidas de comportamento e funcionamento cognitivo em escalas padronizadas de sintomas. A alta taxa de comorbidade de humor depressivo em casos de MA torna o açafrão uma escolha razoável para essa população.

Açafrão, ansiedade, esquizofrenia e transtorno obsessivo-compulsivo

Além de seus efeitos benéficos para o humor depressivo, o mal de Alzheimer e o TDAH, descobertas recentes em estudos com animais sugerem que o açafrão pode ter efeitos benéficos nos sintomas de ansiedade, psicose e transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Porém, até hoje, testes clínicos com humanos não investigaram a eficácia do açafrão em qualquer um desses transtornos. O mecanismo ou mecanismos pelo qual os componentes bioativos do açafrão mediam o combate à ansiedade, à psicose e à obsessão ainda não foram elucidados, mas podem envolver a modulação dos sistemas de neurotransmissão de GABA-A e NMDA.

Açafrão, antioxidantes e propriedades neuroprotetoras

As limitações dos tratamentos convencionais para doenças mentais estão estimulando pesquisas em uma variedade de tratamentos complementares e alternativos (CAM). Dentre outras modalidades não patológicas, o interesse no açafrão como um tratamento de transtornos neuropsiquiátricos tem aumentado nos últimos anos. Descobertas de pesquisas suportam que o açafrão tem efeitos antioxidantes e neuroprotetores significativos, além de ser um tratamento seguro e efetivo para o humor depressivo leve a moderado e o mal de Alzheimer leve a moderado. Um estudo recente sugere que o açafrão tem uma eficácia comparável a medicamentos estimulantes no tratamento de TDAH. Descobertas preliminares em estudos com animais sugerem que o açafrão pode ter eficácia significativa no combate à ansiedade, a ataques psicóticos e a surtos obsessivos. Estudos grandes, controlados por placebo e de longo prazo ainda são necessários para confirmar as descobertas acima e determinar as estratégias de dosagem ideais, bem como para investigar os usos apropriados do açafrão em combinação com outros produtos naturais e medicamentos psicotrópicos.

Referências:

