header_search header_signed-out header_signed-in header_cart sharefilled circlex circleexclamation iherbleaf
checkoutarrow
BR
O produto foi adicionado ao carrinho
Total:
Desconto:
Junto:
Quantidade:
Cart Total:
Finalizar
Clientes também compraram:
Ajuda 24 horas
beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements
Bem-estar

Benefícios à saúde da CoQ10

14 Julho 2017

A Coenzima Q10 (CoQ10) é um componente essencial da mitocôndria - a unidade de produção de energia em toda célula do nosso corpo. A CoQ10 está envolvida na fabricação de ATP, que o corpo usa para criar energia. O papel da CoQ10 é similar ao de uma vela em um motor de carro - sem a fagulha inicial, o corpo humano não consegue funcionar.

A CoQ10 pode ser fabricada dentro do corpo, mas algumas vezes os nossos corpos simplesmente não fabricam o suficiente. O coração é um dos órgãos mais metabolicamente ativos no corpo, então uma deficiência de CoQ10 afeta muito o seu coração e pode levar a sérios problemas. A deficiência pode ser resultado de uma dieta pobre, genética ou defeitos adquiridos que limitam a síntese de CoQ10, ou necessidades aumentadas do tecido. Doenças cardíacas e vasculares, incluindo colesterol alto e hipertensão arterial, podem aumentar a demanda dos tecidos por CoQ10. Além disto, pessoas com mais de 50 anos podem precisar de mais CoQ10, já que sabidamente os níveis reduzem com a idade.

Existem fontes alimentares de CoQ10?

Sim, mas o consumo típico diário de CoQ10 de fontes alimentares é só cerca de 3 a 5 mg - nem perto do nível necessário para aumentar significativamente os níveis sanguíneos e teciduais. Carne, aves e peixes fornecem a maioria do CoQ10 alimentar.

Quais são os principais usos da CoQ10?

Os suplementos de CoQ10 são usados, em sua maioria, para tratar ou prevenir doenças cardiovasculares como o colesterol alto, hipertensão arterial, falha cardíaca congestiva, cardiomiopatia, prolapso da válvula mitral, ponte aorto-coronária e angina. Muitos estudos científicos validaram estes usos. Além disto, a CoQ10 demonstrou ser de grande ajuda no combate à diabetes, doença periodontal, deficiência imunológica, câncer, obesidade e distrofia muscular.

Esteja ciente que podem levar oito semanas ou mais de suplementação com CoQ10 até que você possa ver uma melhoria considerável em qualquer uma destas doenças.

Como a CoQ10 melhora a função cardíaca?

A CoQ10 melhora a produção de energia no músculo cardíaco e age como um antioxidante. A deficiência de CoQ10 é comum em pacientes com doenças cardíacas. Resultados de biópsias do tecido cardíaco de pacientes com diversas doenças cardiovasculares demonstraram uma deficiência de CoQ10 em 50 a 75 por cento de todos os casos. A correção de uma deficiência de CoQ10 pode produzir com frequência resultados clínicos dramáticos em pacientes com qualquer tipo de doença cardíaca.

A CoQ10 pode reduzir a pressão arterial?

Pesquisas demonstraram que 39 por cento dos pacientes com hipertensão arterial têm uma deficiência de CoQ10. Em diversos estudos, a suplementação com CoQ10 demonstrou reduzir a pressão arterial em pacientes com hipertensão, embora os efeitos não serem normalmente notados antes de oito a dez semanas. Reduções típicas tanto na pressão sistólica quanto na diastólica estão na faixa de 10 por cento.

Como a CoQ10 melhora o sistema imunológico?

Os tecidos e células envolvidos com a função imunológica são muito dependentes de energia e requerem um suprimento adequado de CoQ10 para o funcionamento ideal. Estudos documentaram o efeito de melhoria imunológica da CoQ10. Também, a CoQ10 deve definitivamente ser usada por pacientes de câncer após tomar qualquer medicamento de quimioterapia associada com a toxicidade cardíaca, como a adriamicina e antralina.

A CoQ10 pode promover a perda de peso?

Já que a CoQ10 é um cofator essencial para a produção de energia, é possível que a deficiência de CoQ10 seja um fator em alguns casos de obesidade. Um estudo de pessoas obesas descobriu que 52 por cento possuíam níveis baixos de CoQ10. Quando lhes foi dado 100 mg ao dia de CoQ10, eles tiveram uma significativa perda de peso.

Qual é a melhor forma da CoQ10?

A Coenzima Q10 está disponível primariamente em comprimidos ou cápsulas. As melhores preparações parecem ser cápsulas gelatinosas macias com CoQ10 em uma base oleosa ou em forma solúvel. Para uma absorção ainda melhor, a CoQ10 deve ser consumida com alimentos.

