header_search header_signed-out header_signed-in header_cart sharefilled circlex circleexclamation iherbleaf
checkoutarrow
BR
O produto foi adicionado ao carrinho
Total:
Desconto:
Junto:
Quantidade:
Cart Total:
Finalizar
Clientes também compraram:
Ajuda 24 horas
beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements
Bem-estar

Benefícios da Cúrcuma, Uma Especiaria Anti-Inflamatória

1 Novembro 2017

por Eric Madrid, Médico

Como você pode melhorar a sua saúde? A resposta pode ser uma especiaria que está na sua despensa! A cúrcuma, também conhecida pelo seu nome científico, Curcuma longa ou como açafrão-da-terra, é uma planta utilizada por sua raiz, da família do gengibre, frequentemente consumida por suas propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes e digestivas. Acredita-se que a curcumina, uma substância química encontrada na cúrcuma, forneça muitos dos benefícios para a saúde. Embora muitas pessoas venham utilizando a cúrcuma nos últimos 4.000 anos como uma especiaria para realçar a comida, ela tem desempenhado um papel importante também na medicina! Hoje em dia, o seu uso continua sendo investigado como uma alternativa ao tratamento de muitas doenças comuns, ferimentos e doenças crônicas.

Ao longo dos últimos anos, eu venho recomendando a cúrcuma aos pacientes como uma primeira abordagem à inflamação das juntas, também conhecida como artrite. Os resultados têm sido excelentes. Muitos pacientes me relataram que têm conseguido reduzir sua necessidade de anti-inflamatórios não esteroides, e, em alguns casos, medicamentos narcóticos.  

A História da Cúrcuma

Na cultura indiana, os praticantes da antiga medicina ayurvédica recomendavam ervas e minerais como fontes de cura medicinal. A cúrcuma em pasta era aplicada sobre a pele para tratar diversas condições. Também era inalada em forma de vapor para tratar a congestão respiratória. Embora estudos clínicos sobre o uso da cúrcuma para esses fins sejam limitados, os praticantes modernos da Ayurveda ainda reconhecem que, ao longo dos últimos 3.000 anos, a cúrcuma forneceu um alívio sintomático de forma empírica e ainda continua a fazê-lo.

O uso da cúrcuma ou jiang huang na medicina tradicional chinesa envolvia a percepção de seu efeito, que seria capaz de mover o "qi" ou a energia vital de uma pessoa. Além disso, as pessoas acreditavam que a cúrcuma melhorava o fluxo sanguíneo, aliviava a dor abdominal e ajudava a restaurar o ciclo menstrual feminino, um termo que os médicos chamam de amenorreia. Embora o seu mecanismo de ação nesses casos ainda não tenha sido revelado, a tradição de usar cúrcuma para esses fins persiste.

Medicina Convencional

Recentemente, o uso da cúrcuma como uma abordagem integradora no tratamento de problemas médicos ganhou mais popularidade. Seu uso tem sido recomendado por muitos médicos de renome. Uma alegação é que beber chá de cúrcuma ajuda a reduzir o estresse e a acalmar a mente. Um outro médico que apresenta um popular programa de televisão americano sugere que o consumo da cúrcuma pode ajudar a aliviar a dor causada pelos efeitos inflamatórios da osteoartrite e pode ser importante para a saúde intestinal, pois pode aliviar os sintomas abdominais causadas pelo refluxo ácido.

Como Funciona a Cúrcuma?  

Embora já se saiba que o ingrediente ativo na cúrcuma é a curcumina, o seu mecanismo de ação exato ainda precisa ser esclarecido. No entanto, parece que a cúrcuma tem vários mecanismos de ação, o que explicaria por que ela tem sido usada para tantos problemas médicos diferentes há tanto tempo.

Condições as quais a Curcumina (Cúrcuma) pode ajudar

Artrite

A artrite é uma doença que tem afetado os seres humanos desde o início dos tempos. Em todo o mundo, mais de 250 milhões de pessoas são afetadas. Antes do advento dos produtos farmacêuticos modernos, as pessoas acometidas não sofriam infinitamente de dor: elas utilizavam ervas e alimentos orgânicos da natureza para ajudar a amenizar as dores e os desconfortos. Hoje, à medida que mais pessoas vão se preocupando com os efeitos colaterais dos medicamentos controlados, muitas estão procurando alternativas mais seguras.

A artrite vem do grego arthron, que significa articulação, e do latim itis, que significa inflamação. Portanto, artrite literalmente significa "inflamação da articulação". Os tipos mais comuns de artrite são a osteoartrite (~95%) e a artrite reumatoide (~5%).

