beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements

As 9 Melhores Ervas da Medicina Tradicional Chinesa

Por Eric Madrid, MD 

Neste artigo:


A Medicina Tradicional Chinesa (MTC) é um ofício terapêutico ancestral. Acredita-se que ela tenha mais de 3.500 anos de existência. Pessoas que praticam a MTC usam técnicas para o corpo e para a mente de modo a tentar restaurar o equilíbrio da energia do Qi (também chamado de "força vital") na mente, corpo e espírito, de modo a melhorar a saúde e bem-estar de modo geral. Dentro da MTC, acredita-se que os desequilíbrios e doenças ocorrem em nossas vidas por causa de perturbações nas energias yin e yang, que são as forças complementares da natureza.

Modalidades de cura usadas por profissionais da MTC incluem a acupuntura, ventosaterapia, massagens, gua sha, e tai chi. A terapia com ervas, que também e central para a MTC, será o foco deste artigo. 

As ervas podem ser consumidas adicionadas aos alimentos, na forma de pó ou chá. Hoje em dia, a qualidade é essencial ao escolher um chá ou suplemento de ervas, bem como certificar-se de que eles vêm de uma empresa confiável que realiza controles de qualidade adequados. 

Veja a Seguir as 9 Melhores Ervas da Medicina Tradicional Chinesa.

‌‌‌‌Astragalus (Huang Qi), Reforço Imunológico e Muito Mais

O Astragalus é uma  erva popular, e acredita-se que seja benéfica para aumentar a longevidade.. Seus componentes principais são os flavonoides, saponinas e polissacarídeos, que fornecem ao Astragalus suas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Algumas pessoas acreditam que1 ele também possa reduzir o colesterol, a glicose sanguínea e que tem efeito protetor sobre o fígado. 

Além disso, acredita-se que o  Astragalus seja capaz de fornecer os seguintes benefícios para a saúde:

  • Proteção do cérebro2
  • Proteção antioxidante
  • Reforço da imunidade
  • Efeitos antienvelhecimento
  • Apoio à saúde vascular3

Disponível na forma de suplemento, pó, extrato ou chá. Dose sugerida: conforme indicado no rótulo.

‌‌‌‌A Canela e a Glicose Sanguínea

canela é um tempero culinário muito comum no mundo todo, e também é popular na MTC. Na última década, o interesse na canela se renovou, devido à sua habilidade de regular os níveis de glicose no sangue tanto em pré-diabéticos quanto em diabéticos. Além disso, ela apresenta propriedades antibacterianas. 

Um estudo de 20134 concluiu que "O consumo de canela é associado a uma diminuição estatisticamente significativa nos níveis de glicose plasmática em jejum, colesterol total, LDL (o colesterol ruim) e níveis de triglicerídeos e um aumento nos níveis de HDL (colesterol bom). Porém, não foram encontrados efeitos significativos sobre a hemoglobina A1C…”. 

Um estudo de meta-análise de 2016 5 também mostrou efeitos benéficos. Neste estudo, os pacientes continuaram tomando seus medicamentos para diabetes mas também adicionaram suplementos de canela. Os pesquisadores concluíram que os suplementos de canela (quando tomados em conjunto com o tratamento padrão para diabetes e outras terapias focadas no estilo de vida) tiveram efeitos modestos sobre a redução da glicose sanguínea em jejum e da hemoglobina A1c. 

Por último, um estudo de 20206 mostrou que a  canela também apresenta ação contra bactérias orais nocivas e pode ter um papel na saúde dos dentes. 

Disponível na forma de suplemento, pó, extrato ou chá. Dose sugerida: conforme recomendado no rótulo ou adicionar na comida a gosto.

‌‌‌‌Ginkgo Biloba e a Saúde do Cérebro

Ginkgo Biloba é uma das ervas mais estudadas e acredita-se que ele ajude a impulsionar o cérebro. Desde 2008, mais de 2000 estudos científicos foram publicados, e alguns mostram que o Ginkgo biloba é um antioxidante potente, com benefícios vasculares. Além disso, o ginkgo pode impedir a agregação de plaquetas. 

O ginkgo é considerado um “fóssil vivo” por algumas pessoas, e tem sido encontrado em camadas de rochas datadas de 270 milhões de anos. Nativa da China, essa planta é um remédio favorito na MTC, geralmente tomada por pessoas com problemas de memória (incluindo doença de Alzheimer), para ajudar a melhorar a clareza mental. 

