beauty2 heart-circle sports-fitness food-nutrition herbs-supplements
Bem-estar

Cinco ervas tradicionais para aumentar naturalmente o teor de colágeno

3 Abril 2019

Neste texto:

O colágeno é uma das proteínas mais importantes para a beleza e o bem-estar. Especificamente, o colágeno de tipo 1 tem ocorrência natural na pele, nos cabelos, nos ossos, nas células sanguíneas, nos vasos sanguíneos e nos tendões. O colágeno é a proteína que dá à pele sua elasticidade e dá brilho aos cabelos. De fato, a reputação de melhora da aparência da pele e dos cabelos é um dos benefícios mais conhecidos do colágeno. Muitos indivíduos usam o colágeno para dar à pele uma aparência plena e jovem ou para aumentar o crescimento capilar.

Além dos benefícios para a beleza, o colágeno tem várias aplicações para a saúde. Para articulações e tendões, o colágeno tem um importante papel na eficiência e na flexibilidade do tecido conjuntivo. Essencialmente, ele age como a “cola” que ajuda a manter todas essas partes do corpo unidas. Depois de metabolizado, o colágeno também tem um papel importante na absorção dos nutrientes no sistema digestivo. Os receptores de colágeno no revestimento intestinal ajudam o corpo a absorver minerais e nutrientes essenciais. Como o colágeno também contém o aminoácido glicina, a produção natural do nutriente pode ajudar com a síntese de ATP, a unidade de energia natural do corpo. Assim, o colágeno pode ter um papel importante nos exercícios de perda de peso e na recuperação muscular pós-treino. Graças às evidências clínicas que suportam os benefícios do colágeno, uma visão geral de ervas antigas é uma ótima forma de decidir se essa é a melhor abordagem para aumentar seu consumo do nutriente.

Principais benefícios do colágeno para a saúde e o bem-estar

O colágeno tem importantes benefícios energéticos e químicos para a saúde e o bem-estar. Essa proteína é essencial para a absorção de sílica, cálcio e outras vitaminas e minerais. Como resultado, o colágeno tem um papel primário na manutenção da saúde de ossos, articulações, tecido conjuntivo e dentes. O alto teor de sílica nas ervas ricas em colágeno também pode auxiliar o crescimento capilar e contribuir para dentes saudáveis e brilhantes. Como o colágeno é um componente primário dos tecidos que revestem o intestino, essa proteína também tem uma função importante na absorção de nutrientes durante a digestão de refeições.

Significativamente, muitas ervas tradicionais que auxiliam a produção de colágeno possuem qualidades adstringentes e demulcentes. Ervas adstringentes fazem com que os tecidos corporais se contraiam, reduzindo inchaços e o acúmulo de toxinas. Elas também podem reduzir a superprodução de óleo ou sebo e o excesso de secreção das membranas mucosas. Ervas demulcentes promovem a expansão dos tecidos corporais, ajudando a conectividade e a flexibilidade dos tecidos. Elas também podem fornecer um revestimento calmante ou protetor sobre membranas mucosas, produzindo um efeito anti-inflamatório. Ervas ricas em colágeno são únicas, pois contêm propriedades tanto adstringentes quanto demulcentes. Assim, a proteína colágeno pode agir como um “bloco fundamental” para as células mais importantes do corpo.

Cinco principais ervas para melhorar a produção de colágeno

Durante séculos, culturas antigas utilizaram ervas tradicionais na medicina alternativa e folclórica. Nos anos recentes, a comunidade científica suporta muitas das propriedades importantes atribuídas às ervas ricas em colágeno. Por exemplo, pesquisas demonstraram benefícios do colágeno para a recuperação muscular, o tecido conjuntivo e a digestão. Estudos também demonstraram os efeitos anti-inflamatórios da proteína. Como especialistas em saúde acreditam que o colágeno promove uma pele e cabelos atraentes, pós e suplementos de colágeno têm se tornado fundamentais na indústria moderna de beleza. Devido à abundância de opções de produtos, não é de se espantar que muitos iniciantes procuram ajuda sobre por onde começar. A revisão a seguir, das cinco principais ervas tradicionais e chinesas, pode ajudar na sua jornada para melhorar a produção de colágeno do corpo.