Estudos constatam que a cúrcuma é útil na redução da dor tanto da artrite reumatoide quanto da osteoartrite. Os cientistas descobriram que a cúrcuma pode reduzir a inflamação de maneira semelhante a vários medicamentos controlados que são campeões de vendas. Essa erva é capaz de modificar a sinalização do NF-κB e reduzir as citocinas pró-inflamatórias, que podem levar a pessoa a sentir a dor da artrite. Os médicos chamam essas substâncias químicas de COX-2 e 5-LOX.

Um levantamento de dados em 2017 em Tucson, no Arizona, revelou que em pacientes com artrite reumatoide que faziam um controle próprio de terapias adicionais, além de suas medicações controladas típicas, a cúrcuma era a terapia herbácea mais comum, devido às suas propriedades anti-inflamatórias.

Além de os suplementos de curcumina serem úteis para a dor da artrite, saiba mais sobre outros tratamentos naturais da artrite.

Antioxidante

O dano oxidativo é o principal processo pelo qual o nosso corpo envelhece e é enfim danificado. Exemplos de oxidação incluem o escurecimento de uma maçã ou de um abacate deixado exposto ao ar sobre a pia da cozinha. A ferrugem em um para-choques de aço quando exposto ao mau tempo também é um exemplo de oxidação. O dano oxidativo pode ser causado pelo sol, pelo ar, por açúcar, por alimentos processados e por produtos químicos tóxicos. Frutas e legumes, que têm uma concentração elevada de fitoquímicos (substâncias químicas vegetais), fornecem antioxidantes que ajudam a proteger o organismo.

A cúrcuma também é um potente antioxidante, consumida como especiaria na dieta ou tomada como suplemento de curcumina. Acredita-se que o dano oxidativo geralmente desempenha um papel no aparecimento do câncer e da doença cardíaca. A cúrcuma pode ajudar a evitar a oxidação, de acordo com um relatório de 2016 do periódico Diseases.

Câncer

Há cem anos, o câncer era raro nos Estados Unidos, na Rússia, no Japão e na China. No entanto, o câncer é hoje uma das principais causas de morte em todo o mundo.  

Na virada do século XX, três por cento da população dos Estados Unidos sofria de câncer. Em 1950, 20 por cento da população americana tinha desenvolvido câncer. Em 2000, 38 por cento da população tinha câncer. Os médicos preveem que, até 2020, 50 por cento, ou 1 em 2 pessoas, serão diagnosticadas com câncer em algum momento da vida.  Uma alimentação deficiente e falta de exercício são os fatores que mais contribuem, enquanto que as toxinas ambientais, que causam a ocorrência de oxidação, também tem participação nisso. É fundamental desintoxicar o organismo.  Os cientistas ainda estão buscando outras maneiras de ajudar a reduzir o risco do desenvolvimento de câncer.

De acordo com alguns estudos preliminares, a curcumina parece ter propriedades anticancerígenas.  Um estudo piloto realizado em laboratório com células cancerosas retiradas do cérebro, do intestino grosso, da próstata e do sangue sugere que a curcumina pode interromper o crescimento das células cancerosas. Um estudo de 2013 mostrou que a curcumina realmente inibe o câncer, por meio de muitas vias bioquímicas. Com esses diversos mecanismos, o potencial da curcumina na área do tratamento do câncer provavelmente levará a muitas possibilidades no futuro.  Neste momento, os dados ainda são preliminares, e a suplementação com curcumina nunca deverá substituir qualquer tratamento de câncer aconselhado por um médico.

Nas pessoas que se submetem ao tratamento convencional do câncer, um efeito colateral comum são as feridas na boca. Um estudo de 2015 concluiu que a curcumina teve um desempenho melhor do que o colutório habitual prescrito normalmente para as pessoas que têm feridas relacionadas com o tratamento por radiação e quimioterapia.

Doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer é um distúrbio cerebral que geralmente afeta idosos. A doença recebeu esse nome em homenagem ao Dr. Aloysium Alzheimer (1864-1915), o “Alois”, um psiquiatra que em 1906 diagnosticou demência em uma mulher que havia morrido de uma estranha doença mental. Ele então publicou suas conclusões em um periódico médico. Em 1912, essa forma de demência foi denominada de doença de Alzheimer.