Um estudo de 2014 na Phytomedicine concluiu que o Ginkgo biloba pode ajudar a melhorar a memória em pessoas fazendo o tratamento convencional para a doença de Alzheimer. Um estudo subsequente de 2016 na Current Topics in Medicinal Chemistry7 concluiu que o, “Ginkgo biloba é potencialmente benéfico para a melhora do funcionamento cognitivo, das atividades diárias, e parâmetros clínicos gerais em pacientes com problemas cognitivos leves ou doença de Alzheimer.” 

Um estudo de 20208 também mostrou que o ginkgo pode ajudar a combater a gordura no fígado, uma condição que está se tornando mais comum à medida que a população mundial fica mais pesada. 

Alguns profissionais de saúde se perguntam se o Ginkgo biloba pode aumentar o risco de sangramentos. Porém, um estudo de 2011 na Pharmacotherapy9, que avaliou 18 estudos incluindo quase 1900 adultos, mostrou que não havia aumento no risco de sangramentos. O Ginkgo geralmente é considerado seguro.

Dose sugerida: conforme indicado no rótulo.

‌‌‌‌As Propriedades Bioativas do Gengibre

O nome científico do gengibre é Zingiber officinale, enquanto seus rizomas são conhecidos como Rhyzomus zingiberus. Originalmente proveniente do sudeste asiático e parente do açafrão e cardamomo, o gengibre é uma planta florida com propriedades bioativas.

Os ingredientes ativos do gengibre são o gingerol e o shogaol.10 O gengibre cru contém a concentração mais alta destas moléculas, mas muitas pessoas acham que o gengibre cru não tem um bom sabor. Como resultado disso, suplementos e chás são alternativas populares.

O gengibre pode auxiliar nos seguintes casos: 

  • Náuseas e vômitos 
  • Enjoo matinal
  • Infecções intestinais e diarreias em viagens
  • Infecções do trato respiratório superior
  • Artrite
  • Diabetes

O gengibre é frequentemente consumido na forma de alimento, suplemento, óleo essencial ou chá. Ele tem um papel importante na saúde de milhares de pessoas ao redor do mundo. Dose sugerida: 2500 a 4000 mg por dia.

‌‌O ‌‌Ginseng (Ren Shen), Reforço Imune e Muito Mais

O Panax ginseng é tomado para ajudar com diversas condições de saúde. A planta é originária da Coreia, e tem sido usada por cerca de 2000 anos. Também presente em regiões da China e Sibéria, o Panax ginseng é único — ele não deve ser confundido com outros tipos de ginseng, como o ginseng americano (Panax quinquefolius) ou ginseng siberiano (Eleutherococcus senticosus). O Panax ginseng também é conhecido como ginseng coreano, ginseng chinês ou ginseng asiático. 

Os ingredientes ativos no Panax são conhecidos como ginsenosídeos. No total, mais de 40 tipos de ginsenosídeos já foram identificados. De acordo com um estudo de 201511, o Panax ginseng tem um perfil geral bem seguro. 

O tempo de tratamento depende de alguns fatores. Embora existam muitos benefícios no consumo de Panax ginseng, os que são mais embasados por pesquisas incluem: 

  • Reforço do Sistema Imune
  • Redução das queixas e irregularidades menstruais12
  • Ajuda a reduzir a sensação de dedos gelados nas mãos e nos pés13
  • Saúde cardiovascular
  • Saúde neurológica e melhora no funcionamento cognitivo14
  • Controle do peso
  • Melhora da fadiga15
  • Ossos mais fortes16

O Panax ginseng está disponível na forma de comprimido, líquido, pó ou chá. Dose sugerida: conforme indicado no rótulo. 

‌‌A‌‌ Gotu Kola é Rica em Antioxidantes

A Gotu kola (também conhecida como Centella asiatica ou Centelha asiática) é uma planta de folhas verdes comumente consumida na Ásia. Parente da cenoura, salsa e aipo, esta erva é rica em antioxidantes, bem como vitaminas B e C. A Gotu kola é usada na medicina tradicional para ferimentos e para ajudar a promover a lactação. Ela tem sido chamada de “erva da iluminação,”17, e seu uso foi descrito há milhares de anos nos textos médicos ancestrais aiurvédicos e daoístas.

De acordo com um estudo de 2014 no Journal of Alzheimer’s Disease18, os ácidos cafeoilquínicos - o ingrediente principal encontrado na gotu kola — podem ajudar a proteger o cérebro contra depósitos amilóides, que acredita-se serem a causa da doença de Alzheimer. 

Além disso, um estudo de 2017 na Neuroscience Letter19 também mostrou que o ingrediente ativo na Gotu kola reforça os nervos do cérebro e ajuda a preservar a memória. Depois disso, um estudo duplo-cego randomizado e controlado20 também mostrou que a  Gotu kola poderia ajudar com sintomas relacionados à ansiedade.