He Shou Wu: adaptógeno ancião do colágeno

Nomes alternativos: Fo ti, Polygonum multiflorum, Reynoutria multiflora, fallopia chinesa, fallopia multiflora

A He Shou Wu é uma erva chinesa derivada da raiz da planta fallopia multiflora. Considerada a chefe das ervas chinesas, essa raiz rica em colágeno tem propriedades adaptogênicas documentadas. Isso significa que o uso regular pode auxiliar o sistema adrenal, as glândulas que produzem os hormônios essenciais para um estilo de vida saudável. Os hormônios adrenais incluem cortisol, que é um hormônio que regula o metabolismo, ganho de peso e a resposta do corpo ao estresse oxidativo, assim como a aldosterona, que pode afetar a pressão sanguínea. O aumento na produção de colágeno para criar um efeito harmonizante no sistema adrenal é um dos principais usos modernos da He Shou Wu.

Herbalistas chineses têm utilizado e reverenciado a He Shou Wu por mais de 3.000 anos. Diz a lenda que o mestre que descobriu a planta também descobriu que ela restaura a cor escura natural dos cabelos e aumenta a virilidade masculina. Ainda hoje, a medicina chinesa lista a erva como um remédio para restaurar o desempenho sexual, rejuvenescer o sistema nervoso, curar o fígado e os rins, fortalecer ossos frágeis e purificar o sangue. Resumindo, os chineses acreditam que a He Shou Wu preserva o Jing, a “essência da vida”. Como ela auxilia essa essência da vida, herbalistas chineses referem-se à erva como “o elixir da vida” ou a “fonte da juventude”.

Além disso, a He Shou Wu tem uma história igualmente longa como um auxílio para o crescimento capilar e como um tônico restaurador. O efeito equilibrador da erva no sistema endócrino e adrenal, em conjunto com suas propriedades de produção de colágeno e alto teor de zinco, a tornam um remédio popular da medicina alternativa para reverter a perda capilar. Entusiastas da medicina tradicional chinesa também acreditam que essa raiz herbácea é um método infalível para restaurar o cabelo grisalho para sua cor escura natural. Qualquer pessoa interessada em usar um dos tônicos capilares mais populares pode se beneficiar da He Shou Wu.

Cavalinha: restauradora anciã do colágeno

Nomes alternativos: Equisetum arvense, erva canudo, rabo de cavalo

A cavalinha não só é uma das ervas mais antigas usadas em remédios antigos como também é uma das plantas mais antigas existentes no planeta. Essa planta é o único gênero vivo na família Equisetaceae, um grupo de plantas que se reproduzem dispersando esporos ao invés de sementes. Portanto, a cavalinha é um “fóssil vivo” que sobreviveu por quase 100 milhões de anos. Essa formidável erva comprovou sua capacidade de resistir até as condições mais desfavoráveis, e seu rico teor de antioxidantes dá à cavalinha essa resistência, que também pode beneficiar o corpo humano. Nomeada por sua semelhança com um rabo de cavalo, a cavalinha tem um caule resistente e galhos ricos em cálcio, magnésio e potássio.

Talvez a propriedade mais importante da cavalinha seja seu alto teor de sílica. A sílica é um micronutriente essencial para a produção natural de colágeno do corpo. Pesquisas sugerem que a sílica ajuda a reativar o colágeno que protege a cartilagem, os tendões e os rins. Com a idade ou doenças sérias, as células do tecido conjuntivo podem secretar menos colágeno. A sílica pode ajudar a reparar essas áreas mais fracas, além de promover a saúde de ossos e dentes. Como a cavalinha contém uma abundância de cristais de sílica, o corpo humano pode absorver esse tipo de nutriente mais facilmente. Como resultado, a erva está entre uma das ervas naturais mais recomendadas para aumentar a produção de colágeno. O alto teor de sílica também torna a cavalinha um popular produto experimental para aumentar o crescimento capilar. Significativamente, estudos também sugerem que a sílica pode ajudar a curar fraturas ósseas e reduzir um pouco do desconforto associado ao reumatismo e à artrite. Como a cavalinha rica em sílica pode promover uma produção contínua de colágeno e, portanto, melhorar a elasticidade em áreas fracas das articulações, herbalistas recomendam essa erva para atletas competitivos.