Eu acredito que a melhor forma da CoQ10 no mercado seja a Clear Q da Natural Factors. Para melhorar a absorção e utilização de CoQ10 pelo corpo, alguns fabricantes olharam para os componentes sintéticos para tornas suas fórmulas de CoQ10 mais solúveis. A Natural Factors escolheu uma abordagem mais natural ao invés disto. Usando um processo de patente pendente denominado Lipcom (compressão de lipídios), a Natural Factors ligou a CoQ10 à mais pura forma da vitamina E natural disponível (Vitamina E Clear Base: pura, 100 por cento natural acetato tocoferilo d-alfa). O resultado é um produto de CoQ10 que é mais facilmente absorvido e usado pelo corpo.

Em um estudo preliminar, foi dado a sujeitos a Clear Q ou a CoQ10 padrão. Após seis horas, os níveis sanguíneos de CoQ10 dos pacientes que tomaram o Clear Q aumentaram em 235 por cento, mais do que os que consumiram o produto padrão. Além disto, seis horas após a suplementação com Clear Q, os níveis sanguíneos de CoQ10 podem ser mais altos do que 2,5 mcg por ml - a quantidade necessária para resultados consistentes com a CoQ10. A CoQ10 está presente no sangue tanto na forma oxidada (inativa) quanto reduzida (ativa). Estresse oxidativo aumentado ou baixos níveis de vitamina E convertem mais CoQ10 para sua forma oxidada. Pesquisas mostram que altos níveis de vitamina E pura aumentam a atividade e a função biológica da CoQ10, que em retorno melhora a atividade da vitamina E.

Quanto CoQ10 eu devo ingerir?

Usualmente é recomendado de 50 a 150 mg de CoQ10 ao dia, mas se o suplemento será eficiente, parece que os níveis sanguíneos de CoQ10 devem aumentar acima de 2,5 mgc por ml e ser mantidos neste nível por um período prolongado. O nível sanguíneo normal de CoQ10 é aproximadamente de 1 mcg por ml, então pode ser difícil alcançar os níveis sanguíneos terapêuticos, especialmente com formas pouco absorvidas de CoQ10.

Aqui está o que eu recomendo: Comece tomando quatro cápsulas de Clear Q com uma refeição. Isto fornece 200 mg de CoQ10 e 1600 UI de vitamina E. Então, tome duas cápsulas de Clear Q ao dia por uma semana, seguido por uma dose de manutenção de uma cápsula ao dia para pessoas pesando até 113 kg e duas cápsulas ao dia para pessoas acima de 113 kg.

A CoQ10 é segura?

A Coenzima Q10 é muito segura—não foi reportado nenhum efeito adverso sério, mesmo com uso prolongado. Devido à segurança não ter sido comprovada durante a gravidez ou amamentação, a CoQ10 não deve ser usada durante estes períodos a menos que os benefícios clínicos potenciais (determinado por um médico) sobreponham os riscos.

A CoQ10 interage com algum medicamento?

Não existem interações adversas conhecidas entre a CoQ10 e qualquer droga ou nutriente. No entanto, muitas drogas podem afetar adversamente os níveis de CoQ10 e esta pode ser capaz de reduzir os efeitos colaterais de algumas drogas. Além da adriamicina, a suplementação com CoQ10 demonstrou combater alguns efeitos adversos de certas drogas betabloqueadoras, de redução de colesterol e psicotrópicas. Lovastatina (Mevacor), pravastina (Pravachol), atorvastatina (Lipitor) e a sinvastatina (Zocor) são usados para reduzir o colesterol sanguíneo inibindo a enzima (HMG CoA redutase) necessária para fazer o colesterol no fígado. Infelizmente, estas drogas também bloqueiam a produção de outras substâncias necessárias às funções corporais, incluindo a CoQ10. Suplementar com CoQ10 (50 mg ao dia) é necessário para prevenir o seu esgotamento nos tecidos corporais durante o uso destas drogas.

Referências:

  1. Schandalik R, Gatti G, and Perucca E: Pharmacokinetics of silybin in bile following administration of silipide and silymarin in cholecystectomy patients. Arzneim Forsch 1992;42(7):964-8.
  2. Barzaghi N, et al.: Pharmacokinetic studies on IdB 1016, a silybin-phosphatidylcholine complex, in healthy human subjects. Eur J Drug Metab Pharmacokinet 1990;15(4):333-8.
  3. Mascarella S, et al.:Therapeutic and antilipoperoxidant effects of silybin-phosphatidylcholine complex in chronic liver disease: Preliminary results. Curr Ther Res 1993;53(1):98-102.
  4. Vailati A, et al.: Randomized open study of the dose-effect relationship of a short course of IdB 1016 in patients with viral or alcoholic hepatitis. Fitoterapia 1993;44(3):219-28.
  5. Marena C and Lampertico P: Preliminary clinical development of Silipide: A new complex of silybin in toxic liver disorders. Planta Medical 1991;57(S2):A124-5.
  6. Facino RM, et al.: Free radicals scavenging action and anti-enzyme activities of procyanidines from Vitis vinifera. A mechanism for their capillary protective action. Arzneim Forsch 1994;44:592-601.
  7.  Schwitters B and Masquelier J: OPC in Practice: Biflavanols and Their Application. Alfa Omega, Rome, Italy, 1993.
  8. Corbe C, Boisin JP and Siou A: Light vision and chorioretinal circulation. Study of the effect of procyanidolic oligomers (Endotelon). J Fr Ophtalmol 1988;11:453-60.
  9. Boissin JP, Corbe C and Siou A: Chorioretinal circulation and dazzling: use of procyanidol oligomers. Bull Soc Ophtalmol Fr 1988;88:173-4,177-9.
  10. Weihmayr T and Ernst E.Therapeutic effectiveness of Crataegus. Fortschr Med 1996;114:27–9.
  11. Schmidt U, et al.: Efficacy of the Hawthorn (Crataegus) preparation LI 132 in 78 patients with chronic congestive heart failure defined as NYHA functional class II. Phytomed 1994;1(1):17–24.
  12. Schussler M, Holzl J, Fricke U: Myocardial effects of flavonoids from Crataegus species. Arzneim Forsch 1995;45:842-5.
  13. Hertog MG, et al: Dietary antioxidant flavonoids and risk of coronary heart disease: the Zutphen Elderly Study. Lancet 1993;342:1007-11.
  14. Wegrowski J, Robert Am and Moczar M:The effect of procyanidolic oligomers on the composition of normal and hypercholesterolemic rabbit aortas. Biochem Pharmacol 1984;33:3491-7.
  15. Wilkinson EG, et al.: Bioenergetics in clinical medicine. VI. Adjunctive treatment of periodontal disease with coenzyme Q10. Res Commun Chem Pathol Pharmacol 1976;14:715-9.
  16. Hanioka T, et al.: Effect of topical application of coenzyme Q10 on adult periodontitis. Mol Aspects Med 1994;15(Suppl):S241-8.
  17. Folkers K, et al.: Increase in levels of IgG in serum of patients treated with coenzyme Q10. Res Comm Pathol Pharmacol 1982;38:335-8.
  18. Lockwood K, Moesgaard S, Folkers K. Partial and complete regression of breast cancer in patients in relation to dosage of coenzyme Q10. Biochem Biophys Res Comm 1994;199:1504-8.
  19.  Lockwood K, Moesgaard S,Yamamoto T, Folkers K. Progress on therapy of breast cancer with vitamin Q10 and the regression of metastases. Biochem Biophys Res Comm 1995;212:172-7.
  20. Iarussi D, et al.: Protective effect of coenzyme Q10 on anthracyclines cardiotoxicity: control study in children with acute lymphoblastic leukemia and non-Hodgkin lymphoma. Mol Aspects Med 1994;15(Suppl.):s207-12.
  21. van Gaal L, de Leeuw ID, Vadhanavikit S, and Folkers K: Exploratory study of coenzyme Q10 in obesity. In: Folkers K,Yamamura Y, eds: Biomedical and Clinical Aspects of Coenzyme Q, Vol 4. Elsevier Science Publ, Amsterdam,1984. pp369-73.
  22. Weiss M, et al.: Bioavailability of four oral coenzyme Q10 formulations in healthy volunteers. Molec Aspects Med 1994;15:273-80.
  23. Chopra RK, et al.: Relative bioavailability of coenzyme Q10 formulations in human subjects. Internat J Vit Nutr Res 1998;68:109-13.
  24. Malqvist ML, et al.: Bioavailability of two different formulations of coenzyme Q10 in healthy subjects. Asia Pacific J Clin Nutr 1998;7:37-40.
  25. Zhang Y,Turunen M, and Appelkvist EL: Restricted uptake of dietary coenzyme Q is in contrast to the unrestricted uptake of alpha-tocopherol into rat organs and cells. J Nutr 1996;126:2089-97.
  26. Ibrahim WH, et al.: Dietary coenzyme Q10 and vitamin E alter the status of these compounds in rat tissues and mitochondria. J Nutr 2000;130:2343-8.
  27. Kaikkonen J, et al.: Antioxidative efficacy of parallel and combinedsupplementation with coenzyme Q10 and d-alpha-tocopherol in mild lyhypercholesterolemic subjects: a randomized placebo-controlled clinicalstudy Free Radic Res 2000;33:329-40.
  28. Bargossi AM, et al.: Exogenous CoQ10 supplementation prevents plasma ubiquinone reduction induced by HMG-CoA reductase inhibitors. Mol Aspects Med 1994;15(Suppl.):s187-93.

Artigos Relacionados

Ver tudo

Bem-estar

Mix de óleos essenciais inspirados pelo amor

Bem-estar

Raiz de ouro – Adaptógeno anti-idade para energia, função cerebral e mais

Bem-estar

Os benefícios de produtos e alimentos naturais para animais de estimação