Disponível em forma de pó, suplemento, chá ou extrato. Dose sugerida: conforme indicado no rótulo.

‌‌‌‌O Alcaçuz (Gan Cao) e Úlceras Estomacais

Quando a maioria das pessoas pensa em alcaçuz, a bala (e não a erva) vem em mente. Porém, a raiz de alcaçuz tem funções importantes na Medicina Tradicional Chinesa. Conhecido na China como “gancao,” que significa "capim doce", tem sido usado desde 2100 a.C. e foi primeiramente descrito no Livro Clássico da Matéria Médica escrito por Shennong21

O alcaçuz é frequentemente utilizado por pessoas com fadiga adrenal. Seus ingredientes ativos incluem a glicirrizina e a genisteína. Devido ao potencial que a glicirrizina apresenta de elevar a pressão arterial e baixar os níveis de potássio, a maioria dos suplementos utiliza a forma  DGL (Alcaçuz Desglicirrizado) que não apresenta os efeitos colaterais associados e é considerado mais seguro para consumo, já que remove uma quantidade considerável de glicirrizina. 

Um estudo de 196822 demonstrou a habilidade deste remédio natural em ajudar a curar úlceras estomacais e intestinais. Um estudo de 1978 23 no British Medical Journal mostrou que ele também pode ajudar na prevenção de úlceras estomacais, enquanto um estudo de 2012 mostrou que24 pode aliviar desconfortos estomacais.

Por último, um estudo de 201325 mostrou que o alcaçuz pode ajudar a equilibrar os hormônios em mulheres que apresentavam sintomas relacionados à menopausa

Disponível na forma de suplemento, pó e chá. Dose sugerida: raiz de alcaçuz conforme indicado no rótulo.

‌‌O Arroz Fermentado Vermelho e o Colesterol

O Arroz Fermentado Vermelho (AFV) tem sido usado por cerca de 2300 anos. Originário da China, tem sido usado como corante alimentar e como erva medicinal. Por volta do ano 800 d.C. na China, era usado de maneira interna para "revigorar o corpo, ajudar na digestão e revitalizar o sangue"26. O AFV também tem sido usado na Medicina Tradicional Chinesa para auxiliar o baço, eliminar o muco e melhorar a circulação sanguínea27

O AFV é feito através da fermentação do arroz com uma espécie de levedura conhecida como Monascus purpeus, e contém substâncias chamadas monacolinas. Estes compostos inibem a produção de uma enzima chamada "HMG-CoA redutase", que quando bloqueada faz com que o corpo pare de produzir colesterol. Isso é similar ao que o medicamento estatina faz. 

Porém, nem todo mundo pode tomar estatinas devido aos efeitos colaterais. Um estudo de 2009 no Annals of Internal Medicine28 avaliou pacientes que não toleravam estatinas devido a dores musculares, um efeito colateral comum. Os resultados mostraram que o arroz vermelho fermentado consegue baixar eficientemente o LDL (colesterol ruim). No mesmo ano, outro estudo no American Journal of Cardiology29  mostrou que 92 por cento dos participantes que não toleravam estatinas devido aos efeitos colaterais apresentaram resultados positivos com o AVF e redução do colesterol.

Um estudo de 200830 mostrou que quando o AVF é combinado a mudanças de estilo de vida e suplementos de ácidos graxos ômega-3, pode ajudar a baixar o colesterol ruim em até 42 por cento - um resultado similar a medicamentos como o Lipitor.

Para deixar claro, as pessoas que mais podem se beneficiar dos efeitos de redução do colesterol do  AVF são aquelas com baixo risco cardíaco (não-fumantes, não-diabéticos) e pessoas sem históricos de ataques cardíacos, stents coronarianos ou derrames. 

Consulte seu médico antes de experimentar alternativas caso tenha sido orientado a tomar estatinas. Estudos demonstraram claramente que as estatinas podem ser benéficas para pessoas com risco moderado para doenças cardiovasculares.

‌‌‌Os Benefícios Anti-inflamatórios da Cúrcuma

A cúrcuma, também conhecida como Curcuma longa e açafrão-da-terra, é uma raiz da família do gengibre. Ela geralmente é consumida por causa de suas propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes e que beneficiam a saúde digestiva. Acredita-se que a curcumina, o principal ingrediente ativo encontrado na cúrcuma, forneça muitos dos seus benefícios para a saúde. 