Cipó doce: antioxidante ancião do colágeno

Nomes alternativos: Gynostemma pentaphyllum, jiaogulan, erva da imortalidade

Dentre todas as ervas chinesas anciãs, o cipó doce tem uma reputação reverenciada como uma erva da imortalidade, ou até como sendo divina. De acordo com a medicina tradicional chinesa, as pessoas que utilizam o cipó doce regularmente tradicionalmente viveram vidas mais longas e mais ativas. Pesquisas sugerem que a fonte dessa reputação de vitalidade pode ser o fato de que o cipó doce contém dois grandes antioxidantes: glutationa e superóxido dismutase. A glutationa é um antioxidante vegetal que combate naturalmente os radicais livres que atam as células vasculares. Um estudo publicado no National Institutes of Health descobriu que a utilização de produtos com glutationa pode induzir a produção de colágeno, além de poder ter efeitos anti-idade e antirrugas na pele. Um segundo estudo clínico descobriu que o uso do cipó verde pode ajudar a reduzir os efeitos neurológicos do envelhecimento, incluindo fadiga mental, insônia, perda de memória ou baixo equilíbrio. Por esse motivo, muitos entusiastas das ervas acreditam que o uso de cipó verde pode melhorar a qualidade de vida até em idades avançadas.

Apesar de algumas pessoas poderem ser mais familiarizadas com o ginseng devido à sua popularidade nas últimas décadas, o cipó verde tem propriedades adicionais, que se sobressaem até em relação ao ginseng como um produto de bem estar. Por exemplo, uma amostra de cipó verde contém quase três vezes a quantidade de saponinas do que uma amostra de ginseng. Também conhecidas como gipenosídeos, essas saponinas são compostos químicos que podem ter um efeito anti-inflamatório nos órgãos. Como as saponinas têm a capacidade de interagir com membranas celulares e influenciar a resposta biológica, esses compostos químicos também podem dar ao cipó verde suas propriedades de cura e adstringência. Em conjunto com sua adstringência, o cipó verde também tem propriedades demulcentes, que aumentam a produção de colágeno no intestino. Esse colágeno intestinal tem a capacidade de revestir o intestino, e pode ajudar com a absorção de nutrientes enquanto reduz inflamações. Por esse motivo, o cipó verde é uma das ervas tradicionais mais populares para aumentar a produção de colágeno durante regimes de perda de peso.

Urtiga: mineralizador ancião do colágeno

Nomes alternativos: Urtica dioica, urtiga comum, urtica urens, folha de urtiga

A urtiga é uma das ervas tradicionais mais antigas para o cuidado pessoal. Valorizada no mundo todo por suas propriedades antissépticas e restauradoras, a urtiga é um ingrediente popular em produtos como xampu e sabonete. Ela também é um tônico tradicionalmente usado para rejuvenescer quase todos os grandes sistemas do corpo, incluindo os sistemas imunológico, cardiovascular, digestivo, urinário, respiratório, nervoso e endócrino. Estudos preliminares também demonstram que a urtiga pode promover a saúde dos ossos e da próstata. Herbalistas associam a efetividade da folha da urtiga com seu famoso conteúdo de minerais.

A urtiga contém grandes quantidades de cálcio, sílica, magnésio, potássio e enxofre. Esses minerais e nutrientes essenciais têm um papel importante no equilíbrio de eletrólitos do corpo. Ter uma quantidade suficiente desses nutrientes também tem um papel importante na capacidade dos tecidos de se curarem. Além disso, minerais como o cálcio e a sílica podem ajudar a ativar receptores de colágeno dentro de membranas celulares. Essa capacidade receptiva torna a urtiga comum uma escolha excelente para indivíduos interessados em aumentar a produção natural de colágeno. O alto conteúdo de enxofre na urtiga também pode estimular os folículos capilares e estimular a circulação sanguínea no couro cabeludo. Essa estimulação próxima das raízes dos cabelos pode ajudar os folículos capilares a produzem fios mais saudáveis, contribuindo para um cabelo mais atraente.

Além de minerais importantes, a urtiga também contém vitaminas lipossolúveis, como vitamina A, vitamina K, vitamina D e vitamina E. Nutricionistas e entusiastas do bem-estar acreditam que essas vitaminas lipossolúveis podem promover a saúde de olhos, pele e ossos. Além de vitaminas lipossolúveis, a urtiga contém uma variedade de vitaminas do complexo B e flavonoides antioxidantes. Essas vitaminas hidrossolúveis e antioxidantes vegetais podem promover a saúde celular, além de poderem ter um efeito nutritivo na pele e nos cabelos. Com registros datados desde a idade média, as pessoas usavam a folha da urtiga para limpar e engrossar os cabelos. Como a urtiga tem benefícios ligados ao colágeno e uma variedade de vitaminas essenciais, entusiastas da beleza modernos também podem usá-la como um agente limpador e nutritivo.