Quando se trata da saúde do cérebro, o Dr. Dale Bredersen, da UCLA e autor do livro The End of Alzheimer’s, de 2017, considera a cúrcuma uma parte importante da melhoria dos sintomas da demência e da doença de Alzheimer. Muitos estudos científicos comprovam a sua utilidade. Um estudo científico mostrou que a cúrcuma pode desempenhar um papel importante na redução do acúmulo de placa amiloide no cérebro. Acredita-se que o acúmulo desse material no cérebro seja a causa da doença de Alzheimer. Um estudo de 2017 publicado no Journal of Alzheimer’s Disease concluiu que a cúrcuma também poderia desempenhar um papel importante na prevenção da perda de memória. Há muito entusiasmo em torno do possível papel da cúrcuma na prevenção do leve comprometimento cognitivo e, em última instância, da doença de Alzheimer. A cúrcuma deve ser levada em consideração como um suplemento indispensável para qualquer pessoa que queira otimizar a memória.

Asma

A asma é uma condição respiratória comum entre crianças e adultos. Os médicos a definem como uma doença obstrutiva crônica reversível das vias respiratórias, que responde à terapia medicamentosa com albuterol.  Felizmente, se a causa for determinada e a condição for diagnosticada corretamente, a asma pode ser tratada com sucesso. Apesar da nossa capacidade de controlar os sintomas da asma, também é muito importante prevenir os ataques. A curcumina parece desempenhar um papel importante.

Um estudo de 2010 demonstrou um melhor controle da asma brônquica com o uso da cúrcuma quando era consumida com Boswellia serrata e raiz de alcaçuz. Os resultados mostraram uma maior prevenção da produção de muco e da dilatação excessivas associadas à asma, reduzindo a inflamação e aumentando as propriedades antioxidantes.

Um estudo de 2014 publicado no Journal of Clinical and Diagnostic Research também concluiu que a cúrcuma, quando ingerida por via oral, poderia ajudar a melhorar a função pulmonar em pacientes com asma.

Outras condições com as quais a cúrcuma pode ajudar, segundo estudos, incluem:

  • Colite ulcerativa (inflamação do cólon);
  • Líquen plano bucal;  
  • Diabetes;
  • Hipertensão arterial;
  • Úlceras gástricas causadas pela bactéria H. pylori;
  • Indigestão;
  • Prevenção de cálculos biliares;
  • Infecções bacterianas;
  • Uveíte (inflamação ocular);
  • Aterosclerose e doença cardíaca;
  • Ajuda a eliminar o mercúrio do corpo.

Com o avanço da Internet, cada vez mais pessoas têm acesso a informações e parecem estar abertas a tratamentos que podem utilizar em conjunto com a medicina ocidental tradicional.  

É segura?

Um estudo de toxicidade da cúrcuma com animais mostrou que não houve efeitos negativos na saúde quando foi administrada a ratos, porquinhos-da-índia e macacos adultos durante três semanas. Justificam-se mais investigações sobre a segurança do consumo da cúrcuma à medida que ela continua ganhando a atenção generalizada como uma forma de medicamento. É importante lembrar que, ao experimentar produtos novos pela primeira vez, há sempre a possibilidade de descobrir que você tem uma alergia ou uma sensibilidade alimentar.

Além disso, é preciso consultar o seu médico antes de experimentar qualquer suplemento novo, visto que o efeito da cúrcuma depende da condição médica de cada indivíduo. Devido ao potencial de interagir com os seus medicamentos atuais ou de interferir com os seus outros objetivos médicos, pedimos que você fale antes com o seu médico a fim de determinar se o consumo da cúrcuma ou de seu derivado, a curcumina, é a opção ideal para você. São possíveis as seguintes interações medicamentosas:

  • A cúrcuma e os medicamentos para a diabetes podem resultar em um maior risco de hipoglicemia, ou seja, um nível baixo de glicose sanguínea. Em outras palavras, a cúrcuma pode reduzir a necessidade de medicamentos para diabéticos;
  • A cúrcuma pode interagir com os anticoagulantes.  Quando a cúrcuma e fármacos como o clopidogrel (Plavix) ou varfarina (Coumadin) são combinados, pode haver um pequeno aumento do risco de sangramento.  Consulte o seu médico antes de tomá-los juntos.

Doses Recomendadas

Muitas pessoas consomem a cúrcuma em forma de chá, em forma de pó para algumas condições da pele, e também em forma de cápsula. Os suplementos de cúrcuma/açafrão-da-terra são geralmente tomados em doses de 500 mg por dia ou 500 mg até três vezes por dia.

Durante milhares de anos, as pessoas vêm usando a cúrcuma como um remédio natural para os problemas de saúde, e, como indicam a história e as pesquisas, é muito possível que essa erva tenha propriedades anti-inflamatórias, anticancerígenas e antioxidantes. É essencial consumir uma dieta bem equilibrada e praticar exercícios físicos para melhorar muitos problemas de saúde. No entanto, a inclusão da especiaria cúrcuma à sua dieta e o consumo de um suplemento de cúrcuma/curcumina parece desempenhar um papel importante na prevenção de doenças.