Nos últimos anos, tenho recomendado a cúrcuma para pacientes como uma abordagem inicial para a artrite. Os resultados têm se mostrado ótimos. Muitos pacientes reportaram que são capazes de reduzir a necessidade de usar anti-inflamatórios não esteroidais (ex: ibuprofeno, naproxeno) e em alguns casos, medicamentos opioides. 

O uso da cúrcuma ou “jiang huang” na Medicina Tradicional Chinesa é baseado em seu aparente efeito de mover o "qi" ou energia vital da pessoa. A cúrcuma também é usada nas seguintes condições de saúde:

  • Artrite
  • Aterosclerose e doenças do coração
  • Demência, incluindo a doença de Alzheimer
  • Diabetes
  • Hipertensão
  • Úlceras estomacais causadas pela bactéria H. pylori31
  • Prevenção de pedras na vesícula32
  • Ajuda a remover o mercúrio do corpo33

Disponível em forma de cápsula, pó e chá. Dose sugerida: de 500 a 2000 mg por dia.

Referências:

  1. Liu P, Zhao H, Luo Y. Anti-Aging Implications of Astragalus Membranaceus (Huangqi): A Well-Known Chinese Tonic. Aging Dis. 2017;8(6):868-886. Published 2017 Dec 1. doi:10.14336/AD.2017.0816
  2. Li WZ, Wu WY, Huang DK, Yin YY, Kan HW, Wang X, et al. (2012). Protective effects of astragalosides on dexamethasone and Abeta25-35 induced learning and memory impairments due to decrease amyloid precursor protein expression in 12-month male rats. Food Chem Toxicol, 50: 1883-1890. 
  3. Astragalosides promote angiogenesis via vascular endothelial growth factor and basic fibroblast growth factor in a rat model of myocardial infarction. Yu JM, Zhang XB, Jiang W, Wang HD, Zhang YN
  4. Mol Med Rep. 2015 Nov; 12(5):6718-26. 
  5. Allen RW, Schwartzman E, Baker WL, Coleman CI, Phung OJ. Cinnamon use in type 2 diabetes: an updated systematic review and meta-analysis. Ann Fam Med. 2013;11(5):452-9. 
  6. Costello RB, Dwyer JT, Saldanha L, Bailey RL, Merkel J, Wambogo E. Do Cinnamon Supplements Have a Role in Glycemic Control in Type 2 Diabetes? A Narrative Review. J Acad Nutr Diet. 2016;116(11):1794-1802. 
  7. Yanakiev S. Effects of Cinnamon (Cinnamomum spp.) in Dentistry: A Review. Molecules. 2020 Sep 12;25(18):E4184. doi: 10.3390/molecules25184184. PMID: 32932678. 
  8. Curr Top Med Chem. 2016;16(5):520-8. 
  9. Yang Y, Chen J, Gao Q, Shan X, Wang J, Lv Z. Study on the attenuated effect of Ginkgolide B on ferroptosis in high fat diet induced nonalcoholic fatty liver disease. Toxicology. 2020 Sep 22:152599. doi: 10.1016/j.tox.2020.152599. Epub ahead of print. PMID: 32976958. 
  10. Pharmacotherapy. 2011 May;31(5):490-502. doi: 10.1592/phco.31.5.490. 
  11. Semwal, Ruchi Badoni, et al. “Gingerols and Shogaols: Important Nutraceutical Principles from Ginger.” Phytochemistry, vol. 117, 2015, pp. 554–568., doi:10.1016/j.phytochem.2015.07.012. 
  12. Kim Y-S, Woo J-Y, Han C-K, Chang I-M. Safety Analysis of Panax Ginseng in Randomized Clinical Trials: A Systematic Review. Adams JD, ed. Medicines. 2015;2(2):106-126. doi:10.3390/medicines2020106. 
  13. Yang M, Lee H-S, Hwang M-W, Jin M. Effects of Korean red ginseng (Panax Ginseng Meyer) on bisphenol A exposure and gynecologic complaints: single blind, randomized clinical trial of efficacy and safety. BMC Complementary and Alternative Medicine. 2014;14:265. doi:10.1186/1472-6882-14-265.
  14. J Ethnopharmacol. 2014 Dec 2;158 Pt A:25-32. doi: 10.1016/j.jep.2014.09.028. Epub 2014 Oct 8. 
  15. Lho SK, Kim TH, Kwak KP, et al. Effects of lifetime cumulative ginseng intake on cognitive function in late life. Alzheimer’s Research & Therapy. 2018;10:50. doi:10.1186/s13195-018-0380-0. 
  16. Tode T, Kikuchi Y, Hirata J, Kita T, Nakata H, Nagata I. Effect of Korean red ginseng on psychological functions in patients with severe climacteric syndromes. International Journal of Gynaecology Obstetrics. 1999;67:169–74