  1. Akhondzadeh Basti A, Moshiri E, Noorbala A-A, Jamshidi A-H, Abbasi SH, Akhondzadeh S: Comparison of petal of Crocus sativus L. and fluoxetine in the treatment of depressed outpatients: A pilot double-blind randomized trial. Prog Neuropsychopharmacol Biol Psychiatry 31:439–442, 2007.
  2. Akhondzadeh S, Shafiee Sabet M, Harirchian MH, Togha M, Cheraghmakani H, Razeghi S, Hejazi SS, Yousefi MH, Alimardani R, Jamshidi AH, Zare F, Moradi A (2009) Saffron in the treatment of patients with mild to moderate Alzheimer’s disease: a 16-week, randomized and placebo controlled trial. J Clin Pharm Ther
  3. Akhondzadeh, S. et al, A22-week, multicenter, randomized, double-blind controlled trial of Crocus sativus in the treatment of mild-to-moderate Alzheimer’s disease, Psychopharmacology (2010) 207:637–643
  4. Barnes PM, Bloom B, Nahin RL. Complementary and alternative medicine use among adults and children: United States, 2007. Natl Health Stat Report 2008 Dec 10;(12):1-23.
  5. Baziar, S., Aqamolaei, A., Khadem, E., Mortazavi, S., Naderi, S. et al (2019) Crocus sativus L. Versus Methylphenidate in Treatment of Children with Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder: A Randomized, Double-Blind Pilot Study. J Child Adolesc Psychopharmacol. 29:3; 1-8.
  6. Berman SM, et al. Potential adverse effects of amphetamine treatment on brain and behavior: a review. Mol Psychiatry. 2009;14(2):123–42.
  7. Denys, D., de Haan, L., (2008) [25 years antipsychotics: back to the future?] [Article in Dutch] Tijdschr Psychiatr. 2008;50 Spec no.:105-9.
  8. Fernandez JA (2004) Biology, biotechnology and biomedicine of saffron. Recent Res Dev Plant Sci 2:127–159.
  9. Fournier JC, DeRubeis RJ, Hollon SD, et al. Antidepressant drug effects and depression severity: A patient-level meta-analysis. JAMA 2010 Jan 6;303(1):47-53.
  10. Georgiadou G, Tarantilis PA, Pitsikas N. Effects of the active constituents of Crocus Sativus L., crocins, in an animal model of obsessive-compulsive disorder. Neurosci Lett. 2012 Oct 18;528(1):27-30.
  11. Hartling L, Abu-Setta AM, Dursun S, Mousavi SS, Pasichnyk D, Newton AS. Antipsychotics in adults with schizophrenia: Comparative effectiveness of first-generation versus second-generation medications: A systematic review and meta-analysis. Ann Intern Med 2012 Oct 2;157(7):498-511.
  12. Herrmann N, Chau SA, Kircanski I, Lanctôt KL. (2011) Current and emerging drug treatment options for Alzheimer’s disease: A systematic review. Drugs 22;71(15):2031- 65.
  13. Kanchanatawan B, Tangwongchai S, Sughondhabhirom A, Suppapitiporn S, Hemrunrojn S, Carvalho AF, Maes M. Add-on Treatment with Curcumin Has Antidepressive Effects in Thai Patients with Major Depression: Results of a Randomized Double-Blind Placebo-Controlled Study. Neurotox Res. 2018 Apr;33(3):621-633.
  14. Kelley J. (2 March 2010) Antidepressants: Do they “work” or don’t they? [Internet]. New York, NY: Scientific American; 2010 Mar 2
  15. Kirsch I, Deacon BJ, Huedo-Medina TB, Scoboria A, Moore TJ, Johnson BT. (2008) Initial severity and antidepressant benefits: A meta-analysis of data submitted to the Food and Drug Administration. PLoS Med 5(2):e45.
  16. Lopresti AL, Drummond PD. Efficacy of curcumin, and a saffron/curcumin combination for the treatment of major depression: A randomised, double-blind, placebo-controlled study. J Affect Disord. 2017 Jan 1;207:188-196.
  17. Lopresti AL, Drummond PD. Saffron (Crocus sativus) for depression: a systematic review of clinical studies and examination of underlying antidepressant mechanisms of action. Hum Psychopharmacol. 2014 Nov;29(6):517-27.
  18. Lopresti AL, Maes M, Maker GL, Hood SD, Drummond PD. Curcumin for the treatment of major depression: a randomised, double-blind, placebo-controlled study. J Affect Disord. 2014;167:368-75.
  19. Negbi M (1999) Saffron cultivation: past, present and future prospects. In: Negbi M (ed) Saffron Crocus sativus L. Harwood, Amsterdam, pp 1–17.
  20. Newcorn JH, et al. The complexity of ADHD: diagnosis and treatment of the adult patient with comorbidities. CNS Spectr. 2007;12(8 Suppl 12):1–14.
  21. Papandreou MA, Kanakis CD, Polissiou MG, Efthimiopoulos S, Cordopatis P, Margarity M, Lamari FN (2006) Inhibitory activity on amyloid-beta aggregation and antioxidant properties of Crocus sativus stigmas extract and its crocin constituents. J Agric Food Chem 15:8762–8768
  22. Pitsikas N, Boultadakis A, Georgiadou G, Tarantilis PA, Sakellaridis N: Effects of the active constituents of Crocus sativus L., crocins, in an animal model of anxiety. Phytomedicine 15:1135–1139, 2008.
  23. Pitsikas N, Sakellaridis N: Crocus sativus L. extracts antagonize memory impairments in different behavioural tasks in the rat. Behav Brain Res 173:112–115, 2006.
  24. Pitsikas, N., Constituents of Saffron (Crocus sativus L.) as Potential Candidates for the Treatment of Anxiety Disorders and Schizophrenia Molecules. 2016 Mar; 21(3): 303.
  25. Rı´os JL, Recio MC, Giner RM, Ma´n˜ez S: An update review of saffron and its active constituents. Phytother Res 10:189–193, 1996.
  26. Schachter HM, et al. How efficacious and safe is short-acting methylphenidate for the treatment of attention-deficit disorder in children and adolescents? A meta-analysis. 2001;165(11):1475–88.
  27. Schmidt M, Betti G, Hensel A (2007) Saffron in phytotherapy: pharmacology and clinical uses. Wien Med Wochenschr 157:315–319
  28. Srivastava R, Ahmed H, Dixit RK, Dharamveer, Saraf SA: Crocus sativus L.: A comprehensive review. Pharmacogn Rev 4:200–208, 2010.
  29. Stafford MR, Mayo-Wilson E, Loucas CE, et al. 2015 Efficacy and safety of pharmacological and psychological interventions for the treatment of psychosis and schizophrenia in children, adolescents and young adults: A systematic review and meta-analysis. PloS One Feb 11;10(2):e0117166.
  30. Thase ME. STEP-BD and bipolar depression: What have we learned? Curr Psychiatry Rep 2007 Dec;9(6):497-503.
  31. Tóth B, Hegyi P, Lantos T, Szakács Z, Kerémi B, Varga G, Tenk J, Pétervári E, Balaskó M, Rumbus Z, Rakonczay Z, Bálint ER, Kiss T, Csupor D. The Efficacy of Saffron in the Treatment of Mild to Moderate Depression: A Meta-analysis. Planta Med. 2019 Jan;85(1):24-31.
  32. Velligan DI, Weiden PJ, Sajatovic M, et al; Expert Consensus Panel on Adherence Problems in Serious and Persistent Mental Illness. The expert consensus guideline series: Adherence problems in patients with serious and persistent mental illness. J Clin Psychiatry 2009;70 Suppl 4:1-46.
  33. Wang et al (2010) Antidepressant properties of bioactive fractions from the extract of Crocus sativus L. J Nat Med (2010) 64:24–30.
  34. Wang Y, Han T, Zhu Y, Zheng CJ, Ming QL, Rahman K, Qin LP: Antidepressant properties of bioactive fractions from the extract of Crocus sativus L. J Nat Med 64:24–30, 2010.
  35. Xuabin N (1992) Research progresses on the saffron crocus (Crocus sativus). Zhongcaoyao 23:100–107.

Artigos Relacionados

Ver tudo

Bem-estar

Ritual Saudável para Crianças na Hora de Dormir

Bem-estar

5 deficiências minerais comuns

Bem-estar

Resete seu relógio biológico para as mudanças da estação