Assim como outras ervas tradicionais que encorajam a produção do colágeno, a urtiga tem propriedades adstringentes e demulcentes. As propriedades adstringentes da urtiga se tornaram particularmente aparentes através de seus usos em remédios para crescimento capilar e cuidados do couro cabeludo. Especificamente, a urtiga comum é um dos bloqueadores mais populares da di-hidrotestosterona, ou DHT. O hormônio DHT é um hormônio andrógeno que o corpo libera como subproduto da testosterona. Os hormônios DHT se ligam às glândulas sebáceas localizadas no couro cabeludo, causando uma superprodução de óleo que inibe o crescimento capilar. Pesquisadores ligaram o excesso de DHT e hormônios andrógenos relacionados a um padrão de calvície e perda capilar. Felizmente, a urtiga é um inibidor do DHT. Ela pode reduzir os efeitos do excesso de produção de sebo, e suas propriedades adstringentes podem contrair ou reduzir as glândulas sebáceas. Como resultado, a urtiga é uma das ervas tradicionais mais populares para tratar a perda capilar.

Em conjunto com as propriedades adstringentes que contraem as glândulas sebáceas no couro cabeludo, a urtiga também pode apertar os poros faciais e melhorar a aparência da pele do corpo. Herbalistas também utilizaram o chá de urtiga ou tônicos para combater eczema ou como um antisséptico leve em cortes ou machucados. As propriedades demulcentes da urtiga podem ajudar a proteger os receptores de colágeno no revestimento intestinal e nas membranas mucosas, e suas propriedades antioxidantes podem ajudar a combater os radicais livres associados ao estresse oxidativo.

Mangostão: curativo ancião do colágeno

Nomes alternativos: Garcinia mangostana, mangostão roxo

Como o colágeno mantém o tecido conjuntivo e a pele firmes, plenos e resistentes, culturas antigas costumavam usar plantas como o mangostão, que aumentam naturalmente o teor de colágeno. Essas ervas contêm colágeno ou nutrientes que melhoram naturalmente a produção de colágeno. Um excelente exemplo de uma dessas valiosas plantas é a casca do mangostão. Colhido nas selvas do sudeste asiático, o mangostão tem um dos mais altos conteúdos de vitamina C na natureza. A vitamina C no mangostão estimula os aminoácidos nas células de colágeno, adicionando hidrogênio e oxigênio aos compostos celulares, resultando em uma significativa produção de colágeno. Como o corpo não produz sua própria vitamina C, é essencial obter um fornecimento de vitaminas de alimentos ricos em antioxidantes. A casca do mangostão é uma das formas mais simples de aumentar o consumo e de se obter benefícios a partir de outros tipos de antioxidantes.

Além de seu famoso teor de vitamina C, o mangostão também contém um importante grupo de polifenóis orgânicos, conhecido como xantonas. Essas xantonas são antioxidantes raros, que promovem a atividade celular anti-inflamatória, antibacteriana e antifúngica. Reconhecendo essas propriedades únicas, populações indígenas antigas na Indonésia e na China referiam-se ao mangostão como “o curador”. Para indivíduos interessados em melhora do estilo de vida e longevidade, o mangostão é uma das ervas mais populares disponíveis no mercado. Além disso, ao contrário de muitas ervas que limitam os benefícios de antioxidantes para a folha ou a raiz da planta, o mangostão retém os antioxidantes de xantonas no pericarpo, a fruta inteira, o caule e a folha. A erva não perde suas propriedades antioxidantes durante o processo de colheita. Isso permite que os clientes escolham dentre uma variedade de produtos de mangostão para aumentar naturalmente os níveis de colágeno.

Além de promover a produção natural de colágeno, o mangostão tem usos tradicionais como um tônico natural de beleza. Por exemplo, as propriedades anti-inflamatórias do pericarpo do mangostão podem reduzir a aparência de manchas associadas a acne, cirrose, eczema ou brotoejas. Como o mangostão pode aumentar a produção de colágeno nos vasos sanguíneos e no sistema circulatório, a fruta inteira pode aumentar a microcirculação e resultar em uma pele com aparência mais radiante. A casca e o pericarpo do mangostão também contêm fenólicos, ou compostos orgânicos que ajudam a combater os radicais livres que atacam as membranas celulares. Graças a esses benefícios antioxidantes, a casca do mangostão é uma excelente alternativa às cascas de laranja ou limão. Qualquer pessoa interessada em melhorar um regime de bem estar pode se beneficiar das propriedades curativas do mangostão.

Artigos Relacionados

Ver tudo

Bem-estar

Embalagens Caseiras Reutilizáveis para Alimentos com Cera de Abelhas

Bem-estar

L-Serina: uma nova abordagem radical para a ELA, o mal de Parkinson e o mal de Alzheimer

Bem-estar

Mude sua saúde carregando suas mitocôndrias