  17. Siddiqi MH, Siddiqi MZ, Ahn S, et al. Ginseng saponins and the treatment of osteoporosis: mini literature review. Journal of Ginseng Research. 2013;37(3):261-268. doi:10.5142/jgr.2013.37.261. 
  18.  Herb of Enlightenment , accessed March 31, 2018 http://herbscoop.com/herbs-for-health/amazing-benefits-gotu-kola-enlightenment-herb/
  19.  Gray, N. E., Morré, J., Kelley, J., Maier, C. S., Stevens, J. F., Quinn, J. F., & Soumyanath, A. (2014). Caffeoylquinic acids in Centella asiatica protect against β-amyloid toxicity. Journal of Alzheimer’s Disease : JAD, 40(2), 359–373. http://doi.org/10.3233/JAD-131913
  20. Neuroscience Letter. 2017 Apr 12;646:24-29. doi: 10.1016/j.neulet.2017.02.072. Epub 2017 Mar 6. 
  21. Bradwejn J, Zhou Y, Koszycki D, Shlik J. A double-blind, placebo-controlled study on the effects of Gotu Kola (Centella asiatica) on acoustic startle response in healthy subjects. J Clin Psychopharmacol. 2000 Dec;20(6):680-4. doi: 10.1097/00004714-200012000-00015. PMID: 11106141. 
  22. Wang L, Yang R, Yuan B, Liu Y, Liu C. The antiviral and antimicrobial activities of licorice, a widely-used Chinese herb. Acta Pharmaceutica Sinica B. 2015;5(4):310-315. doi:10.1016/j.apsb.2015.05.005. 
  23.  Tewari SN, Trembalowicz FC. Some experience with deglycyrrhizinated liquorice in the treatment of gastric and duodenal ulcers with special reference to its spasmolytic effect. Gut. 1968;9(1):48-51. 
  24.  Hollanders D, Green G, Woolf IL, et al. Prophylaxis with deglycyrrhizinised liquorice in patients with healed gastric ulcer. British Medical Journal. 1978;1(6106):148. 
  25.  Raveendra KR, Jayachandra, Srinivasa V, et al. An Extract of Glycyrrhiza glabra (GutGard) Alleviates Symptoms of Functional Dyspepsia: A Randomized, Double-Blind, Placebo-Controlled Study. Evidence-based Complementary and Alternative Medicine : eCAM. 2012;2012:216970. doi:10.1155/2012/216970. 
  26.  Hajirahimkhan A, Simmler C, Yuan Y, et al. Evaluation of Estrogenic Activity of Licorice Species in Comparison with Hops Used in Botanicals for Menopausal Symptoms. Ahmad A, ed. PLoS ONE. 2013;8(7):e67947. doi:10.1371/journal.pone.0067947. 
  27.  https://en.wikipedia.org/wiki/Red_yeast_rice#cite_ref-4
  28. https://www.drugs.com/npp/red-yeast-rice.html
  29.  Ann Intern Med. 2009 Jun 16;150(12):830-9, W147-9. 
  30.  Lipid-Lowering Efficacy of Red Yeast Rice in a Population Intolerant to Statins Venero, Carmelo V. et al. American Journal of Cardiology , Volume 105 , Issue 5 , 664 - 666
  31.  Simvastatin vs Therapeutic Lifestyle Changes and Supplements: Randomized Primary Prevention Trial Becker, David J. et al. Mayo Clinic Proceedings , Volume 83 , Issue 7 , 758 - 764
  32. Sarkar A, De R, Mukhopadhyay AK. Curcumin as a potential therapeutic candidate for Helicobacter pylori associated diseases. World Journal of Gastroenterology. 2016;22(9):2736-2748. doi:10.3748/wjg.v22.i9.2736. 
  33.  Li Y, Li M, Wu S, Tian Y. Combination of curcumin and piperine prevents formation of gallstones in C57BL6 mice fed on lithogenic diet: whether NPC1L1/SREBP2 participates in this process? Lipids in Health and Disease. 2015;14:100. doi:10.1186/s12944-015-0106-2. 
  34.  J Appl Toxicol. 2010 Jul;30(5):457-68. doi: 10.1002/jat.1517. 

Artigos Relacionados

Ver tudo

Bem-estar

O Que é o Ácido Ascórbico (Vitamina C)? Benefícios, suplementos e muito mais

Bem-estar

Não gosta do sabor do vinagre de sidra de maçã? Veja 6 motivos para experimentar suplementos desse p

Bem-estar

Os Poderosos Benefícios Antivirais e Imunes da Baga de Sabugueiro