Referências:

  1. Rachel Groff, Meghan Strom, Laura Hopkins, Lena Feng, Allison Hopkins and Janet Funk. Dietary Supplements and Nutritional Approaches Used for Rheumatoid Arthritis Self-Management April 2017. The FASEB Journal vol. 31 no. 1 Supplement lb396
  2. Daily JW, Yang M, Park S. Efficacy of Turmeric Extracts and Curcumin for Alleviating the Symptoms of Joint Arthritis: A Systematic Review and Meta-Analysis of Randomized Clinical Trials. Journal of Medicinal Food. 2016;19(8):717-729. doi:10.1089/jmf.2016.3705.
  3. Griffiths K, Aggarwal BB, Singh RB, Buttar HS, Wilson D, De Meester F. Food Antioxidants and Their Anti-Inflammatory Properties: A Potential Role in Cardiovascular Diseases and Cancer Prevention. Battino M, ed. Diseases. 2016;4(3):28. doi:10.3390/diseases4030028.
  4. Shehzad, A. and Lee, Y. S. (2013), Molecular mechanisms of curcumin action: Signal transduction. BioFactors, 39: 27–36. doi:10.1002/biof.1065
  5. Ravindran J, Prasad S, Aggarwal BB. Curcumin and Cancer Cells: How Many Ways Can Curry Kill Tumor Cells Selectively? The AAPS Journal. 2009;11(3):495-510. doi:10.1208/s12248-009-9128-x.
  6. Patil K, Guledgud MV, Kulkarni PK, Keshari D, Tayal S. Use of Curcumin Mouthrinse in Radio-Chemotherapy Induced Oral Mucositis Patients: A Pilot Study. Journal of Clinical and Diagnostic Research: JCDR. 2015;9(8):ZC59-ZC62. doi:10.7860/JCDR/2015/13034.6345.
  7. Journal of Alzheimer's Disease, vol. 55, no. 2, pp. 797-811, 2017
  8. J Alzheimers Dis. 2017;60(2):451-460. doi: 10.3233/JAD-170354.
  9. Houssen ME, Ragab A, Mesbah A, El-Samanoudy AZ, Othman G, Moustafa AF, Badria FA. Natural anti-inflammatory products and leukotriene inhibitors as complementary therapy for bronchial asthma. Clin Biochem. 2010 Jul;43(10-11):887-90.
  10. Abidi A, Gupta S, Agarwal M, Bhalla HL, Saluja M. Evaluation of Efficacy of Curcumin as an Add-on therapy in Patients of Bronchial Asthma. Journal of Clinical and Diagnostic Research: JCDR. 2014;8(8):HC19-HC24. doi:10.7860/JCDR/2014/9273.4705.
  11. Vibha Singh, Mahesh Pal,1 Shalini Gupta,2 S. K. Tiwari,1 Laxman Malkunje, and Somdipto Das. Turmeric - A new treatment option for lichen planus: A pilot study. Natl J Maxillofac Surg. 2013 Jul-Dec; 4(2): 198–201.
  12. doi:  10.4103/0975-5950.127651
  13. Sarkar A, De R, Mukhopadhyay AK. Curcumin as a potential therapeutic candidate for Helicobacter pylori associated diseases. World Journal of Gastroenterology. 2016;22(9):2736-2748. doi:10.3748/wjg.v22.i9.2736.
  14. Li Y, Li M, Wu S, Tian Y. Combination of curcumin and piperine prevents formation of gallstones in C57BL6 mice fed on lithogenic diet: whether NPC1L1/SREBP2 participates in this process? Lipids in Health and Disease. 2015;14:100. doi:10.1186/s12944-015-0106-2.
  15. J Appl Toxicol. 2010 Jul;30(5):457-68. doi: 10.1002/jat.1517.
  16. Shankar TN, Shantha NV, Ramesh HP, Murthy IA, Murthy VS. Toxicity studies on turmeric (Curcuma longa): acute toxicity studies in rats, guineapigs and monkeys. Indian Journal of Experimental Biology 1980 Vol.18 No.1 pp.73-75 ref.11

Artigos Relacionados

Ver tudo

Bem-estar

Um guia rápido sobre a luteína e zeaxantina

Bem-estar

Dicas para se manter saudável durante o jet lag

Bem-estar

Mix de óleos essenciais inspirados pelo amor